As imagens como objetos de autorrepresentação na educação em artes

Mariete Taschetto Uberti

Resumo


O presente artigo aborda sobre a formação docente, tendo como mote para esta escrita uma experiência desenvolvida em uma escola da Rede Pública de Santa Maria. Por meio de uma reflexão sobre a potência das imagens/obras nas aulas de artes e na formação docente que propõe conversações sobre o que nós e eles veem e como projetar relações entre as imagens e o cotidiano dos estudantes, intentamos oportunizar espaços dialógicos sobre os imaginários que são produzidos/criados com as imagens, ao mesmo tempo em que direcionam e constroem modos de ver e ser vistos, a partir da proposição e criação de autorrepresentações. Respaldando-se pela perspectiva de Estudos da Cultura Visual (HERNÁNDEZ, 1998, 2007 e 2013) e a potência edu(vo)cativa (DALLA VALLE, 2015 e 2018). A partir dessas propostas, esta experiência possibilitou resignificar, nossas práticas e organizar espaços de propostas educativas em arte e visualidade que favorecessem o protagonismo dos estudantes.


Palavras-chave


Imagens/obras; Educação; Cultura Visual; Autorrepresentação

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Z. Vida Liquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

HALL, S. (Org.). Representation: Cultural representations and signifying practices. Thousands oaks, CA: Sage Publications, 1997.

HERNÁNDEZ, F. Pesquisar com imagens, pesquisar sobre imagens: revelar aquilo que permanece invisível nas pedagogias da Cultura Visual. In. MARTINS, R. TOURINHO, I. (Org.). Processos e práticas de pesquisa em Cultura Visual e educação. v. 4, p. 77-96. Santa Maria: Ed. da UFSM, 2013.

______. Catadores da Cultura Visual: transformando fragmentos em nova cultura narrativa educacional. Porto Alegre: Mediação, 2007.

______. Transgressão e mudança na educação os projetos de trabalho. Porto Alegre: Editora Artes Médicas Sul, 1998.

RANCIÈRE, J. As imagens querem realmente viver? In: ALLOA, Emanuel(org.). Pensar a imagem. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017, p. 191-204.

MARTINS, R. Porque e como falamos de cultura visual. Revista Visualidades, Goiânia, v.4, n. 1 e 2, p.64-79, 2006.

OLIVERIA, R. A. Outras leituras e visualidades na formação docente em artes. Revista Visualidades, Goiânia, v.11, n. 2, p.113-135, dez., 2013.

VALLE, L. D. A potência Edu(vo)cativa das imagens fílmicas na (com)formação de gênero: experiências de aprendizagens a partir do cinema. In: LISBOA FILHO, F. F.; SILVA, T. J. (orgs.). Cultura e identidade: subjetividade e minorias sociais. Santa Maria: FOCUS – UFSM, 2018. 1 e-book.

_____. “Quem aprendi a ser a partir dos filmes que vi” explorando o potencial narrativo/evocativo/pedagógico do cinema no contexto educativo. . In: MARTINS, Raimundo; TOURINHO, Irene. (Org.). Educação da cultura visual: aprender... pesquisar... ensinar... (v.6) p. 211-237. Santa Maria: Ed. da UFSM, 2015.

_____. Aprendendo a ser docente através de filmes: possíveis trânsitos entre cinema e educação. In: MARTINS, Raimundo; TOURINHO, Irene. (Org.). Pedagogias Culturais. (v. 5) p. 141‐164. Santa Maria: Ed. da UFSM, 2014.




DOI: https://doi.org/10.5902/1983734837899

 
 
 
DOI: Digital Object Identifier 10.5902/19837348

Qualis B1

Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 (CC BY 4.0).

Acessos a partir de 17/09/2015

CopySpider - Software Anti-plagio