Levantamento florístico do estrato arbóreo de três fragmentos de floresta ciliar como subsídio à recomposição da vegetação do Rio Cedro, Montes Claros – MG

Maria Clara Oliveira Durães, Nilza de Lima Pereira Sales, Santos D’Ângelo Neto, Maria Auxiliadora Pereira Figueiredo

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509813322

Os objetivos deste estudo foram conhecer a composição florística de três fragmentos de floresta ciliar do Rio Cedro, Montes Claros – MG e selecionar espécies para serem utilizadas na recomposição. Realizou-se o levantamento florístico, análise de similaridade e a classificação sucessional. Foram amostrados 356 indivíduos em três fragmentos, sendo: 99 no 1º, 117 no 2º e 140 no 3º com um total de 53 espécies, duas não identificadas, 46 gêneros e 22 famílias. O 1º Fragmento apresentou a maior riqueza florística: 28 espécies, seguida pelo 2º com 26 e o 3º com 25. As famílias com maior número de indivíduos foram Fabaceae (111), Malvaceae (50), Arecaceae (45) e Anacardiaceae (32). A Fabaceae foi a família com maior número de espécies representas. Das análises, obteve-se um índice de similaridade de Sørensen para os Fragmentos: 1 e 2, 52,8%, 2 e 3, 40% e 1 e 3 33,3%. Os valores maiores de riquezas de espécies pioneiras e secundárias iniciais caracterizam uma fase de transição da floresta pioneira, típica de estágio sucessional médio. Os fragmentos apresentam características da floresta estacional decidual, encontrando-se perturbados. Para a recomposição da floresta ciliar propôs-se a seleção de espécies de diferentes grupos ecológicos.


Palavras-chave


floresta ciliar; composição florística; conservação

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, M. A. Arvores zoocóricas como núcleos de atração de avifauna e dispersão de sementes. 2003. 91f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal de Lavras, Lavras.

APG (Angiosperm Phylogeny Group) II. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG II. Botanical Journal of the Linnean Society, Londres, v. 141, p. 399-436, 2003.

AZEVEDO, I. F. P. et al. Composição Florística da Comunidade Arbórea de um trecho da mata ciliar do Rio Pandeiros, Norte de Minas. In: SIMPOSIO NACIONAL CERRADO, 9., 2008, Brasília. Anais... Brasília: Parla Mundi, 2008.

BARBOSA, L.M.; MARTINS, S.E. Espécies arbóreas nativas: indicação por região e ecossistema do Estado de São Paulo. São Paulo: Instituto de Botânica. Disponível em: (http://www.ibot.sp.gov.br/especie_arborea/ especies_arboreas.html). Acesso em: 30 julho 2007.

BOTELHO, S. A.; DAVIDE, A. C. Métodos silviculturais para recuperação de nascentes e recomposição de matas ciliares. In: SIMPÓSIO NACIONAL SOBRE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS, 5., 2002, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: 2002, p. 123-145.

BERTONI, J.E.A.; DICKFELDT, E.P. Plantio de Myracrodruon urundeuva Fr. All. (aroeira) em área alterada de floresta: Desenvolvimento das mudas e restauração florestal. Revista do Instituto Florestal, São Paulo, v.19, n. 1, p. 31-38, 2007.

CARPANEZZI, A. A. Fundamentos para a reabilitação de ecossistemas florestais. In: GALVÃO, A. P. M.; PORFÍRIO-DA-SILVA, V. (Orgs.) Restauração Florestal: Fundamentos e Estudos de Caso. Colombo: EMBRAPA/Florestas, 2005. p. 27-45.

CETEC - Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais. Desenvolvimento de metodologia para recuperação do revestimento florístico natural em áreas de proteção das captações de água da COPASA na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Belo Horizonte: SAT/CETEC, 1993. 83 p. (Relatório técnico).

CORAIOLA, M.; NETTO, S.P. Análise da Estrutura Horizontal e uma Floresta Estacional Semidecidual localizada no Município de Cássia – MG. Revista Acadêmica: ciências agrárias e ambientais, São José dos Pinhais, v.1, n.2, p. 11-19, 2003.

COSTA, C. M. R. et al. Biodiversidade em Minas Gerais: um Atlas para sua conservação. Fundação Biodiversitas, Belo Horizonte, 1998. 94 p.

FILGUEIRAS, T. S. et al. Caminhamento – um método expedito para levantamentos florísticos qualitativos. Cadernos de Geociências IBGE, Rio de Janeiro, v.12, n. 4, p.39 - 43, 1994.

FELFILI, J.M. et al. Desenvolvimento inicial de espécies de Mata de Galeria. In: J.F. Ribeiro; C.E.L. Fonseca; J.C. Sousa-Silva. Cerrado: caracterização e recuperação de matas de galeria. Planaltina, DF: EMBRAPA/Cerrados, 2001. p. 779-811.

FELFILI, J.M. et al. Composição florística e fitossociológica do cerrado sentido restrito no município de Água Boa-MT. Acta Botanica Brasilica, Brasília,v.16, n.1, p.103-112, 2002.

GANDOLFI, S. et al. Levantamento florístico e caráter sucessional das espécies arbustivo arbóreas de uma floresta mesófila semidecidua no município de Guarulhos, SP. Revista Brasileira de Biologia, Rio de Janeiro, v. 55, n. 4, p. 753-767,1995.

LIMA, W. P.; ZAKIA, M.J.B. Hidrologia de matas ciliares. In: Matas ciliares: conservação e recuperação. R.R. Rodrigues; H.F. Leitão-Filho (eds.). EDUSP, São Paulo, p. 33-44, 2000.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 1 ed. Nova Odessa, SP: Editora Plantarum, 1992. 352 p.

LORENZI, H.. Árvores Brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 2 ed. Nova Odessa, SP: Editora Plantarum, 2000. 352 p.

MATTEUCCI, S.D.; COLMA, A. Metodologia para el estudio de la vegetacion. Washington, Secretaria General de la Organización de los Estados Americanos. 1982.

MENDONÇA, R.C. et al. Flora vascular do Cerrado. In: SANO, S.M.; ALMEIDA, S.P. Cerrado: ambiente e flora. Planaltina, DF: EMBRAPA/Cerrados, 1998. p. 47-86.

MEYER, S.T. et al. Composição Florística da Vegetação arbórea de um trecho de floresta de galeria do Parque Estadual do Rola-Moça na Região Metropolitana de Belo Horizonte, MG, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Brasília, v. 18, n. 4, p. 701-709, 2004.

MELLO-BARRETO, H.L. Regiões Fitogeográficas de Minas Gerais. 1942. 14-28 p. (Boletim Geográfico, 14).

MOTTA, P. E. F. et al. Ocorrência da macaúba em Minas Gerais: relação com atributos climáticos, pedológicos e vegetacionais. Pesquisa agropecuaria brasileira, Brasília, v. 37, n. 7, p. 1023-1031, 2002.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. New York: John Wiley; Sons, 1974. 547p.

NUNES, Y.R.F. et al. Atividades Fenológicas de Guazuma ulmifolia Lam (Malvaceae) em uma Floresta Estacional Decidual no Norte de Minas Gerais. Lundiana, Belo Horizonte, v.6, n. 2, p. 99-105, 2005.

OLIVEIRA-FILHO, A.T. et al. Estrutura fitossociologica e variáveis ambientais em um trecho de mata ciliar do córrego dos Vilas Boas, Reserva Biológica do Poço Bonito, Lavras (MG). Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 67-85, 1994.

OLIVEIRA-FILHO, A.T.; MACHADO, J.N.M. Composição Florística de uma floresta semidecídua montana, na Serra de São José, Tiradentes, Minas Gerais. Acta Botanica Brasilica, Brasília, v.7, n. 2, p. 71-88, 1993.

PAULA A. P. et al. Sucessão ecológica da vegetação arbórea em uma Floresta Estacional Semidecidual, Viçosa, MG, Brasil. Acta Botanica Brasílica, Brasília, v. 18, n. 3, p. 407-423, 2004.

PEDRALLI, G. Florestas secas sobre afloramento de calcário em Minas Gerais: Florística e fisionomias. Revista BIOS, Cadernos do departamento de Ciências Biológicas da PUC Minas, Belo Horizonte, v.5, p.81-88, 1997.

PINTO, J.R.R.; OLIVEIRA-FILHO, A.T. Perfil florístico e estrutura de uma floresta de vale no Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, Mato Grosso, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v.22, n.1, p. 53-67, 1999.

PINTO, L.V.A. et al. Estudo da vegetação como subsídios para propostas de recuperação das nascentes da bacia hidrográfica do ribeirão Santa Cruz, Lavras, MG. Revista Árvore, Viçosa, v.29, n. 5, p.775 -793. 2005.

RIBEIRO, J.F.; WALTER, B.M.T. As matas de galeria no contexto do bioma Cerrado. In: SANO, S.M.; ALMEIDA, S.P. Cerrado: Ambiente e flora. Planaltina, DF: EMBRAPA/Cerrados, 1998. p. 89-166.

RICHARDS, P.W. Tropical rain forest. Cambridge Univ. Press, Cambridge, 1952. 450 p.

RIZZINI, C.T. Tratado de fitogeografia do Brasil: aspectos ecológicos, sociológicos e florísticos. 2. ed. Rio de Janeiro: Âmbito Cultural, 1997. 747 p.

SANO, S.M.; ALMEIDA, S.P. Cerrado: Ambiente e flora. Planaltina, DF: EMBRAPA/Cerrados, 1998. 556 p.

SANTOS, R.M.; VIEIRA, F.A. Estrutura e florística de um trecho de mata ciliar do rio Carinhanha no extremo Norte de Minas Gerais, Brasil. Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal. Publicação Científica da Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal de Garça / FAEF, v.5, p.1-13. 2005.

SANTOS, R. M.; VIEIRA, F.A. Similaridade Florística entre Formações de Mata Seca e Mata de Galeria no Parque Municipal da Sapucaia, Montes Claros, MG. Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal. Publicação Científica da Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal de Garça / FAEF, v.4, n.7, 2006.

SANTOS, R.M. et al. Floristica e estrutura de uma floresta estacional decidual, no Parque Municipal da Sapucaia, Montes Claros (MG). Cerne, Lavras, v. 13, n.3, p.248-256, 2007.

SILVA, F.C. et al. Composição florística e fitossociologia do componente arbóreo das florestas ciliares da bacia do Rio Tibagi. 3. Fazenda Bom Sucesso, Município de Sapopema, PR. Acta Botanica Brasílica, Brasília, v. 9, n. 2, p. 289-302. 1995.

TABARELLI, M.; MANTOVANI, W. Colonização de Clareiras naturais na floresta atlântica no sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 20, n.1, p. 57-66, 1997.

VAN DEN BERG, E. Estudo florístico e fitossociológico de uma floresta ripária em Itutinga - MG, e análise das correlações entre variáveis ambientais e a distribuição das espécies de porte arbóreo-arbustivo. 1995. 73 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) - Universidade Federal de Lavras, Lavras.

VAN DEN BERG, E.; OLIVEIRA FILHO, A. T. Composição florística e fitossociologia de uma Floresta Estacional Semidecidual Montana em Itutinga, MG, e comparação com outras áreas. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 22, n. 3, p. 231-253, 2000.

VELOSO, H.P.; RANGEL FILHO, A.L.R.; LIMA, J.C.A. Classificação da vegetação brasileira adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: IBGE, 1991.123 p.

VILELA, E.A. et al. Fitossociologia e fisionomia de mata semidecídua margeando o reservatório de Camargos em Itutinga, Minas Gerais. Ciência e Prática, Lavras, v.18, n.4, p.415-424, 1994.

VILELA, E.A. et al. Caracterização estrutural de floresta ripária do Alto Rio Grande, em Madre de Deus de Minas, MG. Cerne, Lavras, v.6, n.2, p. 41-54, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509813322

Licença Creative Commons