Protected Area of Integral Protection of the Atlantic Forest Biome: Management Council as an instrument for verification of potentialities and problems

Gabriela Albuquerque Lucio da Silva, Daniela Rocha Teixeira Riondet-Costa, Luciana Botezelli

Abstract


In a capitalist society, dictated by irrational consumption and use of natural resources without measuring consequences, environmental policies have become necessary to reconcile the relationship between society and the environment. The Brazilian National System of Conservation Units (SNUC – Sistema Nacional de Unidades de Conservação) is one of these policies. This study seeks to analyze a specific type of Conservation Unit (UC – Unidade de Conservação), which is classified as a National Park, the Itatiaia National Park (PNI – Parque Nacional do Itatiaia). The objective was to highlight the park’s socio-environmental problems and potentialities through the Management Council. To do so, data were collected through reviewing the council’s meeting minutes; the identification of potentialities and problems; and use of the SWOT matrix. Thus, problems such as land tenure, budget issues and wildfires were verified. As for potentialities, it was noted that the Council has a well-developed structure and park’s facilities are excellent. More problems were found than potentialities. Still, one can consider that one of the keys to solving the difficulties encountered would be participatory management through Freirean communication, as well as changes in Brazilian public policy.

Keywords


Protected Areas; Participative Management; Advisory Councils

Full Text:

HTML

References


ANTUNES P B. Direito Ambiental. 19 ed. São Paulo: Atlas; 2017.

AXIMOFF I, RODRIGUES RC. Histórico dos incêndios florestais no Parque Nacional do Itatiaia. Ciência Florestal- Santa Maria. 2011; 21 (1): 83-92.

BARBOSA HC. Aspectos que estruturam o sistema nacional de unidades de conservação da natureza. Revista Jurídica da Unifil- Londrina- PR. 2008; 5 (5): 38-54.

BAUMAN Z. Em busca da política. 2 ed. Rio de Janeiro: Zahar; 2000.

BRASIL; Lei Federal nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1º, incisos I, II, III e VII, da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 18 de jul.de 2000.

BRASIL; Decreto Federal nº 4.340 de 22 de agosto de 2002. Regulamenta artigos da Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza - SNUC, e dá outras providências.

BUARQUE SC. Construindo o desenvolvimento local e sustentável. 4ª ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

CARSON R. Primavera Silenciosa. 1º ed. São Paulo: Gaia, 2010.

CUNHA FAGC. Unidades de conservação como fornecedoras de serviços ambientais [dissertation]. Recife: Curso de Pós-graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente/ UFPE; 2014. 183 p.

DALL'AGNOL S. Impactos do turismo X comunidade local. In: VII Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul [online]; 2012 nov 16 e 17; Caxias do Sul, Brasil, p. 1-15.

DRUMOND MA. Participação comunitária no manejo de unidades de conservação: manual de técnicas e ferramentas. 1º ed. Belo Horizonte: Instituto Terra Brasilis de Desenvolvimento Sócio-Ambiental, 2002.

FRANCA N (coord.). Gestão Participativa em Unidades de Conservação. 1º ed. Rio de Janeiro. Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas - IBASE. 2006.

FREIRE P. Extensão ou comunicação?. 2º Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GOHN MG. Conselhos Gestores e Participação Sociopolítica. 2º ed. São Paulo: Cortez, 2003.

GOULD KA. Classe social, justiça ambiental e conflito político. In: ACSELRAD H; HERCULANO S; PÁDUA JA (Orgs.). Justiça ambiental e cidadania. 1º ed. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004.

GRANZIERA MLM. Direito Ambiental. 4º ed. São Paulo: Atlas, 2015.

ICMBio, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade [Internet]. Ministério do Meio Ambiente- Parque Nacional do Itatiaia. [cited 2017 mar 17]. Available from: http://www.icmbio.gov.br/portal/component/content/article?id=2181:parna-do-itatiaia.

ICMBio, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade [Internet]. Ministério do Meio Ambiente- Parque Nacional do Itatiaia- Plano de Manejo do Parque Nacional do Itatiaia Encarte 1 – Contextualização do Parque Nacional do Itatiaia. Brasília, 2013a. [cited 2017 mar 17]. Available from: http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/docs-planos-de-manejo/pm_parna_itatiaia_enc1.pdf.

ICMBio, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade [Internet]. Ministério do Meio Ambiente- Parque Nacional do Itatiaia- Plano de Manejo do Parque Nacional do Itatiaia Encarte 3 – Análise do Parque Nacional do Itatiaia. Brasília, 2013b. [cited 2017 mar 17]. Available from: http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/docs-planos-de-manejo/pm_parna_itatiaia_enc3.pdf.

ICMBio, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade [Internet]. Ministério do Meio Ambiente- Parque Nacional do Itatiaia- Regimento Interno do Conselho Consultivo do Parque Nacional do Itatiaia. 2010. [cited 2017 mar 22]. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/parnaitatiaia/images/stories/CCPNI/Regimento_interno__CCPNI_2010.pdf

LASCHEFSK K, COSTA HSM. Segregação social como externalização de conflitos ambientais: a elitização do meio ambiente na APA-Sul, Região Metropolitana de Belo Horizonte. Ambiente & Sociedade- Campinas. 2008; 11 (2): 307- 322.

LEFF E. Saber Ambiental. 1º ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2001.

LOUREIRO CFB. Educação ambiental e gestão participativa na explicitação e resolução de conflitos. Gestão em Ação- Salvador. 2004; 7 (1): 37-50.

MACHADO PAL. Direito Ambiental Brasileiro. 26º ed. São Paulo: Malheiros, 2018.

MELO AL, MOTTA PCS. Biodiversidade, serviços ambientais, e Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN) na Mata Atlântica. São Paulo: Bioatlantica.1º ed. 2005.

MILARÉ E. Direito do Ambiente. 1º ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2018.

MMA. Ministério do Meio Ambiente- Brasil. Planejamento e operação de programas de voluntariado em Unidades de Conservação. DAP: Brasília, 2002.

RIONDET-COSTA DRT. Análise comparativa dos instrumentos de gestão em Unidades de Conservação visando a gestão participativa no Cone Sul [thesis]. Rio de Janeiro: Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente UERJ; 2012. 388 p.

RIONDET-COSTA DRT, BOTEZELLI L, SILVA BG, FARIAS OLM. Zonas de Amortecimento em Unidades de Conservação: levantamento legal e comparativo das normas nos Estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. Desenvolvimento e Meio Ambiente- Curitiba. 2013; 27 (1): 57-70.

RIONDET-COSTA DRT, BOTEZELLI L, SILVA BG, FARIAS OLM, DUPAS FA. Análise da participação social em conselhos de Unidades de Conservação em países da América do Sul. Gestão e sustentabilidade ambiental- Florianópolis. 2018; 7 (4): 66-87.

ROCHA LGM, DRUMMOND JA, GANEM RS. Parques Nacionais Brasileiros: Problemas fundiários e alternativas para a sua resolução. Rev. Sociol. Política- Curitiba. 2010; 18 (36): 205-226.

SANDOVAL RJ. Guia de cómo hacer un diagnóstico de accesibilidad en un área protegida. Proyecto de Accesibilidad a Parques Naciones y/o Áreas Protegidas. 1º ed. San José, Costa Rica: FUNDECOOPERACIN. 2002.

SILVA EL, MENEZES EM. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4º ed. Florianópolis: UFSC, 2005.

SOUZA CA, SCHLZE AL. Voluntariado no Parque Nacional do Iguaçu sob a perspectiva dos visitantes. Revista Nordestina de Ecoturismo- Aquidabã. 2011; 4 (1): 33-47.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179460X40995

Copyright (c) 2020 Ciência e Natura

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

 

DEAR AUTHORS,

PLEASE, CHECK CAREFULLY BEFORE YOUR SUBMISSION:

1. IF ALL AUTHORS "METADATA" (ORCID, LINK TO LATTES, SHORT BIOGRAPHY, AFFILIATION) WERE ADDED,

2. THE CORRECT IDIOM YOUR SECTION,

3 IF THE HIGHLIGHTS WERE ADDED,

4. IF THE GRAPHIC ABSTRACTS WAS ADDED,

5. IF THE REVIEWERS INDICATION WAS DONE,

6. IF THE REFERENCES FORMAT ARE CORRECT(ABNT)

7. IF THE RESOLUTION YOUR FIGURES (600 DPI) ARE SUITABLE

8.  IF THE STATEMENT BY THE ETHICS COMMITTEE (IF IT INVOLVES HUMANS) WAS ADDED;

9. IF THE DECLARATION OF ORIGINALITY WAS ADDED.

10. IF THE TEXT IS ORIGINAL. IF THE IDEA HAS ALREADY BEEN REGISTERED IN SUMMARY FORM, OR PUBLISHED IN CONGRESS ANNUALS, PLEASE INFORM THE EDITOR.