O USO DE NANOTECNOLOGIAS NA PRODUÇÃO DE MEDICAMENTOS: O ESTADO DA ARTE DA REGULAÇÃO NO BRASIL

Gabrielle Jacobi Kölling, Sandra Regina Martini

Resumo


A utilização de nanotecnologias na sociedade atual é uma realidade bastante invisível que a ciência, o direito, a política e a saúde ainda não “dominam”. No entanto, o direito ainda não apresenta soluções do tipo jurídicas para regular essa tecnologia e os riscos oriundos do seu uso ainda são desconhecidos. O sistema da política ainda não tomou decisões coletivamente vinculantes sobre a regulação do uso de tecnologia nano, na produção de medicamentos, no entanto, já existem medicamentos sendo produzidos e comercializados com partícula nano e os seus riscos são desconhecidos e não monitorados. Assim, a pretensão do artigo é analisar o contexto da regulação do uso de tecnologia nano na produção de medicamentos no Brasil, no cenário de regulação, estabelecendo uma discussão a partir da pluralidade de fontes do direito como possibilidade para a regulação.

Palavras-chave


saúde; regulação; nanotecnologia; risco

Texto completo:

PDF

Referências


AITH, Fernando. Curso de Direito Sanitário – a proteção do direito à saúde no Brasil. São Paulo: Quartier Latin, 2007.

ALMEIDA FILHO, Naomar. O conceito de saúde e a Vigilância Sanitária: notas para a compreensão de um conjunto organizado de práticas de saúde. In: Costa AE, organizadora. Vigilância Sanitária desvendando o enigma. Salvador: EDUFBA, 2008, p. 19-43.

AVEN, T. Risk analysis and science. International Journal of Reliability, Quality and Safety Engineering. 2004, 11(1):2.

BARRETO, Vicente de Paulo. O Fetiche dos Direitos Humanos e outros temas. 2 ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2013.

BATISTA, Ariane de Jesus Sousa. PEPE, Vera Lúcia Edais. Os desafios da nanotecnologia para a vigilância sanitária de medicamentos. Ciênc. saúde coletiva, v.19, n.7, Rio de Janeiro, Julho de 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014197.02462013 . Acesso em 13 jun. 2015.

BOURG, D. Principe de précaution. In: Mesure S, Savidan P, éditeurs. Le dictionnaire des sciences humaines. Paris: Presses Universitaires de France, 2006.

BRASIL, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Comitê Interno de Nanotecnologia. Diagnóstico institucional de nanotecnologia. Brasília, 25 de março de 2014. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/fb117d80436c3cacb1b5b72a042b41f5/Diagn%C3%B3stico+Institucional+de+Nanotecnologia+-+CIN+2014+-+Dicol.pdf?MOD=AJPERES Acesso em 5 jul. 2015.

BRASIL, Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI). Panorama Nanotecnologia. Série Cadernos da Indústria ABDI. Volume XIX. Brasília; 2010. Disponível em: http://www.abdi.com.br/Estudo/PanoramadeNanotecnologia.pdf. Acesso em: 12 ago. 2015.

BRASIL, ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Gestão 2005-2010: principais realizações / Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: ANVISA, 2010a.

BRASIL, ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Política Vigente para a Regulamentação de Medicamentos no Brasil, 2004. Disponível em: http://bvsm.saude.gov.br/bsv/publicacoes/anvisa/manual_politica_medicamentos.pdf. Acesso em: 28 jun. 2015.

BRASIL, Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2012-2015. Disponível em: http://www.mct.gov.br/upd_blob/0218/218981.pdf . Acesso em 22 ago. 2015.

BRASIL. Projeto de Lei nº 5.076, de 2005. Deputado Edson Duarte. Brasília, DF. 2005. Disponível em: http://www.camara.gov.br/sileg/integras/297210.pdf.

CARSON, Rachel. Primavera silenciosa. Tradução de Raul de Popillo. São Paulo: Edições Melhoramentos, 1969. Disponível em https://biowit.files.wordpress.com/2010/11/primavera_silenciosa_-_rachel_carson_-_pt.pdf . Acesso em 29 ago. 2015.

CAPRA, Fritjof. O ponto de mutação. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Editora Cultrix, 2012.

CARVALHO, Délton Winter. Dano ambiental futuro: a responsabilização civil pelo risco ambiental. Rio de Janeiro: Forense, 2008.

CHENG. MM. Is the drugstore safe? Counterfeit diabetes products on the shelves. J Diabetes Sci Technol, 2009; 3:1516-20.

CORSI, Giancarlo; ESPOSITO, Elena; BARALDI, Claudio. Glosario sobre la teoría social de Niklas Luhmann. Tradução Miguel Pérez y Carlos Villalobos. México: Anthropos Editorial del Hombre, 1996.

DALLARI, Dalmo Abreu et al. O Direito Achado na Rua. Introdução crítica ao Direito à Saúde. Vol. 4. Brasília: UNB, 2009.

DE GIORGI, Raffaele. O risco na sociedade contemporânea. Tradução de Cristiano Paixão. Revista CCJ – UFSC, n. 28, ano 15, junho de 1994, p. 45-54.

DEVALAPALLY, H et al. Role of nanotechnology in pharmaceutical product development. Journal of Pharmaceutical Sciences, n. 10, v. 96, n. 10, p. 2.547-2.565, 2007.

DUPUY , JP. Complexity and uncertainty: a prudential approach to nanotechnology. In: Allhoff F, Lin P, Moor J, Weckert J, editors. Nanoethics: The ethical and social implications of nanotechnology. New Jersey: John Wiley & Sons; 2007.

ENGELMANN, Wilson; FLORES, André Stringhi. As nanotecnologias e os marcos regulatórios. Desafios éticos e possibilidades legais para a construção de um direito que normatize as pesquisas. Revista Jurídica, ed. 61, sem numeração. Disponível em: http://revistavisaojuridica.uol.com.br/advogados-leis-jurisprudencia/44/artigo162268-1.asp . Acesso em 24 ago. 2015.

ENGELMANN, Wilson; GÓES, Maurício de Carvalho. Direito das Nanotecnlogias e o Meio Ambiente de Trabalho. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2015.

ENGELMANN, Wilson. O diálogo entre as fontes do Direito e a gestão do risco empresarial gerado pelas nanotecnologias: construindo as bases à juridicização do risco. In: STRECK, Lenio Luiz; ROCHA, Leonel Severo; ENGELMANN, Wilson (Orgs.). Constituição, Sistemas Sociais e Hermenêutica: Anuário do Programa de Pós-gradução em Direito da UNISINOS: Mestrado e Doutorado. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012, n.9, p. 319-344.

FERNANDES, M.F.M., FILGUEIRAS CAL. Um panorama da nanotecnologia no Brasil (e seus macro-desafios). Quim. Nova, v. 8, n. 31, 2008, p.2205-2213.

FRONZA, T.; GUTERRES, S. S.; POHLMANN, A. R.; TEIXEIRA, H.F. Nanocosméticos: em direção ao estabelecimento de marcos regulatórios. Porto Alegre: Gráfica da UFRGS, 2007.

KANT, Immanuel. La metafísica de los costumbres. Madrid: Tecnos, 1999.

LUHMANN, Niklas. El derecho de la sociedad. México: Universidad Iberoamericana, 1998.

LUHMANN, Niklas. La Sociedad de la Sociedad. Tradução Javier Torres Nafarrate. Cidade do México: Herder Editorial, 2006.

LUHMANN, Niklas. Sociedad y sistema: la ambición de la teoria. Introducción de Ignacio Izuzquiza. Barcelona: Ediciones Paidos Ibérica, 1990.

LUHMANN, Niklas. Sociologia do Direito I. Tradução Gustavo Bayer. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1983.

LUHMANN, Niklas; DE GIORGI, Raffaele. Teoria della società. Milano: Franco Angeli, 1996.

MATURANA, H. R.; VARELA, F. J. A árvore do conhecimento: as bases biológicas do comportamento humano. Tradução de Humberto Mariotti. São Paulo: Athenas, 2011.

MEDEIROS, E.S.; PATERNO L.G.; MATTOSO L.H.C. Nanotecnologia. In: Durán N, Mattoso LHC, Morais PC, organizadores. Nanotecnologia Introdução, preparação e caracterização de nanomateriais e exemplos de aplicação. São Paulo: Artliber, 2006.

MIRANDA, Jorge. Manual de Direito Constitucional. Tomo V. Coimbra: Coimbra Editora, 2010.

MIRANDA, Jorge. Teoria do Estado e da Constituição. Coimbra: Coimbra Editora, 2002.

MORIN, Edgar. Cabeça bem-feita. Tradução Eloá Jacobina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

NUNES, Rui. Regulação da saúde. Porto: Vida Económica, 2014.

NUNES, João Pimentel. Pedidos de Patente sobre Nanotecnologia publicados no 1º semestre de 2010. INPI/DART/CEDIN/DIESPRO. Alerta Tecnológico nº 29; 2010. Disponível em: www.inpi.gov.br/menuesquerdo/...em.../alerta_nano_jan_jun_2010.pdf. Acesso em: 10 mai. 2015.

NUNES, João Pimentel Rohem-Santos P. Pedidos de Patente sobre Nanotecnologia publicados no 2º semestre de 2009. INPI/DART/CEDIN/DIESPRO. Alerta Tecnológico nº20; 2010a. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/menuesquerdo/informacao/alerta_nano_20.pdf. Acesso em: 10 mai. 2015.

PESSOA, Fernando. Mensagem. Disponível em: http://www.cfh.ufsc.br/~magno/mensagem.htm Acesso em 28 ago. 2015.

PIOVESAN, Márcia Franke. A construção política da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. [Mestrado] Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública; 2002.

ROSSI-BERGMAN, B. A nanotecnologia: da saúde para além do determinismo tecnológico. Cienc Cult, v. 2, n. 60, 2008, p.54-57.

RUIZ, Adriana; OSÓRIO DE CASTRO, Cláudia. Medicamentos: falando de qualidade. In: Gabriela Costa Chaves, Renata Reis, Veriano Terto Jr. e Cristina Pimenta (orgs). Rio de Janeiro: ABIA, 2008.

SANT'ANNA, L. S.; FERREIRA, A.P. Patents, drug delivery and public health protection: health risk management for nanopharmaceuticals. J Technol Manag Innov, v. 2, n. 8, 2013, p.107-118.

SARAIVA, Rute. “Memórias de um átomo”: nanotecnologia, percepção do risco e regulação. In: GOMES, Carla Amado. (Org.) Direito(s) dos riscos tecnológicos. Lisboa: Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa, 2014. p. 485-534.

SCHULTE P.A., SALAMANCA-BUENTELLO F. Ethical and scientific issues of nanotechnology in the workplace. Cien Saude Colet, 2007, n. 12, v.5, p.1319-1332.

SCHWARTZ, Germano. O tratamento jurídico do risco no direito à saúde. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2004.

SOUSA BATISTA, Ariane de Jesus; EDAIS PEPE, Vera Lúcia. Os desafios da nanotecnologia para a vigilância sanitária de medicamentos. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 7, p. 2105-2114, Rio de Janeiro, 2014.

SWARBRICK, J. Encyclopedia of Pharmaceutical Technology. New York: Informa Healthcare, 2007.

UNESCO. Organisation des Nations Unies pour l’éducation, la science et la culture. Éthique et Politique des Nanotechnologies. Paris, 2007. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001459/145951f.pdf . Acesso em 23 ago. 2015.

VIAL, S. R. M. O Sistema da Saúde e o Sistema da Educação: uma reflexão sobre as expectativas e a constante necessidade de reforma. In: Lenio Luiz Streck; Leonel Severo Rocha; Wilson Engelmann. (Org.). Constituição, sistemas sociais e hermenêutica. Anuário do Programa de Pós-Graduação em Direito da Unisinos. 10 ed. São Leopoldo: Livraria do Advogado, 2013, p. 221-241.

VON HOHENDORFF R, ENGELMANN W, OSHIROV M. As nanotecnologias no meio ambiente do trabalho: a precaução para equacionar os riscos do trabalhador. Cadernos Ibero-Americanos de Direito Sanitário, 2013, v. 2, n. 2, p.668-683.

VON HOHENDORFF, Raquel; ENGELMANN, Wilson. Nanotecnologias aplicadas aos agroquímicos no Brasil. A gestão dos riscos a partir do diálogo entre as fontes do direito. Curitiba: Juruá Editora, 2014.




DOI: https://doi.org/10.5902/1981369419689

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

REVISTA ELETRÔNICA DO CURSO DE DIREITO DA UFSM - Qualis A1

RECDUFSM  /  ISSN 1981-3694   /  Digital Object Identifier (DOI): 10.5902/19813694  http://periodicos.ufsm.br/revistadireito

Revista Qualis A1 área de Direito /  Classificações de Periódicos Quadriênio 2013-2016 (CAPES)