Maturação e qualidade física de frutos na germinação dos pirênios de Schefflera morototoni (Araliaceae)

Maristela Rosália Anastácio, Denise Garcia de Santana, Roberta Camargos de Oliveira, Marcela Mayumi Babata, Carlos Alberto Alves de Oliveira

Resumo


O objetivo do trabalho foi avaliar a influência do estádio de maturação dos frutos nas características físicas e de germinação de pirênios de Schefflera morototoni submetidos a tratamentos pré-germinativos. Frutos com coloração verde e verde-arroxeada foram coletados de 14 acessos, despolpados em água corrente, descartando-se, após contabilização, os pirênios chochos, com endosperma retraído e oxidado, utilizando-se os uniformes (com endosperma esverdeado ocupando toda a cavidade do pirênio). O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado em esquema fatorial 2 x 5 (estádios de maturação dos frutos e tratamentos pré-germinativos), com quatro repetições em parcelas contendo 25 pirênios. Verificou-se que, para maior capacidade e velocidade de germinação dos pirênios, os frutos devem ser colhidos quando apresentarem coloração verde-arroxeada, descartando-se aqueles com pirênios chochos, endosperma retraído ou oxidado. A capacidade de germinação dos pirênios com endosperma uniforme varia entre 50 e 60%, com início do processo em cerca de 40 dias após semeadura, se estendendo por até 60 dias em vermiculita. Pirênios despolpados, secos e embebidos em água a 60oC por 5 minutos, seguida da embebição em água à temperatura ambiente por 12 horas iniciam o processo de germinação em menor tempo, em relação aos despolpados, secos, escarificados e embebidos por 6 horas. O endocarpo dos frutos é permeável e rígido, no entanto, apresenta abertura natural quando embebido.


Palavras-chave


permeabilidade; sementes vazias; tratamentos pré-germinativos

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, A. U. et al. Superação da dormência em sementes de Bauhinia divaricata L. Acta Botanica Brasilica, São Paulo, v. 18, n. 4, p. 871-879, out./dez. 2004.

ARMELIN, R. S. As dinâmicas de Schefflera angustissima (March.) Frodin (Araliaceae) e de Andira anthelmia (Vell.) March. (Fabaceae) na reserva e Morro Grande, São Paulo. 2005. 212 f. Tese (Doutorado em Ecologia) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

BEWLEY, J. D.; BLACK, M. Seeds: physiology of development and germination. New York: Plenum Press, 1994. 455 p.

BRAGA, F. M. S.; REZENDE, A. V. Dinâmica da vegetação arbórea da mata de galeria do catetinho, Brasília- DF. Cerne, Lavras, v. 13, n. 2, p. 138-148, abr./jun. 2007.

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Colombo: Embrapa Florestas, 2003. 1039 p.

FIASCHI, P. Schefflera aurata, a new species of Araliaceae from Southern Bahia (Brazil). Brittonia, New York, v. 56, n. 4, p. 357-360, Oct. 2004.

FIASCHI, P.; PIRANI, J. R. Estudo taxonômico do gênero Schefflera J.R. Forst. & G. forst. (Araliaceae) na região Sudeste do Brasil. Boletim de Botânico da Universidade de São Paulo, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 95-142, abr. 2007.

FRANCO, E. T. H.; FERREIRA, A. G. Tratamentos pré-germinativos em sementes de Didymopanax morototoni (Aubl.) Dcne. et Planch. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 12, n. 1, p. 1-10, jun. 2002.

GIEHL, E. L. H.; BUDKE, J. C.; ATHAYDE, E. A. Distribuição espacial de espécies arbóreas em uma floresta estacional em Santa Maria, Sul do Brasil. Instituto Anchietano de Pesquisas, São Leopoldo, n. 58, p. 215-226, 2007.

LEÃO, N. V. M. Conservação de sementes de morototó (Didymopanax morototoni (Aublet.)) Decne. Belém: EMBRAPA-CPATU, 1984. 16 p.

LIEGEL, L. H. Didymopanax morototoni (Aubl.) Decne. & Planch. (yagrumo macho). In: BURNS, R. M.; HONKALA, B. H. (Eds.). Silvics of North America. Washington: Forest Service, 1990. p. 288-293.

LIMA, S. do C.; QUEIROZ NETO, J. P. de; LEPCSH, I. F. Os solos da chapada Uberlândia - Uberaba. In: LIMA, S. do C.; SANTOS, R. J. (Eds.). Gestão ambiental da bacia do Rio Araguari: rumo ao desenvolvimento sustentável. Uberlândia: EDUFU, 2004. p. 89-124.

LOPES, J. C. et al. Tratamentos para superar a dormência em sementes de arroz (Oryza sativa L.). Revista Brasileira de Sementes, Pelotas, v. 20, n. 1, p. 87-92, jan./abr. 1998.

MARTINS NETTO, D. A.; FAIAD, M. G. R. Viabilidade e sanidade de sementes de espécies florestais. Revista Brasileira de Sementes, Pelotas, v. 17, n. 1, p. 75-80, jan./mar. 1995.

MARTINS, C. C. et al. Superação da dormência de sementes de carrapicho-beiço-de-boi. Planta Daninha, Viçosa, v. 15, n. 2, p. 104-113, abr./jun. 1997.

MEDEIROS, A. C. de S.; SILVA, L. C. da. Efeitos da secagem na viabilidade das sementes de Ilex paraguariensis St. Hil. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, n. 42, p. 35-46, jan./jun. 2001.

MENEZES, C. et al. Competição entre abelhas durante forrageamento em Schefflera arboricola (Hayata) Merr. Bioscience Journal, Uberlândia, v. 23, p. 63-69, nov. 2007.

NAZÁRIO, P. Tratamentos pré-germinativos visando minimizar a dormência em sementes de tucumã (Astrocaryum aculeatum G. Mey.). 2006. 89 f. Dissertação (Mestrado em Ciências de Florestas Tropicais) - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus, 2006.

NIKOLAEVA, M. G. Factors controlling the seed dormancy pattern. In: KHAN, A. A. (Ed.). The physiology and biochemistry of seed dormancy and germination. Amsterdam: North-Holland, 1977. p. 51-74.

OHASHI, S. T.; LEÃO, N. V. M. Morototó Schefflera morototoni (Aubl.) Maguire, Steyern. & Frodin. Informativo Técnico Rede de Sementes da Amazônia, n. 12, 2005. Disponível em: < (http://www.rsa.ufam.edu.br:8080/sementes/especies/pdf/doc12.pdf) > Acesso em: 25 de fevereiro de 2009.

POOLEY, E. The complete field guide to trees of Natal, Zululand, and Transkei. Durban: Natal Flora Publications Trust, 1993. 512 p.

RANAL, M. A.; SANTANA, D. G. How and why to measure the germination process? Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 29, n. 1, p. 1-11, jan./mar. 2006.

RIBEIRO, C. V. C.; KAPLAN, M. A. C. Tendências evolutivas de famílias produtoras de cumarinas em Angiospermae. Química Nova, São Paulo, v. 25, n. 4, p. 533-538, jul. 2002.

SILVA, J. A. et al. Caracterização florística, fitossociológica e regeneração natural do sub-bosque da reserva genética florestal Tamanduá, DF. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 1, p. 121-132, dez. 2004.

SILVA, J. B.; VIEIRA, R. D.; CECÍLIO FILHO, A. B. Superação de dormência em sementes de beterraba por meio de imersão em água corrente. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 23, n. 4, p. 990-992, out./dez. 2005.

TOKUHISA, D. et al. Compostos fenólicos inibidores da germinação em sementes de mamão (Carica papaya L.). Revista Brasileira de Sementes, Pelotas, v. 29, n. 3, p. 180-188, set./dez. 2007.

VIEIRA, A. R. et al. Efeitos de tratamentos pré-germinativos na superação da dormência de sementes de arroz e na atividade enzimática da peroxidase. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 29, n. 4, p. 535-542, abr. 1994.

WEN, J. et al. The Evolution of Araliaceae: a phylogenetic analysis based on its sequences of nuclear ribosomal DNA. Systematic Botany, Wyoming, v. 26, n. 1, p. 144-167, Jan. 2001.




DOI: https://doi.org/10.5902/198050982058

Licença Creative Commons