Complacência estética e satisfação do querer na metafísica do belo de Schopenhauer

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/2179378639300

Palavras-chave:

Schopenhauer, Kant, Desinteresse, Complacência

Resumo

Seguindo os passos de Kant, Schopenhauer erige sua Metafísica do belo a partir da concepção de arte “desinteressada”. O conhecimento determinado por motivos proporciona ao espectador da arte o “excitante” e a mera satisfação empírica, mas não o belo ou o sublime. O gênio, representação mais potente e eficaz da subjetividade pura do conhecimento, é descrito no Livro III de O mundo como vontade e representação de modo aparentemente ambíguo: como o Willenlos (isento de vontade), como aquele “livre da tempestade das paixões” e do “ímpeto dos desejos”. Mas, ao mesmo tempo, como aquele “submetido a afetos veementes e paixões irracionais”. No entanto, trata-se, na vivência estética do gênio ou do contemplador da arte, de um prazer desinteressado, de uma complacência de outra ordem que a do homem do senso comum e de ciência. O artigo procura, então, analisar o conceito de complacência ou satisfação estética em Schopenhauer e seu enraizamento na filosofia de Kant.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jarlee Oliveira Silva Salviano, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA

Doutor em Filosofia pela Universidade de São Paulo

Professor na Universidade Federal da Bahia

 

Referências

CACCIOLA, Maria Lúcia. O conceito de interesse. Cadernos de Filosofia Alemã, São Paulo, Vol. 5, 1999, pp. 5-15.

KANT, Immanuel. Crítica da faculdade do juízo. Trad. Valério Rohden e António Marques. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

KANT, Immanuel. Fundamentação da metafísica dos costumes. Trad. Paulo Quintela. São Paulo: Abril Cultural, 1980 (Col. Os Pensadores).

MORAES, Dax. Desinteresse e comprazimento estético: considerações acerca da apreciação da estética kantiana por Schopenhauer face às de Hegel e Heidegger. O que nos faz pensar, Rio de Janeiro, Vol. 28, 2010, p. 145-167.

SCHOPENHAUER, Arthur. Sämtliche Werke. Textkritisch bearbeitet und herausgegeben von Wolfgang Frhr. Löhneysen. Darmstadt: Wissenschaftliche Buchgesellschaft, 1968.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e como representação (W I). Trad. Jair Barboza. São Paulo: Editora da Unesp, 2005.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e representação. Livro III. Trad. Maria Lúcia Mello e Oliveira Cacciola. São Paulo: Abril Cultural, 1980 (Col. Os Pensadores).

SCHOPENHAUER, Arthur. Sobre o fundamento da moral. 2ª ed. Trad. Maria Lúcia Mello e Oliveira Cacciola. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

Downloads

Publicado

2019-12-18

Como Citar

Salviano, J. O. S. (2019). Complacência estética e satisfação do querer na metafísica do belo de Schopenhauer. Voluntas: Revista Internacional De Filosofia, 10(3), 190–198. https://doi.org/10.5902/2179378639300

Edição

Seção

Fluxo Contínuo: Estudos Schopenhauerianos