Ciclagem de nutrientes em diferentes condições topográficas em Floresta Estacional Semidecidual, Pinheiral-RJ

Gilsonley Lopes dos Santos, Marcos Gervasio Pereira, Thais de Andrade Corrêa Neto, Victória Maria Monteiro Mendonça, Carlos Eduardo Gabriel Menezes

Resumo


Nos ecossistemas florestais, a dinâmica da serapilheira está relacionada à tipologia vegetal e as condições climáticas dos ambientes, as quais são influenciadas pela heterogeneidade topográfica da paisagem. Assim, o objetivo deste estudo foi avaliar se diferentes condições de relevo (pedoformas convexa e côncava) alteram a dinâmica da serapilheira em Floresta Estacional Semidecidual na sub-bacia do ribeirão Cachimbal, Pinheiral-RJ. Foram selecionadas duas pedoformas adjacentes com relevo do tipo convexa (convexa-divergente) e côncava (côncava-convergente), sendo essas divididas em minissítios (MS) I, II, e III na pedoforma convexa e IV, V e VI na pedoforma côncava. Nos diferentes ambientes foram avaliados o estoque e a decomposição da serapilheira em duas estações do ano (chuvosa e seca). Para avaliar o estoque foram coletadas dez amostras de serapilheira de cada um dos MS, utilizando um gabarito quadrado com 25 cm de lado. Para avaliar a taxa de decomposição da serapilheira, foram selecionadas 10 g de folhas, as quais foram acondicionadas em litterbags, instalados no campo e coletadas em diferentes intervalos de tempo. O estoque e os teores de nutrientes da serapilheira foram influenciados em função do tipo da pedoforma, variação do gradiente topográfico e estação do ano, maiores estoques foram observados na pedoforma convexa, em estação seca e os maiores teores de K+ e Mg+2 foram observados nos MS inferiores das pedoformas. Por outro lado, os teores de carbono foram influenciados apenas pela estação do ano como maiores teores na estação chuvosa. A decomposição da serapilheira ocorre de maneira diferenciada em função da pedoforma, do gradiente topográfico e da estação do ano, cujos maiores valores foram observados na pedoforma convexa e na estação chuvosa.


Palavras-chave


Serapilheira; Decomposição; Ecossistemas florestais

Texto completo:

PDF

Referências


APONTE, C.; GARCÍA, L. V.; MARAÑÓN, T. Tree species effect on litter decomposition and nutrient release in Mediterranean oak forests changes over time. Ecosystems, Austrália, v. 31, n.7, p. 1204-1218, 2012.

BORÉM, R. T.; RAMOS, D. P. Variação estacional e topográfica de nutrientes na serapilheira de um fragmento de Mata Atlântica. Cerne, Lavras, v. 8, n. 2, p. 42-59, 2002.

CUNHA, G. M. et al. Biomassa e estoque de carbono e nutrientes em Florestas Montanas da Mata Atlântica na região Norte do estado do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, v. 33, n. 5, p. 1175-1185, 2009.

CUNHA NETO, F. V. et al. Acúmulo e decomposição da serapilheira em quatro formações florestais. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 23, n. 3, p. 379-387, 2013.

DINIZ, A. R. et al. Frações da matéria orgânica do solo em plantios clonais de seringueira em regiões costeiras do Brasil. Revista de la Facultad de Agronomía, La Plata, Buenos Aires, v. 114, n.1, p. 106-114, 2015.

FERREIRA, M. L. et al. Litter fall production and decomposition in a fragment of Secondary Atlantic Forest of São Paulo, SP, Southeastern Brazil. Revista Árvore, Viçosa, v.38, n.4, p.591-600, 2014.

GARTNER, T. B. et al. Decomposition dynamics in mixed‐species leaf litter. Oikos, v. 104, n. 2, p. 230-246, 2004.

GODINHO, T. O. et al. Biomassa, macronutrientes e carbono orgânico na serapilheira depositada em trecho de Floresta Semidecidual Submontana, ES. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 41, n. 97, p. 131-144, 2013.

GODINHO, T. O. et al. Quantificação da biomassa e nutrientes na serapilheira acumulada em um trecho de Floresta Estacional Semidecidual Submontana, ES. Cerne, Lavras, v. 20, n. 1, p. 11-20, 2014.

HEAL, O.W. et al. Plant litter quality and decomposition: an historical overview, In: Driven by Nature: plant litter quality and decomposition. Walingford: CAB International, 1997. 409 p.

HÄTTENSCHWILER, S. Effects of tree species diversity on litter quality and decomposition. In: Forest diversity and function. Springer, Berlin, Heidelberg, 2005. p. 149-164.

HOMEIER, J. et al. Tree Diversity, Forest Structure and Productivity along Altitudinal and Topographical Gradients in a Species-Rich Ecuadorian Montane Rain Forest. Biotropica, Washington, v. 42, n. 2, p. 140-148, 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Manual Técnico da Vegetação Brasileira: Sistema fitogeográfico Inventário das formações florestais e campestres, técnicas e manejo de coleções botânicas, procedimentos para mapeamentos. IBGE 2ª Edição. Rio de Janeiro, 2012. 271 p.

JESUS NASCIMENTO, A. F. et al. Produção e aporte de carbono, nitrogênio e fósforo na serapilheira foliar do Parque Nacional Serra de Itabaiana. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 28, n. 1, p. 35-46, 2018.

MACHADO, D. V. Atributos indicadores da dinâmica sucessional em fragmento de Mata Atlântica na região do Médio Vale do Paraíba do Sul, Pinheiral, Rio de Janeiro. 2011. 119 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais e Florestais) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica. 2011.

MACHADO, D. L. et al. Ciclagem de nutrientes em diferentes estágios sucessionais da Mata Atlântica na bacia do Rio Paraíba do Sul, RJ. Bioscience Journal, Uberlândia, v. 31, n. 4, p. 1222-1237, 2015.

MENDONÇA, V. M. M. et al. Aporte de serapilheira sobre diferentes condições geomorfológicas em Floresta Estacional Semidecidual Submontana, RJ. Revista Floresta, Curitiba, v. 3, 10 p., 2019.

MENEZES, C. E. G. et al. Aporte e decomposição da serapilheira e produção de biomassa radicular em florestas com diferentes estágios sucessionais em Pinheiral, RJ. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 20, n. 3, p. 439-452, 2010.

PORTELA, R. C.Q.; SANTOS, F. A. M. Produção e espessura da serapilheira na borda e interior de fragmentos florestais de Mata Atlântica de diferentes tamanhos. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v.30, n.2, p.271-280, 2007.

PROTIL, C. Z. et al. Variação sazonal e redistribuição de bioelementos de quatro espécies arbóreas em três tipologias florestais da Floresta Atlântica do Paraná. Floresta, Curitiba, v.39, n.3, p.699-717, 2009.

REZENDE, C. P. et al. Litter deposition and disapperance in Brachiaria pastures in Atlantic forest region of South Bahia, Brazil. Nutrient Cycling in Agroecosystems, Netherlands, v. 54, n. 2, p. 99-112, 1999.

RIGGS, C. E. et al. Contrasting effects of plant species traits and moisture on the decomposition of multiple litter fractions. Oecologia, Berlin, v. 179, n. 2, p. 573-584, 2015.

SANTONJA, M. et al. Climate change effects on litter decomposition: intensive drought leads to a strong decrease of litter mixture interactions. Plant and Soil, v. 393, n. 1-2, p. 69-82, 2015.

SANTOS, G. L. et al. Padrões da Regeneração Natural na Região de Mar de Morros, Pinheiral-RJ. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 24, 11 p., 2017.

SCHEER, M. B. Decomposição e liberação de nutrientes da serapilheira foliar em um trecho de Floresta Ombrófila Densa Alivial em regeneração, Guaraqueçaba (PR). Revista Floresta, Curitiba, v. 38, n. 2, p. 253-266, 2008.

SCORIZA, R. N.; PIÑA-RODRIGUES, F. C. M. Influência da precipitação e temperatura do ar na produção de serapilheira em trecho de Floresta Estacional em Sorocaba, SP. Revista Floresta, Curitiba, v. 44, n. 4, p. 687 – 696, 2014.

SEIDELMANN, K. N. et al. Direct vs. microclimate-driven effects of tree species diversity on litter decomposition in young subtropical forest stands. PloS one, v. 11, n. 8, p. e0160569, 2016.

SOUZA, E. D. et al. Biomassa microbiana do solo em sistema de integração lavoura-pecuária em plantio direto, submetido a intensidades de pastejo. Revista Brasileira de Ciênica do Solo, Viçosa, v.34, p.79-88, 2010.

TEDESCO, M. J.; GIANELLO, C.; BISSANI, C. A. Análise de solo, plantas e outros materiais. 2. Ed. Porto Alegre: Departamento de Solos, UFRGS, p. 177-188. 1995.

THOMAS, R. J.; ASAKAWA, N. M. Decomposition of leaf litter from tropical forage grasses and legumes. Soil Biology and Biochemistry, Oxford, v. 25, n. 10, p. 1351- 1361, 1993.

TROEH, F. R. Landform equations fitted to contour maps. Soil Science Society American Journal, New York, v. 263, p. 616-27, 1965.

VITAL, A. R. T. et al. Produção de serapilheira e ciclagem de nutrients de uma Floresta Estacional Semidecidual e zona ripária. Revista Árvore, Viçosa, v. 28, n. 6, p. 793-800, 2004.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509826880

Licença Creative Commons