Cure or conservation: a socio-environmental dilemma in continuing teacher training

Lidiane Amaral Barbosa, Elinete Oliveira Raposo, Nadia Magalhães da Silva Freitas

Abstract


There are many contemporary socio-environmental challenges: socio-environmental quality and sustainability of cities, mitigation and coping with climate change, water and solid waste management, forest management, growing demand and energy alternatives, among others. In this context, the research was driven by the following question: in what terms teachers, in a process of continuous formation, base their decision-making on a socio-environmental dilemma involving the forest theme? The research was based on a qualitative approach and was carried out in the context of a process of continuous training of teachers. The analyzes refer to a case study (fictitious, but credible) entitled "Cure or conservation: human health and the ecosystem". The positions of the teachers brought together knowledge from two areas: natural sciences and social sciences, approaching them; considered aspects such as identity, culture and traditional knowledge, avoiding positions that exorcize the alterity and the sovereignty of scientific knowledge in relation to others. Despite of to their specific academic education, teachers integrated knowledge, in an authentic interdisciplinary attitude in the consideration of the socio-environmental dilemma proposed in the training. The teachers' discussions were legitimate, their positions pertinent and they were actual, considering the concerns that are manifested in the environmental field.

Keywords


Teacher training. Socio-environmental challenges. Forest.

References


AFONSO, C. M. Sustentabilidade: caminho ou utopia. São Paulo: Annablume, 2006.

ARAGÓN, L. E. Amazônia: destinos. Scientific American, São Paulo: Duetto Editorial, n. 3, 2008.

ARRUDA, R. “Populações Tradicionais” e a proteção dos recursos naturais em unidades de conservação. Ambiente & Sociedade, São Paulo, a. 2, n. 5, p. 79-92, 1999.

BATISTA, D. O complexo da Amazônia: análise do processo de desenvolvimento. 2º Ed. Manaus: Editora Valer, Edua e Inpa, 2007.

BEHRENS, M. A. O paradigma emergente e a prática pedagógica. Rio de Janeiro: Vozes, 2005.

_____; OLIARI, A. L. T. A evolução dos paradigmas na educação: do pensamento científico tradicional à complexidade. Diálogos Educacionais, Curitiba, v. 7, n. 22, p. 53-66, 2007.

BIGLIARD, R. V.; CRUZ, G. R. O papel da educação ambiental frente à crise civilizatória atual. Ambiente & Educação, Rio Grande, v. 12, p.127-141, 2007.

BRASIL. Lei Nº 9985/2000 - "Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências" - Brasília, 2000. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=322. Acesso em: 7 nov. 2016.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais / MEC. – Brasília: MEC/SEF, 1998.

CARSON, R. Primavera silenciosa. São Paulo: Gaia, 2010.

CARVALHO, A. M. P.; GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de ciências: tendências e inovações. São Paulo: Cortez, 2011.

CHASSOT, A. I. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. Ijuí, RS: Ed. Unijuí, 2011.

CERATTI, M. K. Brasil: muito mais flora em risco de extinção do que se pensava. Brasília. 2014. Disponível em: < http://brasil.elpais.com/brasil/2014/11/14/politica/141 5920874_248706.html>. Acesso em: 5 nov. 2016.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: método qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2010.

DIEGUES, A. C. Etnoconservação da natureza: enfoques alternativos. In: DIEGUES, A. C. (Org). Etnoconservação: novos rumos para a conservação da natureza. São Paulo: Hucitec, Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras, USP, 2000.

ESTEBAN, M. S. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradição. Porto Alegre: Artmed, 2010.

FERREIRA, A. M. M.; SALATI, E. Forças de transformação do ecossistema amazônico. Estudos Avançados, São Paulo, v. 19, n. 54, p. 25-44, 2005.

FLACH, C. R. C.; BEHRENS, M. A. Paradigmas educacionais e sua influência na prática pedagógica. In: Congresso Nacional de Educação da PUCPR, – EDUCERE, 8; Congresso Ibero–Americano sobre Violências nas Escolas – CIAVE,3. Curitiba, Paraná, 6 a 9 de outubro de 2008. Anais eletrônicos... Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2017.

FONSECA NETO, S. N.; FREITAS, N. M. S.; FREITAS, N. M. S. Uma carta para o futuro: constructos sobre (in)sustentabilidade. Ciência e Natura, Santa Maria, v. 39 n.1, p. 133-141, 2017.

GANEM, R. S; DRUMMOND, J. A. Biologia da conservação: as bases científicas da proteção da biodiversidade. In: GANEM, R. S. (ORG.). Conservação da biodiversidade: legislação e políticas públicas. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2011. (Série memória e análise de leis, n. 2).

GARCIA, E. S. Biodiversidade, Biotecnologia e Saúde. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, p. 491-494, 1995.

GONÇALVES, V. B. O princípio da precaução e a gestão dos riscos ambientais: contribuições e limitações dos modelos econômicos. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 16, n. 4, p. 121-140, 2013.

GONÇALVES, C. W. P. Amazônia e Amazônias. 2 ed. São Paulo: Contexto, 2009.

HATHAWAY, D. A biopirataria no Brasil In: BENSUSAN, N. Seria melhor mandar ladrilhar? Biodiversidade – como, para que e por quê. São Paulo: Peirópolis; Brasília, DF: Ed Universidade de Brasília, 2008.

HOSANNAH, J. de J. M. O papel da OTCA na proteção da Amazônia. XVI Curso de Especialização em Relações Internacionais, Brasília 2015. Disponível em: http://bdm.unb.br/bitstream/10483/11500/1/2015_JulianadeJesusMachadoHosannah.pdf. Acesso em: 17 Ago. 2017.

IMBERNÓN, F. Formação continuada de professores. Porto Alegre: Artmed, 2010.

JACOBI, P. R. Meio Ambiente e Sustentabilidade. IN: Fundação Prefeito Faria Lima – Cepam. O município no século XXI: cenários e perspectivas. Ed. especial. São Paulo, 1999.

JOLLIVET, M.; PAVÉ, A. O meio ambiente: questões e perspectivas para a pesquisa. In: VIEIRA, P. F.; WEBER, J. (Org.). Gestão de recursos naturais renováveis e desenvolvimento: novos desafios para pesquisa ambiental. São Paulo: Cortez, 2002.

KAGEYAMA, P. Y. Biodiversidade e Biopirataria: contradição entre a biodiversidade e a pobreza no mundo. In: AZEVEDO-RAMOS, C. et al. Amazônia e desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer, 2010. p. 23-33.

KOHLHEPP, G. Conflitos de interesse no ordenamento territorial da Amazônia brasileira. Estudos Avançados, São Paulo, v.16, n. 45, p. 37- 61, 2002.

LEFF, E. (Coord.). A complexidade ambiental. São Paulo: Cortez, 2010.

_____. Aposta pela vida: imaginação sociológica e imaginários sociais nos territórios ambientais do Sul. Petrópolis, RJ: Vozes, 2016.

_____. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

LIMA, D. POZZOBON, J. Amazônia socioambiental. Sustentabilidade ecológica e diversidade social. Estudos Avançados, São Paulo, v. 19, n. 54, p. 45-76, 2005.

MALDANER, O. A. A formação inicial e continuada de professores de química. 2d. Ijuí: Ed. Unijuí, 2003.

MINAYO, M. C. de. S. Trabalho de campo: contexto de observação, interação e descoberta. In: ¬¬¬_____. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2016. p. 56-71.

MIRRA, A. L. V. Direito ambiental: o princípio da precaução e sua aplicação judicial. Revista de Direito Ambiental, Santa Catarina, n. 21, janeiro/março de 2001. Disponível em: . Acesso em: 9 jul. 2015.

MORAN, E. F. Meio ambiente e floresta. São Paulo: Editora SENAC, 2010 (Série Meio Ambiente, 11).

NASCIMENTO, E. P. do. Trajetória da sustentabilidade: do ambiental ao social, do social ao econômico. Estudos Avançados, São Paulo, v. 26, n.74, p. 51-64, 2012.

OLIVEIRA, D. A. de; NOCETTI M. S. O. Investigando a biodiversidade: guia de apoio aos educadores do Brasil. conservação internacional WWF/Brasil Instituto supereco tradução do original – Belo Horizonte Brasília 2010. Disponível em:< http://www.conservation.org/global/brasil/publicacoes/Documents/investigan do_a_bi odiversidade.pdf>. Acesso em: 29 mar. 2016.

QUEIROZ, E. D; PLÁCIDO, P. O. Um olhar para a formação de professores a partir da educação ambiental crítica. In: ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino, 16. UNICAMP, Campinas, 2012. Anais eletrônicos ... Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2015

RIBAS, M. H., CARVALHO, M. A. de, ALONSO, M.; Formação continuada de professores e mudança na prática pedagógica. In: ALONSO, M. (Org.). Prática docente: teoria e prática. São Paulo: Pioneira, 2003.

RICARDO, C. A.. A Sociobiodiversidade Nativa Contemporânea no Brasil. In: _____. Povos indígenas no Brasil: 1991/1995. São Paulo: Instituto Socioambiental, 1996.

ROOS, A. A biodiversidade e a extinção das espécies. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, Santa Maria, v. 7, n. 7, p. 1494-1499, 2012.

ROCHA, F. A. N. G. Regulamentação jurídica do acesso à biodiversidade. Revista do Curso de Direito, Nova Lima, v. 3, n. 5, p. 52-70, 2005.

SÁ, L. QUEIROZ, S. L. Estudo de caso no ensino de química. Campina, SP: Átomo, 2010.

SACHS, I. Desenvolvimento: includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

SILVA, J. B. G.; PAULILLO, L. C. M. S. Biologia sintética: possibilidades e desafios. Revista da Biologia, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 33-39, 2015.

SILVA, M. das G. Questão ambiental e desenvolvimento sustentável: um desafio ético-político ao serviço social. São Paulo: Cortez, 2010.

SIQUEIRA, M. M.; MORAIS, M. S. de. Saúde coletiva, resíduos sólidos urbanos e os catadores de lixo. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.14, n. 6, p. 2115-2122, 2009.

STAHEL, A, W. Capitalismo e entropia: os aspectos ideológicos de uma contradição e a busca de alternativas sustentáveis. In: CAVALCANTE, C. (Org). Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentável. 5. Ed – São Paulo: Cortez; Recife PE: Fundação Joaquim Nabuco, 2009. p.104-127.

SCHWINGEL, T. C. P. G.; UHMANN, R. I. M.; HERMEL, E. do E. S. As (im)possíveis relações ambientais versus conceituais em livros didáticos de ciências do 6º ano do ensino fundamental. Contexto & Educação, Editora Unijuí, Rio Grande do Sul, a. 31, n. 100, p. 56-30, 2016.

TAVOLARO, S. B. F. Ação comunicativa. In: FERRARO JÚNIOR, L. A. Encontros e caminhos: formação de educadoras(es) ambientais e coletivos educadores. Brasília: MMA, Diretoria de Educação Ambiental, 2005. p.15-25.

TRIGUEIRO, A. Mundo sustentável: abrindo espaço na mídia para um planeta em transformação. São Paulo: Globo Editora, 2005.

TRISTÃO, M. A educação ambiental na formação de professores: redes de saberes. São Paulo: Annablume; Vitória; Facitec, 2004.

UNESCO. Década das Nações Unidas para um desenvolvimento sustentável, 2005-2014: documento final do esquema internacional de implementação. Brasília, DF: UNESCO, 2005.

VASCONCELOS, E. R.; FREITAS, N. M. S. Discursos de Professores sobre a Amazônia: implicações para o ensino de ciências. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 8; Congreso Iberoamericano de Investigación en Enseñanza de las Ciencias, 1. 2011, Campinas. Atas do VIII ENPEC; I CIEC. Rio de Janeiro: ABRAPEC, 2011. Disponível em:

s/R0473-1.pdf. Acesso em: 15 nov. 2016.

¬¬¬¬¬¬¬¬_____, ¬¬¬¬_____; O paradigma da sustentabilidade e a abordagem CTS: mediações para o ensino de ciências. Amazônia. Revista de Educação em Ciências e Matemáticas, Belém, v. 9, n. 17, p. 89-108, jul. 2012/dez. 2012.

_____; _____; FERREIRA, D. T.; VALENTE, J. A. S.; FREITAS, N. M. S. Educar para a justiça social e ambiental: que questões pensar no contexto do ensino e da formação de professores de ciências? Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 245- 254, 2014.

VIANA, V. As florestas e o desenvolvimento sustentável na Amazônia. Manaus: Valer, 2006.

VIEIRA, I. C. G.; TOLEDO, P. M. de; SANTOS JUNIOR, R. A. O. Ambiente e Sociedade na Amazônia: uma abordagem interdisciplinar. Rio de Janeiro: Garamond, 2014.

WATANABE-CARAMELLO, G.; KAWAMURA, m. R. D. Uma educação na perspectiva ambiental crítica, complexa e reflexiva. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Minas Gerais, v. 14, n. 2, p. 255-264, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179460X28731

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Copyright (c) 2018 Ciência e Natura



Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.