Acessibilidade geográfica e organizacional: obstáculos entre usários com tuberculose e os serviços de saúde.

Rosana Huppes Engel, Teresinha Heck Weiller, Elaine Miguel Delvivo Farão, Iarema Fabieli Oliveira de Barros, Juliana Bordignon, Emanuelli Mancio Ferreira da Luz

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/217976928494

Objetivo: identificar a acessibilidade geográfica e organizacional de um serviço de referência para o tratamento de tuberculose de um município do interior do Rio Grande do Sul. Método: estudo quantitativo, descritivo, realizado com usuários com tuberculose tratados no período de 1999 a 2008. Os endereços foram localizados a partir das delimitações geográficas e territoriais propostas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Resultados: a pesquisa aponta que 80% da amostra residem distante da unidade básica, mais de 72% destes moram em ruas com obstáculos. Verificou-se que o acesso aos serviços de saúde ocorre mediante a conformação de filas para a distribuição de fichas de atendimento, revelando fragilidades organizacionais. Conclusão: a acessibilidade necessita compor a agenda dos gestores e trabalhadores de saúde para a efetivação da integralidade da atenção no Sistema Único de Saúde.


Palavras-chave


Tuberculose; Acesso aos serviços de saúde; Atenção primária à saúde; Assistência integral à saúde

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5902/217976928494



Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.