A redundância como elemento estetizante no testemunho: Soledad no Recife (romance) e Ausênc’as (ensaio fotográfico)

Ana Júlia Lacerda, Tânia Sarmento-Pantoja

Resumo


Este estudo se baseia em pesquisa bibliográfica e análise das obras Soledad no Recife, romance de Urariano Mota, e Ausênc’as, ensaio fotográfico de Gustavo Germano. A hipótese é a de que a redundância pode ser uma categoria viável para a análise de produções artísticas, particularmente as de cunho testemunhal. Para tanto propomos mostrar como a redundância opera nessas produções não apenas como recurso de linguagem, mas, sobretudo, como artifício criativo. Ao considerar  a redundância como conceito-chave a análise desenvolvida pauta-se em três aspectos fundamentais: primeiro, essas produções se constroem sobre a base da noção de hiato, condição que perpassa todas as dimensões constituidoras dos materiais analisados no corpus; segundo, as funções da redundância no interior do texto testemunhal ou de teor testemunhal; terceiro, a ideia de que a memória da insurgência, mesmo depois do perecimento físico do insurgente, prevalece como possibilidade de questionamento da violência de Estado, bem como os usos éticos e políticos dessa memória.

Palavras-chave


Redundância; Memória; Trauma; Testemunho; Resistência

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Paulo. Torquato Neto – uma poética de estilhaço. São Paulo: Annablume, 2002.

BOSI, Alfredo. Narrativa de resistência. In: Literatura e Resistência. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

BRAGA, Rafael Giurumaglia Zincone. Parabolicamará: redundância e inovação na infomaré televisiva da Tropicália. Em Questão, Porto Alegre, v. 24, n. 3, p. 316-333, set./dez. 2018

FIORIN, José Luiz. Figuras de retórica. Editora Contexto. 2014.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Ed. 34, 2006.

GERMANO, Gustavo. Ausenc’as. São Paulo, 2015.

GINZBURG, Jaime. A interpretação do rastro em Walter Benjamin. In: SEDLMAYER, Sabrina e GINZBURG, Jaime (Org.). Walter Benjamin: rastro, aura e história. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2012

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 2003.

LEVI, Primo. É isto um homem? Rio de Janeiro: Rocco, 1988.

MALDONADO, Gabriela. CARDOSO, Marta Rezende. O trauma psíquico e o paradoxo das narrativas impossíveis, mas necessárias. Psicol. clin. vol. 21 no.1 Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010356652009000100004&script=sci_arttext&tlng=e

MOTA, Virgínia. Um caso fotográfico. Cadernos Benjaminianos , v. 9, (2015) p. 50-64. Disponível em http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/cadernosbenjaminianos/article/view/8578

MOTA, Urariano. Soledade no Recife. Boitempo Editorial. 1ª edição. São Paulo, 2009.

PADRÓS, Enrique Serra. Memória e Esquecimento Das Ditaduras De Segurança Nacional: os Desaparecidos Políticos. História em revista. Pelotas, RS. Vol. 10 (dez. 2004). Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/164671/000529923.pdf?sequence=1

PIGNATARI, Décio. Informação, linguagem, comunicação. São Paulo: Cultrix, 1981.

RITONDELE, Claudionor Aparecido. Um estudo de redundância. São Paulo, 2009.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Narrar o trauma – a questão dos testemunhos de catástrofes históricas. Psic.clin., rio de janeiro, vol.15, n.2, p.x – y, 2003. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-56652008000100005

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Imagens precárias: inscrições tênues de violência ditatorial no Brasil. Estudos de Literatura Contemporânea (Brasilia), volume 1, 2014, n. 43. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/elbc/n43/02.pdf

SERRA, Alice Mara. “O traço da origem e o traço do traço: Benjamin e a arqueologia da Spur. Cadernos Benjaminianos, n. 4, Belo Horizonte, ago-dez. 2011, pp. 01-11

SCHØLLHAMMER, Karl Erik. Para uma crítica do realismo traumático. Revista Soletras. [on-line]. Edição 23. Rio de Janeiro: UERJ, 2012. Disponível em: < http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/soletras/article/view/3801/2634

TOLEDO, Paulo César de. Catatau: um “romance de protesto” barroco e carnavalizado. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Literatura Brasileira, Universidade de São Paulo: São Paulo, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1679849X35453

 

CONTATO:

E-mail: revista.la.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Prédio 16 - Centro de Educação - PPG Letras
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8477

Link: https://periodicos.ufsm.br/LA


ISSN: 1679-849X

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1679849X

Qualis/Capes: Linguística e Literatura A3


Periodicidade – Semestral

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

     

 

http://mjl.clarivate.com/cgi-bin/jrnlst/jlresults.cgi?PC=EX&Full=*Literatura%20e%20Autoritarismo

Resultado de imagem para DOAJ

https://doaj.org/toc/1679-849X

https://www.latindex.org/latindex/ficha?folio=19485

http://diadorim.ibict.br/handle/1/1018

 

 

http://oaji.net/journal-detail.html?number=6577

http://ezb.uni-regensburg.de/searchres.phtml?bibid=AAAAA&colors=7&lang=de&jq_type1=QS&jq_term1=Literatura+e+Autoritarismo

 

https://dbh.nsd.uib.no/publiseringskanaler/erihplus/periodical/info.action?id=491293

BASE Logo

https://www.base-search.net/

http://journalseeker.researchbib.com/view/issn/1679-849X

https://www.worldcat.org/title/literatura-e-autoritarismo/oclc/1002237522&referer=brief_results

https://scholar.google.com.br/citations?user=cnXbenUAAAAJ&hl=pt-BR

 

https://www.tib.eu/en/search/id/TIBKAT%3A894744321/Literatura-e-autoritarismo/

https://thekeepers.org/journals/1679-849X?page=1&query=Literatura+e+Autoritarismo

 

http://www.i2or.com/8.html (Nr. 763)

https://index.pkp.sfu.ca/index.php/browse/index/2374

http://miar.ub.edu/issn/1679-849X

https://clasificacioncirc.es/resultados_busqueda?_pag=1&_busqueda2=Literatura%20e%20Autoritarismo

https://reseau-mirabel.info/revue/6394/Literatura_e_autoritarismo