A amplitude amostral interfere nas medidas de germinação de Bowdichia virgilioides Kunth?

João Paulo Ribeiro-Oliveira, Marli A. Ranal, Denise Garcia de Santana

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509812346

É comum encontrar na literatura trabalhos sobre germinação de sementes nativas de uma mesma espécie com tamanhos de amostra diferenciados. No entanto, não se sabe quais são as consequências disso para os resultados obtidos. Assim, objetivou-se estudar o comportamento das medidas de germinação frente à variação do número de sementes que compõe a amostra para Bowdichia virgilioides. O experimento foi conduzido em câmara de germinação, sob luz branca fluorescente contínua, a 26,2 ± 2,5 ºC. O delineamento utilizado foi o inteiramente casualizado, em esquema fatorial 3 x 3 (três tamanhos de amostra x três lotes), com número de repetições fixo e igual a quatro. A semeadura foi realizada em caixas tipo gerbox, contendo 25, 50 ou 100 sementes, perfazendo 100, 200 ou 400 sementes por amostra. A germinabilidade, tempo inicial, médio e final, velocidade média e VE (IVG), coeficiente de variação do tempo, incerteza e sincronia da germinação foram avaliados, sendo consideradas germinadas as sementes com protrusão de embrião. Gráficos de frequência relativa também foram construídos. Dentre estas medidas, as mais frágeis ao incremento do tamanho da amostra foram o VE e a incerteza. O VE, além de ser influenciado pelo tamanho da amostra, também foi influenciado pelo contrabalancear entre germinabilidade e velocidade média, demonstrando ser uma medida imprópria para mensurar velocidade de germinação quando a capacidade germinativa dos lotes for diferente. As medidas de tempo, uniformidade, sincronia, velocidade média e a germinabilidade não tiveram seus resultados afetados pelos diferentes tamanhos da amostra. A germinabilidade, entretanto, mostrou-se a medida mais estável do processo germinativo, não sendo influenciada pelo tamanho da amostra, mesmo quando analisada por meio de lotes com qualidades muito discrepantes.


Palavras-chave


teste de germinação; qualidade fisiológica; sucupira-preta; tamanho ótimo de amostra

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, K. S. et al. Alterações fisiológicas e bioquímicas durante a embebição de sementes de sucupira-preta (Bowdichia virgilioides Kunth.). Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 31, n. 1, p.012-019, 2009.

ALBUQUERQUE, K. S.; GUIMARÃES, R. M. Comportamento fisiológico de sementes de sucupira-preta (Bowdichia virgilioides Kunth.) sob diferentes temperaturas e condições de luz. Cerne, Lavras, v. 13, n. 1, p. 64-70, 2007.

ANDRADE, A. C. S. et al. Quebra de dormência de sementes de sucupira-preta. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 32, n. 5, p. 465-469, 1997.

AOSA. Association of Official Seed Analysts Inc.: home. Disponível em . Acessado em: 07 de julho de 2011.

BASKIN, C. C.; BASKIN, J. M. Seeds: Ecology, biogeography and evolution of dormancy and germination. San Diego: Academic Press, 1998. 666 p.

BRASIL. Regras para Análise de Sementes. Brasília: MAPA/ACS, 2009. 399 p.

BROWN, R. F.; MAYER, D. G. Representing cumulative germination: A critical analysis of single-value germination indices. Annals of Botany, Oxford, v. 61, p. 117-125, 1988.

CARVALHO, L. R. et al. Classificação de sementes florestais quanto ao comportamento no armazenamento. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 28, n. 2, p. 15-25, 2006.

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2006. 627 p. (Coleção Espécies Arbóreas Brasileiras, v.2).

COSTA, I. R. et al. Flora e aspectos auto-ecológicos de um encrave de cerrado nachapada do Araripe, Nordeste do Brasil. Acta Botanica Brasilica, Feira de Santana, v. 18, n. 4, p. 759-770, 2004.

FAO. Food and Agriculture Organization. Global Forest Resources Assessment. Roma: FAO-Forest Department, 2010. 12 p.

FIGLIOLIA, M. B. et al. Análise de sementes. In: AGUIAR, I. B. de; PIÑA-RODRIGUES, F. C. M.; FIGLIOLIA, M. B. Sementes Florestais Tropicais. Brasília: ABRATES, 1993.

ISTA. International Seed Testing Association – ISTA: home. Disponível em . Acessado em: 07 de julho de 2011.

LABOURIAU, L. G. A germinação das sementes. Washington: Secretaria Geral da organização dos Estados Americanos, Programa Regional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, 1983. 174 p.

LABOURIAU, L. G. On the physiology of seed germination in Vicia graminea Sm. I. Anais da Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro, v. 42, p. 235-262, 1970.

LABOURIAU, L. G.; VALADARES, M. E. B. On the germination of seeds of Calotropis procera (Ait.) Ait. f. Anais da Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro, v. 48, p. 263-284, 1976.

MAGUIRE, J. D. Speed germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, Madson, v. 2, p. 176-177, 1962.

MELO, A. S. O que ganhamos ‘confundindo’ riqueza de espécies e equabilidade em um índice de diversidade? Biota Neotropical, Campinas, v. 8, n. 3, p. 21-27, 2008.

NOVEMBRE, A. D. L. C. Avaliação da qualidade de sementes. Seed News, Pelotas, v. 5, n. 3. p. 24-28, 2001.

RAMÍREZ, N; TRAVESET, A. Predispersal seed-predation by insects in the Venezuelan Central Plain: Overall patterns and traits that influence its biology and taxonomic groups. Perspectives in Plant Ecology, Evolution and Systematics, v. 12, p. 193-209, 2010.

RANAL, M. A. et al. Are there germination patterns for cerrado species?. In: DEL-CLARO, K.;. OLIVEIRA, P. S.; RICO-GRAY, V.; BARBOSA, A. A. A. (Org.). Encyclopedia of life support systems, tropical biology and natural resources. Oxford: Encyclopedia of Life Support Systems (Eolss) Publishers, 2009. v. 4, p.1575-1671.

RANAL, M. A.; SANTANA, D. G. How and why to measure the germination process? Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 29, n. 1, p. 1-11, 2006.

RODRIGUES, M. O. et al. Volatile constituents and antibacterial activity from seeds of Bowdichia virgilioides Kunt. Journal of Essential Oil Research, Carol Stream, v. 21, n. 3, p. 286-288, 2009.

SAMPAIO, L. S. V. et al. Ácido sulfúrico na superação da dormência de sementes de sucupira–preta (Bowdichia virgilioides H.B.K. - Fabaceae). Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 23, n. 1, p. 184-190, 2001.

SANTANA, D. G.; RANAL, M. A. Análise da germinação: um enfoque estatístico. Brasília: Ed. da UnB, 2004. 248 p.

SAUTU, A. et al. Studies on the biology of 100 native species of trees in a seasonal moist tropical forest, Panama, Central America. Maryland, Forest Ecology Management, Amsterdan, v. 234, p. 245-263, 2006.

SCHEFFÉ, H. The analysis of variance. New York: Willey, 1959. 477 p.

SILVA JÚNIOR, I. F. et al. Antimicrobial screening of some medicinal plants from Mato Grosso Cerrado. Revista Brasileira de Farmacognosia, Curitiba, v. 19, n. 1, p. 242-248, 2009.

SILVA, D. D. et al. Diversidade populacional de Colletotrichum sublineolum em seis localidades no Brasil. Summa Phytopathologica, Botucatu, v. 34, n. 2, p. 149-155, 2008.

SMIDERLE, O. J.; SOUSA, R. C. P. Dormência em sementes de paricarana (Bowdichia virgilioides Kunth - Fabaceae - Papilionidae). Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 25, n. 2, p. 48-52, 2003.

STEFANELLO, D. et al. Síndromes de dispersão de sementes em três trechos devegetação ciliar (nascente, meio e foz) ao longo do Rio Pindaíba, MT. Revista Árvore, Viçosa, v. 33, n. 6, p. 1051-1061, 2009.

STEINER, A. M. et al. Method validation in the early days – testing forest tree seeds in 1928-1934. Seed Testing International: Rules Development, Zurich, n. 138, p. 33-36, 2009.

STEINER, A. M.; KRUSE, M. History of seed testing. In: Seed Testing International (ISTA), Zurich, n.132, p.19-21, 2006.

THOMAZZI, S. M. et al. Antinociceptive and anti-inflammatory activities of Bowdichia virgilioides(sucupira). Journal of Ethnopharmacology, Konstanz, v. 127, p. 451-456, 2010.

URAMOTO, K. et al. Análise quantitativa e distribuição de populações de espécies de Anastrepha (Diptera: Tephritidae) no Campus Luiz de Queiroz, Piracicaba, SP. Neotropical Entomology, Londrina, v. 34, n. 1, p. 33-39, 2005.

WIELEWICKI, A. P. et al. Proposta de padrões de germinação e teor de água para sementes de algumas espécies florestais presentes na região sul do Brasil. Revista Brasileira de Sementes, Londrina, v. 28, n. 3, p. 191-197, 2006.

ZAIDAN, L. B. P.; CARREIRA, R. C. Seed germination in Cerrado species. Brazilian Journal of Plant Physiology, Campos dos Goytacazes, v. 20, n. 3, p. 167-181, 2008.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509812346

Licença Creative Commons