A crítica de Schopenhauer à concepção de um uso prático da razão pura

Glauber Cesar Klein

Resumo


O artigo tem como proposta analisar um primeiro momento da crítica de Schopenhauer à teoria moral de Kant. Este primeiro momento é a crítica à concepção de um uso puro prático da faculdade racional; ele tem três passos, a saber, crítica à (i) idéia de uma mesma razão que seria responsável pelo fundamento teórico e prático, à (ii) falta de fundação ou dedução deste suposto uso prático da razão pura e/ou acusação de insuficiência da única tentativa realizada por Kant neste sentido e (iii) acusação de um pressuposto transcendente imbricado nesta concepção, a saber, que um uso prático da razão pura, isto é, uma determinação racional a priori da vontade, teria como fundamento oculto a psicologia racional. Antes destes três passos, no entanto, analisaremos qual a necessidade, para Schopenhauer, dessa crítica à moral kantiana, buscando assim indicar que a polêmica visava também, e talvez sobretudo, os póskantianos.

Palavras-chave


Razão prática, Dever, Genealogia da moral

Texto completo:

PDF

Referências


SCHOPENHAUER, Arthur. Über die Grundlage der Moral. Sämtliche Werte, von Julius Frauenstädt besorgten Gesamtausg, neu bearb. u. hrsg. von Arthur Hübscher. Mannheim: Brockhaus, 1988.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e como representação, 1° tomo. Tradução, apresentação, notas e índices de Jair Barboza. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

SCHOPENHAUER, Arthur. Sobre o fundamento da moral. Tradução: Maria Lúcia Mello Oliveira Cacciola. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001. (Coleção clássicos).

KANT, Immanuel. Grundlegung zur Metaphysik der Sitten. Werkausgabe: in 12 Bänden – Bald 7. Hrsg. von Wilhelm Weischedel. Frankfurt am Main: Suhrkamp – Taschenbuch Wissenschft, 1991.

KANT, Immanuel. Crítica da Razão Pura. Tradução: Manuela Pinto dos Santos e Alexandre Fradique Morujão. Lisboa: Edição da Fundação Calouste Gulbekian: 2001.

FICHTE, Johann Gottlieb. Sobre o conceito da Doutrina-da-ciência ou Da assim chamada filosofia (1794). Tradução: Rubens Rodrigues Torres Filho. In: Os pensadores, 3ª ed. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

BARBOZA, Jair. Os limites da expressão, linguagem e realidade em Schopenhauer. In: Veritas, Volume 50, n° 1, pp. 127-135. Porto Alegre: 2005.

BONACCINI, Juan Adolfo. Kant e o problema da coisa em si no idealismo alemão. Rio de Janeiro: Relume dumará, 2003.

BARRENECHEA, José María Artola. El discurso de Schopenhauer sobre la «cosa en si». In: Anales del Seminario de Metafisica, n° 23-1989/83-118, 1987-88-89. Ed. Universidad Complutense, Madrid. Também disponível em:

. Acesso em 4 de agosto de 2007.

CACCIOLA, Maria Lúcia Mello e Oliveira. Schopenhauer e a questão do dogmatismo. São Paulo: EDUSP – Editora da Universidade de São Paulo, 1994.

CARTWRIGHT, David E. Schopenhauer’s Narrower Sense of Morality. In: The Cambridge companion to Schopenhauer, pp. 252-92. Edit by Christopher Janaway. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

ZINGANO, Marco Antonio. Razão e história em Kant. São Paulo: Editora Brasiliense, 1988.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179378634112

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2011 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.