Survey of medium- and large-sized wild mammals in an Atlantic Forest fragment in the south of Minas Gerais state, Brazil

Talita Nazareth de Roma, Daniela Rocha Teixeira Riondet-Costa, Katia Regina de Carvalho Balieiro

Abstract


O conhecimento sobre mamíferos de médio e grande porte da Mata Atlântica ainda é insuficiente, principalmente porque muitos locais ainda não foram estudados e inventariados, o que dificulta iniciativas de conservação. Este estudo teve como objetivo realizar um levantamento dos mamíferos de médio e grande porte que habitam e / ou utilizam como rotas de migração a principal área de reserva florestal (12,2 ha) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do sul de Minas Gerais, Campus Inconfidentes - IFSULDEMINAS para coletar dados sobre ocorrência, riqueza e diversidade e, assim, preencher uma lacuna no conhecimento científico sobre espécies de mamíferos locais e regionais. A pesquisa foi realizada de julho de 2012 a dezembro de 2014, com o método de captura de câmera sendo realizado entre fevereiro e dezembro de 2014. Foram obtidos registros de 15 táxons de mamíferos selvagens pertencentes a 11 famílias e cinco ordens, e a complementaridade dos diferentes métodos de amostragem foi altamente importante para esse resultado. Este estudo permitiu concluir que, embora reduzido, o fragmento pesquisado contribui para a conservação dessas espécies, aumentando a disponibilidade de alimentos e abrigos e integrando outras áreas com vegetação natural que são elementos essenciais para a paisagem regional.


Keywords


Mammalian fauna; Biodiversity; Sampling methods

References


ALMEIDA, DS. Introdução. In: Recuperação ambiental da Mata Atlântica. 3ªed. Ilhéus: Editus, 2016.200p.

ALVARES CA, STAPE JL, SENTELHAS PC, GONÇALVES JLM, SPAROVEK G. Köppen's climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift. 2013;22:711-728.

ALVES TR, FONSECA RCB, ENGEL VL. Mamíferos de médio e grande porte e sua relação com o mosaico de habitats na cuesta de Botucatu, Estado de São Paulo, Brasil. Iheringia. 2012;102, (2):150-158.

ALVES, TR. Diversidade de mamíferos de médio e grande porte e sua relação com o mosaico vegetacional na fazenda experimental Edgárdia, UNESP, Botucatu/SP [Dissertation]. Botucatu:Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Agronômicas/2009. 2009. 113p.

BECKER M, DALPONT JC. Rastros de mamíferos silvestres brasileiros: um guia de campo. 2ª ed. Brasília: Universidade de Brasília; 1999. 180p.

BORGES PAL, TOMÁS WM. Guia de rastros e outros vestígios de mamíferos do Pantanal. Embrapa Pantanal. 2004. 148p.

BOVO AAA, MAGIOLI M, PERCEQUILLO AR, KRUSZYNSKI C, ALBERICI V, MELLO MAR, et al. Human-modified landscape acts as refuge for mammals in Atlantic Forest. Biota Neotropica.2018;18(2).

BRASIL; Ministério do Meio Ambiente. O corredor central da Mata Atlântica: uma nova escala de conservação da biodiversidade. Ministério do Meio Ambiente, Conservação Internacional e Fundação SOS Mata Atlântica. Brasília (Brasil): Ministério do Meio Ambiente; 2006.

CAMPOS TJ, SANTOS EF, SETZ EZF. Padrão de atividades e o enriquecimento ambiental nos Quatis Nasua nasua em cativeiro. In: XVI Congresso interno de iniciação científica Unicamp;2006; São Paulo, Brasil. 2006.

CHIARELLO AG. Densidade e tamanho populacional de mamíferos em remanescentes de Mata Atlântica brasileira. Conserv. Biol. 2000;14(6):1649-1657.

CONSELHO DE POLÍTICA AMBIENTAL; COPAM. Deliberação Normativa COPAM nº 147, de 30 de abril de 2010. Aprova a Lista de Espécies Ameaçadas de Extinção da Fauna do Estado de Minas Gerais. Diário do Executivo do Estado de Minas Gerais. Belo Horizonte (Brasil): COPAN;2010.

COSTA LP, LEITE YRL, MENDES SL, DITCHFIEL DAD. Conservação de mamíferos no Brasil. Megadiversidade. 2005;1(1):103-112.

CRUZ MAOM, CAMPELLO MLCB. Mastofauna: Primeira lista e um estudo sobre o Callinthrix jacchus Erxleben, 1777 (Callitrichidae: Primates) na Reserva Ecológica de Dois Irmãos. In: Machado IC, Lopes AV, Porto KC, editors. Reserva Ecológica de Dois Irmãos: Estudos de um remanescente de Mata Atlântica em área urbana Recife: Pernambuco (Brasil);1998:253-269.

DALPONTE, J. Lycalopex vetulus (Carnivora: Canidae). Mammalian Species. 2009;847:1-7.

EMMONS LH, FEER F. Neotropical Rainforest Mammals: A Field Guide. The University of Chicago Press, 2ª ed. Chicago;1997. 307p.

FALK-PETERSEN J, BØHN T, SANDLUND OT. Sobre os numerosos conceitos em biologia de invasão. Biol. Invasões.2006;8(6):1409-1424.

FERRAZ KMPMB, PETERSON AT, SCACHETTI-PEREIRA R, VETTORAZZI CA, VERDADE LM. Distribuição de capivaras em um agroecossistema, sudeste do Brasil, com base na modelagem de nicho ecológico. J. Mammal. 2009;90 (1):189-194.

FONSECA GAB, HERRMANN G, LEITE YLR, MITTERMEIER RA, RYLANDS AB, PATTON JL. Lista anotada dos Mamíferos do Brasil. Conservation International & Fundação Biodiversitas. Occasional Papers In: Conservation Biology; 1996:38p.

GALINDO-LEAL C, CÂMARA IG. Status do hotspot Mata Atlântica: uma síntese. In: Galindo-Leal, C.; Câmara, I. G. Mata Atlântica: biodiversidade, ameaças e perspectivas. Belo Horizonte: Fundação SOS Mata Atlântica, Conservação Internacional; 2005: 3-11.

GOMPPER ME. Free-Ranging Dogs and Wildlife Conservation, Oxford University Pres; 2013. 336p.

GRAIPEL ME, CHEREM JJ, MONTEIRO-FILHO ELA, CARMIGNOTTO AP. Mamíferos da Mata Atlântica In: Revisões em zoologia: Mata Atlântica. 1ª ed. Curitiba: UFPR; 2017. 490p.

ICMBio - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Brasília (Brasil), 2016.76p.

ICMBio - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção: Volume I – 1ªed. Brasília: ICMBio/MMA; 2018a. 495p.

ICMBio - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção: Volume II - Mamíferos. Brasília: ICMBio/MMA; 2018b. 622p.

IUCN - União Internacional para a conservação da natureza e dos recursos naturais. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN; 2016. [Internet]. Available from: https://www.iucnredlist.org/.Último acesso em: 25/06/2018).

JORGE MLSP, GALETTI MC, RIBEIRO MC, FERRAZ KMPMB. Mammal defaunation as surrogate of trophic cascades in a biodiversity hotspot. Biological Conservation. 2013;163:49-57.

LESSA ICM. O impacto de cães domésticos em uma Unidade de Conservação do Cerrado. [thesis]. Universidade de Brasília/UnB; 2017.142p.

MACHADO AB, DRUMMONT GM, PAGUIA AP. Livro vermelho da fauna brasileira ameaçada de extinção. Ministério do Meio Ambiente, Brasília; 2008;2:1420p.

MACK RN, SIMBERLOFF D, LONSDALE EM, EVANS H, CLOUT M, BAZZAZ F. “Biotic invasions: causes, epidemiology, global consequences and control” Issues in Ecology. 2000; 10(3):689-710.

MAGIOLI M, RIBEIRO MC, FERRAZ KMPMB, RODRIGUES MG. Limiares na relação entre diversidade funcional e tamanho de manchas em mamíferos na Mata Atlântica brasileira. Conservação Animal. 2015;18(6):499-511.

MAGURRAN AE. Ecological diversity and its measurement. Oxford: Princeton University Press.1988:179p.

MARINHO-FILHO J, RODRIGUES FHG, JUAREZ KM. The Cerrado Mammals: Diversity, Ecology, and Natural history. In: Oliveira, PS, Marquis, RJ, org. The Cerrados of Brazil: ecology and natural history of a Neotropical Savanna. Ed.Columbia University Press, New York, 2002:266-284.

MELO G, SPONCHIADO J, CACERES NC. Use of camera-traps in natural trails and shelters for the mammalian survey in the Atlantic Forest. Iheringia. 2012;102(1):88-94.

MONTEIRO-FILHO ELA, ABE AS. Catchability of the Whiteeared oposssum, Didelphis albiventris, in a disturbed area of southeastern Brazil. Arquivos de Ciências Veterinária e de Zoologia da Universidade Paranaense. 1999;1(2):31-35.

MYERS NRA, MITTERMEIER CG, MITTERMEIER GAB, DA FONSECA GA, KENT J. Biodiverty hotspots for conservation priorities. Nature, 2000;(403):853-858.

OLIVEIRA TG, CASSARO K. Guia de campo dos felinos do Brasil. Instituto Pró-Carnívoro. Pró-Vida Brasil. 2006. 80p.

OLIVEIRA VB. O uso de armadilhas de pegadas na amostragem da mastofauna em duas Unidades de Conservação nos biomas Cerrado e Mata Atlântica. [dissertation].Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais; 2007. 98 p.

PAGLIA AP, FONSECA GAB, RYLANDS AB, HERRMANN G, AGUIAR LMS, CHIARELLO AG, et al. Lista anotada dos mamíferos do Brasil. 2ª. ed. Occasional Papers in Conservation Biology; 2012;6:1-76.

PARDINI R, DITT EH, CULLEN JRL, BASSI C, RUDRAN R. Levantamento rápido de mamíferos terrestres de médio e grande porte. In: Cullen Junior, L, Rudran, R, Padua-Valladares, C, org. Métodos de estudos em biologia da conservação e manejo da vida silvestre. 2003:169-179.

PATTON JL, PARDIÑAS UFJ, D'ELÍA G. Mammals of South America, Rodents. University of Chicago Press, Chicago. 2015. 1336p.

PEREIRA HFA, ESTON MR. Biologia e manejo de capivaras (Hydrochoerus hydrochaeris) no Parque Estadual Alberto Lofgren, São Paulo, Brasil. Revista do Instituto Florestal, 2007;19(1):55-64.

PERES CA, GARDNER TA, BARLOW J, ZUANON J, MICHALSKI F, LEES, CA. et al. Conservação da biodiversidade em paisagens de florestas Amazônicas modificadas pelo homem. Biological Conservation. 2010;143(10): 2314-2327.

PREUSS JF, PFEIFER GB, TORAL JF, BRESSAN SJ. Levantamento rápido de mamíferos terrestres em um remanescente de Mata Atlântica do Sul do Brasil. Unoesc & Ciência. 2016;7(1):89-96.

PRIMACK RB, RODRIGUES E. Biologia da conservação. Ed. Planta: Londrina, 2001. 327p.

REIS NR, PERACCHI A L, FREGONESI MN, ROSSANEIS BK. Guia ilustrado mamíferos do Paraná- Brasil. Ed. USEB: Pelotas, 2009. 220p.

REIS NR, PERACCHI AL, PEDRO WA, LIMA IP. Mamíferos do Brasil. Londrina, 2011. 439p.

REIS NR, PERACCHI AL, SANTOS GASDD. Ecologia de mamíferos. Londrina: Technical Books; 2008. 167p.

RIBEIRO MC, METZGER JP, MARTENSEN AC, PONZONI FJ, HIROTA MM. The Brazilian Atlantic Forest: How much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological Conservation. 2009;142(6):1141-1153.

ROCHA EC, DALPONTE JC. Composição e caracterização da fauna de mamíferos de médio e grande porte em uma pequena reserva de Cerrado em Mato Grosso, Brasil. Revista Árvore. 2006;30(4):669-677.

ROSSANEIS BK. Mamíferos de médio e grande porte em pequenos remanescentes florestais da Mata Atlântica com influências antropogênicas no norte do Paraná. Semina. 2014; 35(1):15-24.

ROSSI RV, BIANCONI GV, PEDRO W A. Ordem Didelphimorphia. In: Reis NR, Perachi AL, Pedro WA, Lima IP. Mamíferos do Brasil. Londrina: UEL; 2006:27-66.

SANTOS CF, BUENO B, CASELLA J. Comparação entre métodos de amostragem e eficiência de iscas na atração de mamíferos de médio e grande porte no Cerrado. Neotropical Biology and Conservation. 2013; 8(3):156-164.

SILVA LD. Mamíferos de médio e grande porte em fragmentos florestais na Serra do Carrapato, Lavras/MG. [dissertation]. Lavras: Universidade Federal de Lavras; 2008. 72 p.

SILVA SM. Mata Atlântica: uma Apresentação. In: Revisões em zoologia: Mata Atlântica. 1ª ed. Curitiba: UFPR; 2017. 490p.

SOS MATA ATÂNTICA. Atlas dos remanescentes florestais da Mata Atlântica, período 2015-2016. São Paulo, Brasil. Fundação SOS Mata Atlântica. Instituto Nacional das Pesquisas Espaciais; 2017.

SPONCHIADO J. Estrutura das comunidades de pequenos mamíferos de duas unidades de conservação (Taim e Espinilho) do bioma Pampa, sul do Brasil [dissertation]. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria /UFSM, RS; 2011. 75p.

TOMAS WM, MIRANDA GH. Uso de armadilhas fotográficas em levantamentos populacionais. In: In: Cullen Junior, L, Rudran, R, Padua-Valladares, C, orgs. Métodos de estudos em Biologia da Conservação e Manejo da Vida Silvestre. Curitiba: UFPR Fundação O Boticário de Proteção à Natureza; 2003:243-267.

VOSS RS, EMMONS LH. Mammalian diversity in Neotropical lowland rainforests: a preliminary assessment. Bulletin of the American Museum of Natural History; 1996;230:115p.

WOLFART MR, FRÉ M, LUCAS EM, MIRANDA GB. Mamíferos terrestres em um remanescente de Mata Atlântica, Paraná, Brasil. Revista Biotemas, 2013;26(4):111-119.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179460X39705

Copyright (c) 2020 Ciência e Natura

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.