Recriações de papéis sociais sobre família no brincar de crianças pequenas

Rafaely Karolynne do Nascimento Campos, Tacyana Karla Gomes Ramos

Resumo


O presente estudo pretende analisar a rotina de brincadeiras de papéis sociais sobre relações familiares que as crianças empreendem em suas interações com parceiros de idade no contexto da Educação Infantil. Participaram da pesquisa 25 crianças, com trinta e seis meses de idade, integrantes de uma instituição municipal de Educação Infantil. Os dados foram produzidos por meio da perspectiva etnográfica, através de observações, filmagens e registros em notas de campos dos momentos de brincadeiras de livre escolha das crianças no parquinho, na brinquedoteca e durante atividades não direcionadas pelo adulto, dentro da sala de referência do grupo. Do conjunto de 102 cenas interativas analisadas, no intuito de fornecer suportes empíricos à discussão, foi escolhido o episódio “Dois pais” para dar visibilidade aos achados e por apresentar aspectos considerados relevantes para o alcance do objetivo central elencado para o presente trabalho. Os resultados do estudo comprovam que, em situações de brincadeiras com pares de idade, as crianças constroem, negociam e compartilham significados, indicando compreensões de relações e de papéis sociais desempenhados no contexto familiar, sinalizando fragmentos perceptivos/interpretativos a respeito desse contexto social.

Palavras-chave


Brincadeira; Culturas da Infância; Família.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ALDERSON, Priscilla. As crianças como pesquisadoras: os efeitos dos direitos de participação sobre a metodologia de pesquisa”. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 91, p. 419-442, Maio/ago. 2005. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 14 fev. de 2016.

BORBA, Angela Meyer. Culturas da infância nos espaços-tempos do brincar. 2005. 296f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2005.

BROUGÈRE, Gilles. A crianças e a cultura lúdica. In: KISHIMOTO, Tizuko Morchida (org.). O brincar e suas teorias. São Paulo: Cengage Learning, 2015. p. 19-32.

BROUGÈRE, Gilles. Brinquedo e cultura. 8.ed. São Paulo: Cortez, 2010. (Coleção questões da nossa época; v.20).

COHN, Clarice. Antropologia da criança. Rio de Janeiro: Ed. Jorge Zahar, 2005.

CORSARO, William A. Reprodução interpretativa e cultura de pares. In: MÜLLER, Fernanda; CARVALHO, Ana Maria Almeida (orgs.). Teoria e prática na pesquisa com crianças: diálogos com William Corsaro. São Paulo: Cortez, 2009a. p. 31-50.

CORSARO, William. Métodos Etnográficos no estudo da cultura de pares e das transições iniciais na vida das crianças. In: MÜLLER, Fernanda;

CARVALHO, Ana Maria Almeida (Orgs.). Teoria e prática na pesquisa com crianças: diálogos com William Corsaro. São Paulo: Cortez, 2009b. p. 83-103.

CORSARO, William. Sociologia da Infância. Porto Alegre: Artmed, 2011.

FERREIRA, Manuela. Do “avesso” do brincar ou... as relações entre pares, as rotinas da cultura infantil e a construção da(s) ordem(ens) social (ais) instituinte(s) das crianças no jardim-de-infância. In: SARMENTO, Manuel Jacinto; CERISARA, Ana Beatriz (Orgs.). Crianças e miúdos. Perspectivas sócio-pedagógicas da infância e educação. Porto: Asa, 2004.

GRAUE, Elisabeth; WALSH, Daniel. Investigação etnográfica com crianças: teorias, métodos e ética. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003.

HADDAD, Lenira; MAYNART, Renta da Costa. A compreensão de relações familiares pelas crianças em situação de brincadeira em contexto de educação infantil. Revista Zero-a-seis. Florianópolis, v. 19, n. 35, p. 69 – 81, jan-jun. 2017. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/zeroseis. Acesso em: 11 de jan. 2017.

KRAMER, S. Autoria e autorização: questões éticas na pesquisa com crianças. Cadernos de Pesquisa, n.116, p.41-59, julho/2002.

LIRA, Pedro Paulo Bezerra de. Processos de significação sobre famílias acolhidas institucionalmente.165f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) -- Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2012. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8738. Acesso em: 10 de Jan. 2017.

LIRA, Pedro Paulo Bezerra de; PEDROSA, Maria Isabel. Processos de Significação sobre Família em Brincadeiras de Crianças em Acolhimento Institucional. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Brasília, v. 32 n. 3, p. 1-9, jul-set. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ptp/v32n3/1806-3446-ptp-32-03-e323214.pdf. Acesso em: 29 de jan. 2018.

LUCENA, Juliana M. Ferreira; PEDROSA, Maria Isabel. Estabilidade e transformação na construção de rotinas compartilhadas no grupo de brinquedo. Psychology/Psicologia Reflexão e Crítica, Porto Alegre, 27(3), p. 556-563. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/prc/v27n3/0102-7972-prc-27-03-00556.pdf. Acesso em: 29 de jan. 2018.

OLIVEIRA, Zilma M. Ramos. Jogo de papéis: Um olhar para as brincadeiras infantis. São Paulo: Cortez, 2011.

PAULA, Elaine de. Deu, já brincamos demais!. As vozes das crianças diante da lógica dos adultos na creche: transgressão ou disciplina?. Dissertação (Mestrado em Educação), 168f, Universidade Federal de Santa Catarina, 2007.

PEDROSA, Maria Isabel. CARVALHO, Ana Maria Almeida. Análise qualitativa de episódios de interação: uma reflexão sobre procedimentos e formas de uso. Revista Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegra, 18(3), p.431-442. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/prc/v18n3/a18v18n3.pdf. Acesso em: 10 de Jan. 2016.

PEDROSA, Maria Isabel. SANTOS, Maria de Fátima. Aprofundando reprodução interpretativa e cultura de pares em diálogos com Corsaro. In: Teoria e prática na pesquisa com crianças: diálogos com William Corsaro. MULLER, Fernanda. CARVALHO, Ana Maria Almeida (Orgs.). São Paulo: Cortez, 2009, p.51-58.

PEREIRA, Melina C.; LIRA, Pedro Paulo Bezerra; PEDROSA, Maria Isabel. Observando brincadeiras e conversando com crianças sobre família. In:

MOREIRA, Lúcia Vaz de Campos; RABINOVICH, Elaine Pedreira. (Orgs.). Família e parentalidade: olhares da psicologia e da história. Curitiba: Juruá, 2011, p. 41-62.

ROCHA, Sergio Lizias Costa de Oliveira. As multiplicidades de discurso de gênero, através das práticas lúdicas, no contexto da educação infantil. In:

COSTA, Maria de Fátima Vasconcelos da; COLAÇO, Veriana de Fátima Rodrigues; COSTA, Nelson Barros da.(Orgs.). Modos de brincar, lembrar e dizer: discursividade e subjetivação. Fortaleza: Edições UFC, 2007.

SANTOS, Carina Pessoa. Ontogênese das representações sociais de família em crianças de quatro a seis anos. 224f. Tese (Doutorado em Psicologia) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/bitstream/123456789/14964/1/2015_Tese_Carina.pdf. Acesso em: 25 de Jan. 2017.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Imaginário e culturas da infância, 2003. Disponível na Internet: http:www.iec.minho.pt/cedic/textos de trabalho. Acesso em: 30 de maio. 2016.

SPINK, Mary J.P. A ética na pesquisa social: da perspectiva prescritiva à interanimação dialógica. EDIPCS. Revista semestral da Faculdade de Psicologia PUC-RS, Porto Alegre, v. 31, n. 1, p. 7-22, Jan/Jul, 2000. Acesso em: 24 jan. de 2016.

WAJSKOP, Gisela. O brincar na Educação Infantil: uma história que se repete. 9.ed. São Paulo: Cortez, 2010.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984644434956

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc - Prédio 16
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao


ISSN Eletrônico: 1984-6444

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19846444

Qualis/Capes: Educação A1

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação (UFSM) agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International (CC BY 4.0).

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________

    

SalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar