Liberdade relativa e ascese: a função da razão na ética de Schopenhauer

Jarlee Oliveira Silva Salviano

Resumo


Na sua metafísica do belo do terceiro livro de O mundo como vontade e representação, Schopenhauer defende a inutilidade do conceito para a arte, com a exceção da poesia, para a qual a palavra é a matéria-prima. No quarto livro, no entanto, assim como em seu ensaio premiado Sobre a liberdade da vontade, a razão desempenha um papel importante na constituição da moralidade. Por um lado, afirma ele (em meio à descrição mítica do redentor fenômeno da graça, que “vem de fora”, através de uma “mudança no modo de conhecimento”) que a redenção não nos vem através de um pretenso livre-arbítrio, não se dá por um “arbítrio ponderado (obras), mas no conhecimento (fé)”. O filósofo procura manter assim sua vigorosa oposição ao racionalismo ético da deontologia kantiana. Por outro lado, a razão (por sua capacidade de reflexão e recordação), é tomada em certos momentos como um instrumento auxiliar no processo de afirmação consciente da vontade (o caráter adquirido), bem como no próprio fenômeno da negação da vontade. Cabe verificar como se sustentam, nesta ambiguidade do estatuto da racionalidade, importantes conceitos éticos como a liberdade, a imputabilidade moral, a má consciência (remorso) etc.


Palavras-chave


Razão; Ascetismo; Liberdade relativa; Caráter

Texto completo:

PDF

Referências


BASSOLI, S. A negação da Vontade e o ponto de ebulição da água. Revista Voluntas: Estudos sobre Schopenhauer, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, 1º semestre de 2010, pp. 6-18.

CARVALHO, H. O Grito. Curitiba, Novodisc Mídia Digital, 2016. 1 CD.

GIACÓIA JR. O. Ser e sentido: o paradoxo do sofrimento. Revista Voluntas: Estudos sobre Schopenhauer, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, 2º semestre de 2016, pp. 4-26.

LOPES, R. Há espaço para uma concepção não moral da normatividade prática em Nietzsche? Cadernos Nietzsche, São Paulo, n. 33, 2013, pp. 89-134.

NIETZSCHE, F. W. Além do bem e do mal: prelúdio a uma filosofia do futuro. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das letras, 1992.

SCHOPENHAUER, A. Sämtliche Werke. Textkritisch bearbeitet und herausgegeben von Wolfgang Frhr. Löhneysen. Darmstadt: Wissenschaftliche Buchgesellschaft, 1968.

SCHOPENHAUER, A. Essai sur le libre arbitre. Trad. Salomon Reinach. Paris: Félix Alcan, 1925.

SCHOPENHAUER, A. O mundo como vontade e representação. Trad. Jair Barboza. São Paulo: Unesp, 2005.

SCHOPENHAUER, A. Sobre a ética (parágrafos 108 a 182 dos Parerga e Paralipomena). Trad. Flamarion Caldeira Ramos. São Paulo: Hedra, 2012.

SCHOPENHAUER, A. Sobre a vontade na natureza. Trad. Grabriel Valadão. Porto Alegre: L&PM, 2013.

SCHOPENHAUER, A. Sobre o fundamento da moral. 2. ed. Trad. Maria Lúcia Mello e Oliveira Cacciola. São Paulo: Martins Fontes, 2001.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179378633543

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Voluntas: Revista Internacional de Filosofia

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional.