O gênio e o santo na filosofia de Schopenhauer

Daniel Quaresma Figueira Soares

Resumo


Trata-se de delinear um paralelo entre o gênio e o santo no interior da filosofia de Schopenhauer. Num primeiro momento, serão apresentados dois pontos que aproximam as duas figuras: a suspensão do sofrimento e o conhecimento além do principium individuationis. A seguir, tratar-se-á de buscar aquilo que os distingue radicalmente: a especificidade do santo em relação ao gênio não residirá em sua duração temporal, mas na noção de salvação.

Palavras-chave


gênio; santo; salvação

Texto completo:

PDF

Referências


SCHOPENHAUER, A. Sämtliche Werke (org. Löhneysen) em 5 volumes. Stuttgart/Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1986.

SCHOPENHAUER, A. Über die vierfache Wurzel des Satzes vom zureichenden Grunde. SW III.

SCHOPENHAUER, A. Die Welt als Wille und Vorstellung II. SW II.

SCHOPENHAUER, A. Parerga und Paralipomena II. SW V.

SCHOPENHAUER, A. O mundo como Vontade e como representação. Tradução de Jair Barboza. São Paulo: Editora Unesp, 2005.

SCHOPENHAUER, A. Metafísica do Belo. Tradução de Jair Barboza. São Paulo: Editora Unesp, 2001.

BARBOZA, J. A metafísica do belo de Arthur Schopenhauer. São Paulo: Humanitas/Fapesp, 2001.

SCHOPENHAUER, A. Infinitude subjetiva e estética: natureza e arte em Schelling e Schopenhauer. São Paulo: Editora Unesp, 2005.

CACCIOLA, M. L. Schopenhauer e a questão do dogmatismo. São Paulo: Edusp/Fapesp, 1994.

PHILONENKO, A. Schopenhauer: une philosophie de la tragédie. Paris: Vrin, 1999.

WITTGENSTEIN, L. Tractatus Logico-Philosophicus. São Paulo: Edusp, 2001. Tradução de Luiz Henrique Lopes dos Santos.

YOUNG, J. Schopenhauer. London: Routledge, 2005.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179378634114

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2011 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.