Construção das Políticas de Educação de Jovens e Adultos em Pernambuco: qual a racionalidade?

Ana Claudia Dantas Cavalcanti

Resumo


Este texto objetiva analisar em que medida a participação cidadã no campo da racionalidade dialógica, permeou a construção coletiva das políticas públicas de educação de jovens e adultos, no período 2012-2015 em Pernambuco. Adota referencial teórico que considera o cidadão no campo da racionalidade dialógica. A pesquisa utiliza a metodologia qualitativa e apresenta como fonte de coleta de dados, entrevistas semiestruturada envolvendo profissionais da educação. A apreciação dos dados utiliza-se da análise de conteúdo de Bardin (1977). Os resultados indicam que as políticas públicas de educação de jovens e de adultos, se orientam por uma lógica gerencialista, o que enfraquece as possibilidades de diálogo e da participação (Habermas, 2012). A despeito do enfraquecimento da participação, os sujeitos deste campo, por vezes, usam a autonomia na tentativa de reverter a lógica dominante.  


Palavras-chave


Educação de Jovens e Adultos; Participação Cidadã; Estado Gerencial.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Natália et al. Pensar a Educação. Aprender sempre. Educação da população adulta para a cidadania participativa e responsável. Lisboa, 2014. Disponível em: http://fundacao-betania.org/ges/Educacao2015/PENSAR_A_EDUCACAO_EDUCACAO_DE_%20ADULTOS.pdf. Acesso em: 01.08.2017.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRASIL. Ministério da Educação. Planejando a Próxima Década. Conhecendo as 20 metas do Plano Nacional de Educação. Brasília, DF, 2014. 62p.

BRASIL. Ministério da Educação. INEP. Censo Escolar de Educação Básica. Notas Estatísticas. Brasília, 2017. 20p.

BRASIL. Lei nº 13.632 de 06 de março de 2018. Altera a Lei 9.394/96 para dispor sobre educação e aprendizagem ao longo da vida. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2018/lei-13632-6-marco-2018-786231-publicacaooriginal-154957-pl.html Acesso em: 20.03.2018.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Censo 2010. Características da população e dos domicílios. Rio de Janeiro, RJ, 2011. 270p.

CAVACO, Cármen. Adultos Pouco Escolarizados. Diversidade e Interdependência de lógica na formação. 2008. 652f. Tese (Doutoramento em Ciências da Educação – Formação de Adultos). Universidade de Lisboa: Portugal, 2008.

CAVACO, Cármen. Adultos pouco escolarizados. Políticas e práticas de formação. Lisboa: EDUCA/UI&DCE, 2009.

AUTOR , 2015.

AUTOR, 2017.

DALE, Roger. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “cultura educacional mundial comum” ou localizando uma “agenda globalmente estruturada para a educação”? Educação e Sociedade, Volume 25, 87, 423-460. 2004. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 08.10.2017.

ENCONTRO NACIONAL DE JOVENS E ADULTOS. ENEJA II, 2000. Disponível em:http://forumeja.org.br/sites/forumeja.org.br/files/doc_eneja_campina_grande_2000.pdf. Acesso em: 31.07.2017.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25. ª edição. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 42.ª edição. São Paulo, Paz e Terra, 2005.

FREITAS, Luiz Carlos de. Políticas de responsabilização: entre a falta de evidência e a ética. Cadernos de Pesquisa. V. 43 n. 148, p 348 – 365 jan/abril, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/v43n148/18.pdf. Acesso em: 01.08.2017.

FREITAS, Luiz Carlos de. Os Reformadores Empresariais da Educação: da Desmoralização do Magistério à Destruição do Sistema Público de Educação. Educ. Soc., Campinas, v. 33, n. 119, p. 379-404, abr.-jun. 2012. Disponível em: http://www.cdn.ueg.br/arquivos/desenvolvimento_curricular_134/conteudoN/2673/Texto_-_REF0RMAD0RES_EMPRESARIAIS_E_EDUCACA0.pdf. Acesso em: 01.08.2017.

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira; DI PIERRO, Maria Clara. Preconceito Conta o Analfabeto. São Paulo: Cortez, 2007.

HABERMAS, Jürgen. Teoria do Agir Comunicativo. Racionalidade da ação e racionalização social. Vol. 1. Traduzido por Paulo Astor Soethe. Sobre a crítica da razão funcionalista. Vol II. Traduzido por Flávio B. Siebeneichler. São Paulo: WMF Matins Fontes, 2012.

HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia: entre facticidade e validade. v. I. Tradução de Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2012a.

HABERMAS, Jürgen. A Ética da Discussão e a Questão da Verdade. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

NAZARIO, Maria Ana; SANTOS, Ana Lúcia Félix. Política para Educação de Jovens e Adultos: Municipalização e Regime de colaboração. In: XXVI SIMPOSIO BRASILEIRO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR, 2013, RECIFE-PE. Cadernos ANPAE, 2013. v. 17. p. 1-13.

NÓVOA, António. O Espaço Público da Educação: Imagens, Narrativas e Dilemas. IN: NÓVOA. A. et al. Espaços de Educação, tempos de formação (pp. 237-263). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2002.

NÓVOA, António e RODRIGUES, Cristina. “Prefácio”. In Canário, R. e Cabrito, B. (Orgs). Educação e Formação de Adultos. Mutações e convergências (pp.7-14). Lisboa: Educa, 2005.

OCDE - “Brazil”, In: Education at a Glance 2015: OECD Indicators, OECD Publishing All rights reserved, 2015. Disponível em: https://www.oecd.org/brazil/Education-at-a-glance-2015-Brazil-in-Portuguese.pdf. Acesso em 30.07.2017.

OCDE. Brazil Policy Brief, 2015a. Disponível em: https://www.oecd.org/policy-briefs/brasil-capacitacao-e-educacao-para-o-crescimento.pdf. Acesso em: 30.07.2017.

OCDE. Relatórios Econômicos da OCDE Brasil, 2015b. Disponível em: http://www.oecd.org/eco/surveys/Brasil-2015-resumo.pdf. Acesso em: 30.07.2017.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. As políticas educacionais no governo Lula: rupturas e permanências. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação (RBPAE), Porto Alegre, v. 25, n. 2, p. 197-209, mai./ago. 2009.

OLIVEIRA, Maria Ângela Alves. A materialização da integração entre a qualificação profissional e a formação geral no âmbito do ProJovem em Recife-PE. 2009. 195 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

PERNAMBUCO. Secretaria Executiva de Desenvolvimento da Educação. Diretrizes Operacionais para a oferta de Educação de Jovens e Adultos. 2016. Recife, PE, 2016. 91p.

SANTOS, Boaventura Sousa. Renovar a Teoria Crítica e Reinventar a Emancipação Social. São Paulo: Boitempo Editorial, 2007.

SOUZA, Donaldo Bello de; FARIA, Lia Ciomar Macedo de. Políticas de financiamento da educação municipal no Brasil (1996-2002): das disposições legais equalizadoras às práticas político-institucionais excludentes. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, Rio de Janeiro, v. 12, n. 42, p. 564-582, jan./mar. 2004.

SOUZA, João Francisco de. Educação Popular e Movimentos Sociais no Brasil. In: CANÁRIO, Rui et al (org). Educação Popular e Movimentos Sociais. Lisboa, Educa, 2007.

UNESCO – United Nations Educational, Scientific and Cultural Organisation. Conferência Mundial da Educação para Todos. Declaração mundial sobre educação para todos. Satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien, 1990. Disponível em: < http://unesdoc.unesco.org/images/0008/000862/086291por.pdf > Acesso em: 30/07/2017.

UNESCO. Declaração de Nova Delhi sobre Educação para Todos, 1993. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001393/139393por.pdf. Acesso em: 30.07.2017.

UNESCO. Educação Para Todos. Declaração de Cochabamba, 2001. Disponível em:

http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001275/127510por.pdf. Acesso em: 30.07.2017.

UNESCO. O que é? O que faz? 2007. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001473/147330por.pdf. Acesso em 30.07.2017.

UNESCO. Recomendações Sobre Aprendizagem e Educação de Adultos, 2015. Disponível em: http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/about-this-office/single-view/news/recommendation_on_adult_learning_and_education_2015_in_port/. Acesso: 01.08.2017.

UNESCO. Marco de Ação de Belém. Aproveitando o poder e o potencial da aprendizagem e educação de adultos para um futuro viável. Resumo Executivo. Brasília, agosto, 2010. Disponível em: http://www.ceeja.ufscar.br/resumo-executivo. Acesso em: 10.03.2018.

UNESCO. 3º Relatório Geral sobre Aprendizagem e Educação de Adultos. Brasília, UNESCO, 2016. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0024/002470/247056por.pdf. Acesso em: 10.03.2018.

UNIÃO EUROPEIA. A Educação para a Cidadania na Europa, 2012. Disponível em: http://eacea.ec.europa.eu/education/eurydice/documents/thematic_reports/139PT.pdf. Acesso em: 30.07.2017.

UNIÃO EUROPEIA. Educação e Formação na Europa: Sistemas diferentes: objectivos comuns para 2010. Comissão Europeia. Direcção-Geral da Educação e da Cultura. Luxemburgo: Serviço das Publicações Oficiais das Comunidades Europeias, 2002.

WOOD, Ellen Meiksins. O império do capital. São Paulo: Boitempo, 2014.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984644431856

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc - Prédio 16
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao


ISSN Eletrônico: 1984-6444

DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19846444

Qualis/Capes: Educação A1

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação (UFSM) agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International (CC BY 4.0).

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________

    

SalvarSalvarSalvarSalvarSalvarSalvar