https://periodicos.ufsm.br/LA/issue/feed Literatura e Autoritarismo 2023-09-15T12:02:46-03:00 Rosani Ketzer Umbach rosani.umbach@ufsm.br Open Journal Systems <p style="text-align: justify;">A Revista <strong>Literatura e Autoritarismo </strong>é um periódico semestral publicado desde 2003. Está vinculado às atividades do Grupo de Pesquisa CNPq Literatura e Autoritarismo e ao Programa de Pós-Graduação em Letras. Tem o objetivo de promover o debate e a discussão de questões como violência, autoritarismo, violação de direitos humanos, exclusão e preconceito racial e sexual no âmbito da produção cultural, especialmente a literária, adotando uma perspectiva interdisciplinar com outras áreas do conhecimento que possibilitem o aprofundamento e a reflexão sobre essas temáticas. Para atender a esse propósito, publica, em português, espanhol, inglês ou alemão, textos teóricos, artigos, ensaios, entrevistas e resenhas – sempre de material inédito e com autoria de pelo menos um pesquisador com titulação de doutor – em que tais assuntos apareçam em obras literárias e em outras produções culturais, tais como letras de músicas, filmes, fotografias, pinturas. Está registrado em vários indexadores internacionais como DOAJ, JCR, WOS, PKP, entre outros.</p> <p style="text-align: justify;"><strong>eISSN 1679-849X | Qualis/CAPES (2017-2020) = A4</strong></p> https://periodicos.ufsm.br/LA/article/view/70317 As ruínas do reino 2022-11-01T12:59:44-03:00 Cíntia Carla Moreira Schwantes ckschw@gmail.com <p>Este artigo se destina a discutir o romance <em>O reino deste mundo</em>, do cubano Alejo Carpentier, sob uma ótica pós-colonial. Trata-se de um romance histórico, que utiliza como matéria narrativa fatos da história do Haiti, vazados pela mirada de Ti Noel, um escravo que vivencia os conflitos que envolvem o processo de independência do país, bem como das guerras napoleônicas, do processo colonial levado em solo haitiano, tão em desacordo com os ideais franceses de igualdade, liberdade e fraternidade, e acaba seus dias, idoso e senil, vivendo nas ruinas da casa de seu antigo dono. Assim, pelos olhos de Ti Noel, o romance expõe toda a violência e as contradições envolvidas no processo colonial haitiano.</p> 2023-09-15T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2023 Literatura e Autoritarismo https://periodicos.ufsm.br/LA/article/view/70829 O desaparecimento forçado e seus efeitos no romance Meu pai, acabaram com ele, de Luiz Claudio Cardoso 2022-11-01T13:03:19-03:00 Arnaldo Franco Junior afjr@ibilce.unesp.br <p>Neste artigo, vamos analisar e interpretar o romance <em>Meu pai, acabaram com ele</em>, de Luiz Claudio Cardoso, que tematiza o desaparecimento forçado e seus efeitos sobre a família e o círculo social mais próximo do desaparecido. Remetendo a um fato da vida real – o desaparecimento forçado do deputado Rubens Paiva nos anos 1970 –, o romance ficcionaliza este fato e explora dramaticamente o impacto que a violência e o terrorismo de Estado têm sobre aqueles que, sobrevivendo a este tipo de catástrofe, têm de lidar com as perplexidades e angústias decorrentes de um processo de perda que nunca termina e que os instala num limiar entre o luto e a impossibilidade de sua efetivação.</p> 2023-09-15T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2023 Literatura e Autoritarismo https://periodicos.ufsm.br/LA/article/view/70437 Edla van Steen e as imagens de Florianópolis na ditadura 2022-11-05T22:05:24-03:00 Natan Schmitz Kremer natan.kremer@gmail.com Alexandre Fernandez Vaz alexfvaz@uol.com.br <p>Neste texto questionamos como os temas da memória e da ditadura civil-militar de 1964, tendo como plano de fundo a cidade de Florianópolis, se articulam no conto <em>Cheiro de Amor</em>, de Edla van Steen. Para tanto, discutimos alguns aspectos da narrativa, focando, por meio da chave da repetição, nas passagens que se dedicam à vida sexual de Camila, a protagonista. Com isso buscamos perceber, pela forma da narrativa, como uma imagem de Florianópolis está associada àquela dinâmica sexual. Finalizando, cotejamos o conto com outras opções estéticas que perguntam pela cidade de Florianópolis, especialmente a do também escritor Salim Miguel.</p> 2023-09-15T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2023 Literatura e Autoritarismo https://periodicos.ufsm.br/LA/article/view/69986 Versos encarcerados: Miguel Hernández canta a vida, o amor e a morte 2022-04-18T20:58:58-03:00 Victor André Pinheiro Cantuário ve.cantuario@gmail.com <p>Através da metodologia de pesquisa bibliográfica, o presente artigo estabeleceu nexo entre as características apontadas por Mills e Kendall (2016) em seu estudo sobre a manifestação de doenças físicas e mentais nas pessoas em situação de prisão e os poemas de Miguel Hernández contidos em seu livro <em>Cancionero y romancero de ausencias</em>. A proposta é de demonstrar que os problemas de saúde relatados pelas autoras estão textualmente presentes nos poemas do último livro do poeta oriolano. Além disso, o artigo tem a intenção de se somar àqueles trabalhos, no Brasil, que se ocuparam de investigar a obra do poeta ou propor traduções de seus poemas para a língua portuguesa.</p> 2023-09-15T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2023 Literatura e Autoritarismo https://periodicos.ufsm.br/LA/article/view/70234 Vestígios, fotografia e memória em Um copo de cólera, de Raduan Nassar 2022-11-08T20:14:57-03:00 Sofia Maria Pires de Melo sofiapiresmelo@gmail.com Sabrina Sedlmayer sabrina.sedlmayer@gmail.com <p>A partir da análise do capítulo “O esporro” da novela <em>Um copo de cólera </em>(1978), de Raduan Nassar, propõe-se uma reflexão sobre o instante em que o narrador-personagem, o chacareiro, aparenta dar-se por vencido após um violento embate verbal e físico com sua companheira, a jornalista. O personagem, em sua prostração, rememora uma fotografia familiar antiga, concentrando-se na imagem da matriarca e nas lições passadas por ela. A hipótese é a de que o rastro que a memória fotográfica lhe proporciona suscita ao chacareiro uma experiência aurática de um passado sem arestas. Foram resgatadas para o desenvolvimento crítico deste trabalho principalmente os conceitos benjaminianos de aura e rastro; as Teses VI e VII de <em>Sobre o conceito de História</em> (1940), conforme apresentadas por Löwy (2005) em “Aviso de incêndio”; e as contribuições dadas por Janz (2012), Gagnebin (2014) e Barthes (1984).</p> 2023-09-15T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2023 Literatura e Autoritarismo https://periodicos.ufsm.br/LA/article/view/70533 Um estudo de gênero em Niketche: uma história de poligamia, de Paulina Chiziane 2022-11-12T22:52:20-03:00 Satumata Malam Sambu Sanha sanhasatumata@gmail.com Felipe dos Santos Matias felipe.matias@unila.edu.br <p>O presente artigo analisa a representação literária relacionada às lutas contra as desigualdades de gênero na obra <em>Niketche: uma história de</em> <em>poligamia</em> (2002), da escritora moçambicana Paulina Chiziane. Neste romance, a autora traz uma discussão em que problematiza a dominação masculina sobre a feminina no que se refere ao casamento na sociedade moçambicana. Em <em>Niketche</em>, Chiziane desconstrói aquilo que chama de poligamia urbana, que é diferente da tradicional em Moçambique, e representa literariamente a violência moral, psicológica e física perpetrada no país africano contra o gênero feminino. O estudo é realizado a partir dos aportes teórico-críticos de Chimamanda Ngozi Adichie, Laura Cavalcante Padilha, Joseph Ki-Zerbo, Badou Koffi Robert, Thaís Cristina Santos, Thomas Bonnici, entre outros.</p> 2023-09-15T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2023 Literatura e Autoritarismo https://periodicos.ufsm.br/LA/article/view/70770 Da atrofia da experiência à impossibilidade do Eros 2023-02-01T11:24:02-03:00 Cintia Paula Maciel cintiapaulamaciel4@gmail.com Silvana Maria Pessôa de Oliveira jmitraudpessoa@gmail.com <p>Impulsionados pelos acontecimentos de seu tempo, encontramos como ponto comum em Walter Benjamin (1892-1940) e Sigmund Freud (1856-1939) a crítica que realizam à cultura. Este artigo possui como objetivo principal examinar os conceitos de experiência (<em>Erfahrung</em>) e vivência (<em>Erlebnis</em>) pensados por Benjamin, evidenciando como as noções de consciência e memória, de Freud, estimularam a formulação desses conceitos benjaminianos e da teoria do choque. Para isso, discute-se pontos importantes de Experiência e Pobreza (1994), O Narrador (1994), Sobre alguns temas em Baudelaire (1989) e Além do Princípio do Prazer (2010). Por fim, relaciona-se a atrofia da experiência à temática do Eros, com base nas considerações de Georges Bataille (2017) e Byung-Chul Han (2017) sobre o erotismo. Como resultado, constata-se a atualidade das considerações benjaminianas e freudianas para pensarmos o atual contexto de nossas sociedades, no que diz respeito à construção de memórias coletivas e à experiência com o Outro.</p> 2023-09-15T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2023 Literatura e Autoritarismo https://periodicos.ufsm.br/LA/article/view/70762 Fragmentos e ruínas de um passado libanês: uma análise de A imensidão íntima dos carneiros à luz do conceito de história de Benjamin 2022-06-21T17:52:11-03:00 Gabriela Maria Hollanda Ferreira de Farias gabrielahollanda@gmail.com Márcia Maria Valle Arbex marbex@larnet.com.br <p><span class="TextRun SCXW265022053 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="auto"><span class="NormalTextRun SCXW265022053 BCX0">O objetivo deste artigo é analisar </span></span><em><span class="TextRun SCXW265022053 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="auto"><span class="NormalTextRun SCXW265022053 BCX0">A imensidão íntima dos carneiros </span></span></em><span class="TextRun SCXW265022053 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="auto"><span class="NormalTextRun SCXW265022053 BCX0">(2019), romance </span><span class="NormalTextRun SpellingErrorV2Themed SCXW265022053 BCX0">autofictício</span><span class="NormalTextRun SCXW265022053 BCX0"> do escritor Marcelo Maluf que narra a história de Marcelo e </span><span class="NormalTextRun SCXW265022053 BCX0">Assaad</span><span class="NormalTextRun SCXW265022053 BCX0"> frente aos segredos de família que motivaram a emigração de </span><span class="NormalTextRun SCXW265022053 BCX0">Assaad</span><span class="NormalTextRun SCXW265022053 BCX0"> do Líbano ao Brasil. Para isso, leva-se em consideração as teses “sobre o conceito de História” de Walter Benjamin, enfatizando principalmente a noção de “escovar a história a contrapelo”. Sustenta-se que, dentro da estruturação fragmentada da narrativa, composta de relatos de memória de família, o personagem Marcelo quebra o </span></span><span class="TextRun SCXW265022053 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="auto"><span class="NormalTextRun SCXW265022053 BCX0">continuum</span></span><span class="TextRun SCXW265022053 BCX0" lang="PT-BR" xml:lang="PT-BR" data-contrast="auto"><span class="NormalTextRun SCXW265022053 BCX0"> do espaço tempo para encontrar seu avô </span><span class="NormalTextRun SCXW265022053 BCX0">Assaad</span><span class="NormalTextRun SCXW265022053 BCX0"> já falecido, atuando como uma espécie de “historiador materialista”.</span></span></p> 2023-09-15T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2023 Literatura e Autoritarismo https://periodicos.ufsm.br/LA/article/view/70792 Literatura, melancolia e a resistência à ventania hegemônica 2023-02-01T10:56:42-03:00 Fernanda Barboza de Carvalho Nery fernandabcnery@gmail.com <p>A partir do pensamento que aponta a repetição, ao longo do tempo, das opressões direcionadas a grupos menos favorecidos, nomeadamente a <em>tradição dos oprimidos</em> (BENJAMIN, 2012), este artigo propõe uma reflexão acerca de duas formas de estabelecer uma resistência frente a situações que não se podem tolerar: a melancolia, como forma de expressão própria da humanidade, concebida sob o escopo reativo, enquanto um sentimento inevitável diante das opressões, e a literatura, constituída como um ato de resistência, por sua força política que, em última instância, pode iluminar os caminhos e ajudar à compreensão dos povos que, paulatinamente, o poder hegemônico tentou subjugar.</p> 2023-09-15T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2023 Literatura e Autoritarismo https://periodicos.ufsm.br/LA/article/view/70447 Futuro e imagem dialética na Ficção Científica 2022-11-12T22:38:27-03:00 Jade Rocha Nobre jade.rochanobre@gmail.com <p>O presente trabalho tem como objetivo analisar a construção de um futuro ficcional em duas obras de Ficção Científica: <em>Floresta é o nome do mundo </em>(<em>The Word for World is Forest</em>), de Ursula K. Le Guin, e <em>Binti</em>, de Nnedi Okorafor. A fim de ressaltar o caráter referencial das obras, que existe independentemente da discrepância entre mundo real e mundo ficcional, pretende-se aproximar historiografia benjaminiana, a partir da noção de imagem dialética, da escrita das obras de Ficção Científica. Para isso, contrastaremos a noção de tempo em Walter Benjamin à ideia de um <em>tríplice presente</em>, de Agostinho, assim como seus comentários sobre a predição do futuro. A discussão sobre o futuro em obras de Ficção Científica feita por Le Guin e por Adam Roberts também se farão necessárias.</p> 2023-09-15T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2023 Literatura e Autoritarismo https://periodicos.ufsm.br/LA/article/view/70322 K. Relato de uma busca, de Bernardo Kucinski: A agonia e o reviver do trauma na literatura brasileira 2022-12-10T22:46:18-03:00 Pâmela Leão Freire pleaofreire@gmail.com Maria Edinara Leão Moreira edinaraleao1@gmail.com <p>No presente artigo far-se-á uma análise hermenêutica do conto <em>As cartas à destinatária inexistente</em> que integra o romance<em> K. Relato de uma busca,</em> de Bernardo Kucinski. Procurou-se evidenciar a constante rememoração do trauma e, num panorama geral, o agônico estado de busca de um pai, por sua filha, desaparecida política na ditadura militar brasileira. Nesse sentido, tem-se como pano de fundo o entrecruzamento de aspectos sociais de um regime opressivo no Brasil, bem como, a memória gerada pelo trauma e o esquecimento social desse período ditatorial. Também, buscou-se evidenciar a estética do romance utilizada pelo autor para dar ênfase ao sujeito agônico em seu aspecto traumático. Para a análise empreendida serão utilizados como fundamentação teórica: Márcio Seligmann, Enrique Padrós e Nelly Richard.</p> 2023-09-15T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2023 Literatura e Autoritarismo https://periodicos.ufsm.br/LA/article/view/85088 Apresentação - "Sobre a violência na história" 2023-09-15T12:02:46-03:00 Rosani Úrsula Ketzer Umbach rosani.umbach@ufsm.br João Luis Pereira Ourique jlourique@yahoo.com.br <p>Apresentação</p> 2023-09-15T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2023 Literatura e Autoritarismo