O Efeito do Vento nas Quedas de Árvores em Piracicaba/SP

Flávio Henrique Mendes, Jefferson Lordello Polizel, Demóstenes Ferreira da Silva Filho

Abstract


O objetivo foi estudar o comportamento das quedas de árvores no município de Piracicaba/SP, Brasil, com atenção especial ao regime de ventos. O Corpo de Bombeiro forneceu um banco de dados de quedas contendo 275 casos, de 3 de janeiro de 2011 a 24 de maio de 2014, com a respectiva localização, os quais foram plotados em SIG. O efeito da urbanização teve grande importância nas quedas, cuja região central concentrou a maior parte, 36,7%. As estações da primavera e verão somaram 78,0% das quedas, que correspondem, respectivamente, aos períodos de ventos e chuvas mais intensos. O período de retorno esperado para ventos acima de 75 km h-1, classificados como temporais na Escala de vento de Beaufort, foi de 2,8 eventos por ano. As espécies de maior vulnerabilidade à queda foram Pachira aquatica Aubl. (monguba), Handroanthus sp. (ipê roxo) e Tipuana tipu (Benth.) Kuntze (tipuana), caracterizando oportunidades de manejo específicas. Enquanto verificou-se o predomínio de ventos alísios de sudeste, pertencentes ao quarto quadrante, a direção das rajadas teve maior variação e, com predomínio de ventos de sudeste, é recomendável instalações de parques industriais nas zonas norte, noroeste e oeste, visto a importância em evitar que poluentes adentrem a cidade.

Keywords


Regime de ventos; Urbanização; Vulnerabilidade de espécies

References


ALBERS, J.S.; POKORNY, J.D.; JOHNSON, G.R. How to Detect and Assess Hazardous Defects in Trees. In: POKORNY, J.D. (Ed.). Urban Tree Risk Management: A Comunity Guide to Program Design and Implementation. St. Paul: USDA Forest Service. 1992. chap. 3. p. 41-116.

BONAN, G.G. Ecological Climatology: Concepts and Application. New York: Cambridge Univ. Press, 2002. 990p.

BURGARDT, S.; LEITE, M.L.; VIRGENS FILHO, J.S. Direção horária predominante e de rajada de vento em localidades dos campos gerais do Paraná e arredores. Revista Brasileira de Climatologia, Curitiba, v. 8, p. 137-151, 2011.

CAMARGO, R. Boletim Climatológico Anual da Estação Meteorológica do IAG / USP / Seção Técnica de Serviços Meteorológicos, São Paulo, v. 17, 2014. 76p.

CLEUGH, H.; GRIMMOND, S. Urban Climates and Global Climate Change. In: HENDERSON-SELLERS, A.; MCGUFFIE, K. The Future of the World’s Climate, Oxford: Elsevier. 2011. chap. 3. p. 47-76.

DANCEY, C.; REIDY, J. Estatística Sem Matemática para Psicologia: Usando SPSS para Windows. 3.ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. 608p.

DOBBERT, L.Y.; PRATA-SHIMOMURA, A.R.; MENDES, F.H.; SILVA FILHO, D.F. The influence of tree canopy cover on urban thermal comfort. In: CONGRESSO LUSO - BRASILEIRO PARA O PLANEAMENTO URBANO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL, 6., 2014, Lisboa. Proceedings... Lisboa: PLURIS, 2014. 8p.

DOMINGUEZ, J.M.L.; BITTENCOURT, A.C.S.P.; MARTIN, L. Controls on Quaternary coastal evolution of the east-northeastern coast of Brazil: roles of sea-level history, trade winds and climate. Sedimentary Geology, Amsterdam, v. 80, n. 3-4, p. 213-232, 1992.

FIORAVANTI, C. Estufa que exporta poluição. Pesquisa FAPESP. 2002. p. 28-35.

MATTHECK, C. Updated Field Guide for Visual Tree Assessment. Karlsruhe: Forschungszentrum Karlsruhe Gm, 2007. 170p.

MATTHECK, C.; BRELOER, H. The body language of trees: a handbook for failure analysis. London: The Stationery Office, 1997. 239p.

MENDES, F.H.; SILVA FILHO, D.F.; LOPES, A.M.S. A sombra de edifícios como índice de verticalização das cidades. Hipótese, Itapetininga, v. 1, n. 1, p. 24-34, 2015.

OKE, T.R. Boundary layer climates. 2nd. ed. London: Routledge. 1987. 435p.

OLIVEIRA, J.B.; CAMARGO, M.N.; ROSSI, M.; CALDERANO FILHO, B. Mapa pedológico do Estado de São Paulo: legenda expandida. Campinas: Embrapa Solos / IAC, 1999. 64p.

OLIVEIRA, J.B.C.; PRADO, H. Carta pedológica semidetalhada do Estado de São Paulo: Folha Piracicaba. (SF 23-Y-A-IV). Campinas, Instituto Agronômico de Campinas, 1989. Mapa, escala 1:100.000.

OLIVEIRA, S.; LOPES, A.M.S. Metodologia de avaliação do risco de queda de árvores devido a ventos fortes. O caso de Lisboa. In: CONGRESSO DA GEOGRAFIA PORTUGUESA, 6., 2007. Lisboa. Anais... Lisboa: CGP, 2007. 21p.

OMM – ORGANIZAÇÃO METEOROLÓGICA MUNDIAL. Calculation of monthly and annual 30-year standard normals. WMO. WCDP, n. 10. Geneva, 1989. (Technical document, 341).

PRATA, A.R. Dimensionamento do impacto da altura de edifícios nas condições de ventilação natural do meio urbano simulando em túnel de vento: o caso de Santos. 2005. 243p. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

RIBEIRO, P; LOPES, A. Modelação do risco de queda de árvores sobre as viaturas devido a ventos fortes em Lisboa. In: CONGRESSO DA GEOGRAFIA PORTUGUESA, 8., 2011. Lisboa. Anais... Lisboa: CGP, 2011. p. 1-6.

ROLLO, L.C.P. Metodologias de quantificação de áreas verdes urbanas: mapeamento da cobertura arbórea e inventário florestal de árvores de rua em cidades do Estado de São Paulo. 2014. 103p. Tese (Doutorado em Recursos Florestais) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2014.

SANTOS, R.M. Morfologia urbana e conforto térmico. AUP 823 Seminário da Integração, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, 2004. 13p.

SEITZ, R.A. Manual de poda de espécies arbóreas florestais. Curitiba: FUPEF, 1995. 56p.

SENE, E.; MOREIRA, J.C. Geografia geral e do Brasil: espaço geográfico e globalização. São Paulo: Scipione, 1998. 504p.

SHASHUA-BAR, L.; HOFFMAN, M.E. Vegetation as a climatic component in the design of an urban street: An empirical model for predicting the cooling effect of urban green areas with trees. Energy and Buildings, Lausanne, v. 31, n. 3, p. 221-235, Apr. 2000.

TROEN, I.; PETERSEN E.L. European Wind Atlas, Roskild: Risø National Laboratory, 1989. 656p.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179460X21355

Copyright (c) 2016 Ciência e Natura



Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.