Efeito do cobre na população de bactérias e fungos do solo, na associação micorrízica e no cultivo de mudas de Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden, Pinus elliottii Engelm e Peltophorum dubium (Sprengel) Taubert

Zaida Inês Antoniolli, Lílian Castilho dos Santos, Manoeli Lupatini, Lineu Trindade Leal, Guilherme Karsten Schirmer, Marciel Redin

Resumo


O cobre é um metal pesado que pode exercer efeitos tóxicos para micro-organismos e plantas. Os fungos ectomicorrízicos são capazes de proteger a planta hospedeira da toxidez dos metais pesados, mas a presença de certas concentrações de metais pode inibir o crescimento destes, prejudicando a simbiose micorrízica e alterar o desenvolvimento das plantas. O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de doses de cobre na população de bactérias e fungos do solo, bem como seus efeitos na associação ectomicorrízica e no desenvolvimento de mudas de eucalipto, pinus e canafístula. O levantamento da população de micro-organismos do solo foi realizado em casa de vegetação durante 60 dias e os tratamentos foram doses de sulfato de cobre aplicadas ao solo (0,7; 0,708; 0,716; 0,724 mg kg-1 de solo) e mudas de eucalipto e pinus. No segundo experimento, mudas de eucalipto e canafístula inoculadas e não inoculadas com Pisolithus microcarpus (Cooke & Massee) Cunn (UFSC Pt 116) receberam doses de cobre de 0, 100, 200 e 300 mg kg-1 de solo. Aos 110 dias, avaliaram-se a massa fresca da parte aérea e radicular, massa seca da parte aérea, altura, diâmetro do colo e porcentagem de colonização ectomicorrízica. No primeiro experimento, a população total de bactérias e fungos do solo foi alterada pela presença do cobre, porém as mudas de eucalipto e pinus não mostraram efeitos da adição do cobre. No segundo experimento, a inoculação das mudas de eucalipto e canafístula com o isolado UFSC Pt 116 favoreceu o desenvolvimento da massa fresca da parte aérea e radicular e a altura das plantas. Conforme os resultados obtidos, a canafístula foi capaz de realizar associação ectomicorrízica com o isolado testado. O desenvolvimento das plântulas de eucalipto e canafístula foi inibido pelos níveis de cobre, mesmo inoculadas com o isolado UFSC Pt 116.


Palavras-chave


essências florestais; microrganismos; micorrização

Texto completo:

PDF

Referências


APG II. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG II. Bot. J. Linnean Soc., London, 141, p. 399-436, 2003.

BARBOSA, T. M.; MORAES, P. R. de. Flora da microrregião “Santa Teresa”, meso região Central Espírito-Santense, ES – Família Lauraceae. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, p. 690-692, jul. 2007, supl. 2.

BRACK, W; WEIK, J. El bosque nativo del Paraguay: riqueza subestimada. Asunción (Paraguay). DGP/MAG-GTZ, 1993. 327 p.

CAMPOS, E. P. de et al. Florística e estrutura horizontal da vegetação arbórea de uma ravina em um fragmento florestal no município de Viçosa, MG. Árvore, Viçosa, v. 30, n. 6, p. 1045-1054, nov./dez. 2006.

CARVALHO, D. et al. Distribuição de espécies arbóreo-arbustivas ao longo de um gradiente de solos e topografia em um trecho de floresta ripária do rio São Francisco em Três Marias, MG, Brasil. Revista Brasil. Bot., São Paulo, v. 28, n. 2, p. 329-345, abr./jun. 2005.

CHEBEZ, J. C.; HILGERT, N. Brief history of conservation in the Parana Forest. In: LEAL, C. G.; CÂMARA, I. (eds.). The atlantic forest of South America: biodiversity status, threats, and outlook. Washington, DC.: Center for Applied Biodiversity Science e Island Press. p. 141-160. 2003.

EMBRAPA. Sistema brasileiro de classificação de solos. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2006. 306 p.

FRANÇA, G.; STEHMANN, J. Composição florística e estrutura do componente arbóreo de uma floresta altimontana no município de Camanducaia, Minas Gerais. Brasil. Revista Brasil. Bot., São Paulo, v. 27, n.1, p. 10-30, jan./mar. 2004.

JARENKOW, J.; WAECHTER, J. Composição, estrutura e relações florísticas do componente arbóreo de uma floresta estacional no Rio Grande do Sul. Brasil. Revista Brasil. Bot., São Paulo, v. 24, n. 3, p. 263-272, set. 2001.

JURINITZ, C. F.; JARENKOW, J. A. Estrutura do componente arbóreo de uma floresta estacional na Serra do Sudeste, Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasil. Bot., São Paulo, v. 26, n. 4, p. 475-487, out./dez. 2003.

LONGHI, S. J. A estrutura de uma floresta natural de Araucaria angustifolia (Bert.) O. Ktze. no sul do Brasil. 1980.198 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais), Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1980.

LONGHI, S. J. et al. Aspectos fitossociológicos de fragmentos de Floresta Estacional Decidual, Santa Maria, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 10, n. 2, p. 59-74, jul./dez. 2000.

LOPES, M. C. et al. Agrupamento de árvores matrizes de Eucalyptus grandis em função das variáveis dendrométricas e das características tecnológicas da madeira. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 2, p. 133-144, jul./dez. 2004.

LÓPEZ, J.; LITTLE, E. Arboles comunes del Paraguay. Washington: Cuerpo de Paz. 1987. 425 p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 1998. 352 p. v.2.

MARTINEZ CROVETTO, R. Esquema fitogeográfico de la província de Misiones: (República Argentina), Bonplandia, Corrientes, v. 1, n. 3, p. 171-223, 1963.

MEIRA NETO, J.; MARTINS, F. Composição florística de uma Floresta Estacional Semidecidual Montana no município de Viçosa-MG. Árvore, Viçosa, v. 26, n. 4, p. 437-446, jul./ago. 2002.

MORELLATO, P.; HADDAD, C. F. Introduction: the brazilian atlantic forest. Biotropica, Zurich, v. 32, n. 4b, p. 786-792, Dec. 2000.

MUELLER DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: John Wiley & Sons. 1974. 547 p.

NASCIMENTO, A. et al. Estrutura e padrões de distribuição espacial de espécies arbóreas em uma amostra de Floresta Ombrófila Mista em Nova Prata, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v.11, n. 1, p.105-119, jan./jun. 2001.

OLIVEIRA FILHO, A. T.; FONTES, M. A. Patterns of floristic differentiation among atlantic forest in Southeastern Brazil and the influence of climate. Biotropica, Zurich, v. 32, n. 4b, p. 793-810, Dec. 2000.

PENNINGTON, T. et al. Neotropical seasonally dry forests and quaternary vegetation changes. Journal of Biogeography, Oxford, v. 27, p. 261-273, 2000.

PLACCI, G.; GIORGIS, P. Estructura de la selva del Parque Nacional Iguazu. In: JORNADAS TÉCNICAS FORESTALES, 1993, Eldorado, Argentina. Anais... Eldorado: UNAM, 1993, p. 123-138.

REIS, H. et al. Análise da composição florística, diversidade e similitude de fragmentos da mata atlântica em Minas Gerais. Cerne, Lavras, v. 13, n. 3, p. 280-290, jul./set. 2007.

RICHARDS, P. The tropical rain forest: an ecological study. London: Cambridge Press.1952, 450 p.

RIOS, R. Abundancia y densidad de pino paraná (Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze) y riqueza de otras especies arbóreas. Reserva Natural Estricta San Antonio. Administración de Parques Nacionales Argentina. 2000. (Inédito).

RIOS, R. et al. Caracterización fitosociológica de un área del Parque Natural Municipal Saltos Küppers, Eldorado Misiones Argentina. YVYRARETÁ, Eldorado, v. 9, 1999.

RIOS, R. et al. Variaciones estructurales de la vegetación arbórea en tres ambientes de una selva con araucaria en Misiones, Argentina. Floresta, Curitiba, v. 38, n. 4, p. 743-756, out./dez. 2008.

RODE, R. et al. Comparação florística entre uma Floresta Ombrófila Mista e uma vegetação arbórea estabelecida sob um povoamento de Araucaria angustifolia de 60 anos. Cerne, Lavras, v. 15, n. 1, p. 101-115, jan./mar. 2009.

RONDON NETO, R. et al. Análise floristica e estrutural de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Montana, situado em Criuva, RS, Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 12, n. 1, p. 29-37, jan./jun. 2002.

SÁ, K. R. de. A florula vascular da reserva indígena São Jerônimo, São Jerônimo da Serra-Paraná: subsídios para conservação da vegetação. 2004. 95 f. Dissertação (Mestrado em Biologia Vegetal) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

SCHAAF, L. B. et al. Modificações florístico-estruturais de um remanescente de Floresta Ombrófila Mista Montana no período entre 1979 e 2000. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 16, n. 3, p. 271-291, jul./set. 2006

SILVA, A. C. da et al. Comparação florística de florestas inundáveis das regiões Sudeste e Sul do Brasil. Revista Brasil. Bot., São Paulo, v. 30, n. 2, p. 257-268, abr./jun. 2007.

SILVA, C. P. da et al. Plano de manejo do Parque Estadual do Turvo. Governo do Estado do Rio Grande do Sul. Secretaria do Meio Ambiente. Departamento de Florestas e Áreas Protegidas. Porto Alegre. 2005, 354 p.

SILVA, F. das C.; SOARES SILVA, L. Arboreal flora of the Godoy Forest State Park, Londrina, PR. Brazil. Edind. J. Bot., Edinburgh, v. 57, n. 1, p. 107-120, 2000.

SILVA, V. F. da et al. Caracterização estrutural de um fragmento de floresta semidecidua no município de Ibituruna, MG. Cerne, Lavras, v. 9, n. 1, p. 92-106, jan./jun. 2003.

SPICHIGER, R. et al. Geographical zonation in the neotropics of tree species characteristic of the Paraguay-Paraná Basin. Journal of Biogeography, Oxford, v. 31, p. 1489-1501, Aug. 2004.

TRESSENS, S. et al. Las plantas vasculares de la Reserva de Uso Múltiple Guaraní, Misiones Argentina. Bol. Soc. Argent. Bot., Córdoba, v. 43, n. 3-4, p. 273-293, 2008.

VASCONCELOS, M. F.; D´ANGELO NETO, S. First assessment of the avifauna of Araucaria Forest and other habitats from extreme southern Minas Gerais, Serra da Mantiqueira, Brazil, with notes on biogeography and conservation. Pap. Avulsos Zool. São Paulo, v. 49, n. 3, p. 49-71, 2009.

VELOSO, H. P. et al. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: IBGE. 1991. 124 p.

VILELA, E. A. et al. Caracterização estrutural de floresta ripária do Alto Rio Grande, em Madre de Deus de Minas Gerais. Cerne, Lavras, v. 6, n. 2, p. 41-54, jul./dez. 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050982057

Licença Creative Commons