O que escrevem os monstros & outras considerações de uma professora em formação

Eduarda Ritzel, Cristiano Bedin da Costa

Resumo


Este trabalho tem o objetivo de analisar o sujeito na educação contemporânea a partir das observações e experiências docentes realizadas nos estágios obrigatórios I e II de licenciatura em Ciências Sociais. Através de uma didática artista e a partir do conceito de monstros, além da escrita, questiona-se o que é o ser humano, partindo do pressuposto de que o sujeito é uma construção social. Cria-se, portanto, uma heterotopia: um pequeno vilarejo de monstros da educação, produzidos por alunos e alunas de ensino superior, estudantes de Ensino Médio e estudantes de Ensino Fundamental, que pretende criar rachaduras nas identidades fixas e, com isso, imaginam-se outros espaços, nos quais identidades outras movimentam-se.


Palavras-chave


monstros; escrita; sujeito; educação

Texto completo:

PDF

Referências


HALL, S. Quem precisa da identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: A perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2014. cap. 3, p. 103-133.

CANDAU, V. M. Ensinar-aprender: desafios atuais da profissão docente. In: Revista COCAR, Belém, Edição Especial N.2, p. 298 a 318– Ago./Dez. 2016

CORAZZA, S, M.; COSTA, C. B. Didática da Tradução: O professor-artista e as transcriações do currículo. In: CORAZZA, S. M. (Org.). Docência pesquisa da diferença: poética de arquivo-mar. Porto Alegre: Doisa; UFRGS, 2017.

COHEN, J. J. A cultura dos monstros: sete teses. In: SILVA, T. T.. Pedagogia dos monstros: Os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. cap. 2, p. 23-60.

SILVA, T. T. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, T. T. (Org.). Identidade e diferença: A perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2014. cap. 2, p. 73-102.

BARTHES, R. Como viver junto. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

CORSO, D. L.; CORSO, M. A Psicanálise na terra do nunca – ensaios sobre a fantasia. Porto Alegre: Artmed, 2016.

LAPLANCHE, J; PONTALIS, J. B. Vocabulário da Psicanálise/Laplanche e Pontalis: sob a direção de Daniel Lagache. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

GIL, J. Metafenomenologia da monstruosidade: o devir-monstro. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. Pedagogia dos monstros: Os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. cap. 7, p. 165-184.

SILVA, T. T. Documentos de Identidade: Uma introdução às teorias de currículo. 3 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

WOODWARD, K. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, T. T. (Org.). Identidade e diferença: A perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2014. cap. 1, p. 7-71

HENZ, Alexandre de Oliveira. Formação de professores. In: AQUINO, J. G.; CORAZZA, S. M. (Orgs.). Campinas: Papirus, 2009.

FOUCAULT, M. O Corpo Utópico / As Heterotopias. São Paulo: n-1 Edições, 2013.

BARTHES, R. O grau zero da escrita. São Paulo: Martins Fontes, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1983734837910

 
 
 
DOI: Digital Object Identifier 10.5902/19837348

Qualis B1

Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

Acessos a partir de 17/09/2015