Acessibilidade organizacional: barreiras na continuidade do cuidado na Atenção Primária à Saúde

Maria Denise Schimith, Maria de Lourdes Denardin Budó, Teresinha Heck Weiller, Lisie Alende Prestes, Laís Antunes Wilhelm, Gabriela Fávero Alberti

Resumo


Objetivo: analisar a acessibilidade organizacional de uma Unidade de Saúde da Família. Método: pesquisa qualitativa na modalidade de estudo de caso, realizada em uma Unidade de Saúde da Família de um município do Rio Grande do Sul, no período de fevereiro a julho de 2012. Resultados: a equipe não se responsabiliza pela recepção dos usuários, interferindo na acessibilidade; as falhas de comunicação entre equipe e usuários, com ausência de acolhimento, prejudicam a resolutividade das necessidades dos usuários; identificou-se que o absenteísmo está relacionado à falta de escuta e singularização; os trabalhadores não se comprometem com a condução de casos. Contudo, linhas de cuidado estão em construção. Conclusões: é necessário qualificar a recepção e a oferta de serviços, fortalecer a organização interna da Unidade e investir na comunicação entre equipe e usuários e com outros pontos de atenção, estabelecendo fluxos assistenciais e redes articuladas.

Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde

Referências


Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília (DF): UNESCO, Ministério da Saúde; 2002.

Brazil. Ministry of Health. Portaria n. 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília; 2010 dez 30. Seção 1, p. 89.

Bousquat A, Giovanella L, Campos EMS, Almeida PF, Martins CL, Mota PHS et al. Atenção primária à saúde e coordenação do cuidado nas regiões de saúde: perspectiva de gestores e usuários. Ciênc Saúde Colet [Internet]. 2017 [acesso em 2018 dez 18];22(4):1141-54. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v22n4/1413-8123-csc-22-04-1141.pdf doi: 10.1590/1413-81232017224.28632016

Figueira MCS, Silva WP, Silva EM. Integrative literature review: access to primary healthcare services. Rev Bras Enferm [Internet]. 2018 [acesso em 2018, dez 18];71(3):1178-88. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v71n3/0034-7167-reben-71-03-1178.pdf doi: 10.1590/0034-7167-2017-0441

França VH, Modena CM, Confalonieri UEC. Visão multiprofissional sobre as principais barreiras na cobertura e no acesso universal à saúde em territórios de extrema pobreza:

contribuições da enfermagem. Rev Latinoam Enferm [Internet]. 2016 [acesso em 2018 dez 11];24:e2795. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v24/pt_0104-1169-rlae-24-02795.pdf doi:10.1590/1518-8345.1042.2688

Moraes VD, Campos CEA, Brandão AL. Estudo sobre dimensões da avaliação da Estratégia Saúde da Família pela perspectiva do usuário. Physis (Rio J) [Internet]. 2014 [acesso em 2018 dez 11];24(1):127-46. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/physis/v24n1/0103-7331-physis-24-01-00127.pdf doi: 10.1590/S0103-73312014000100008

Yin RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4ª ed. Porto Alegre: Bookman; 2010.

Polit DF, Beck CT. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática da enfermagem. 9ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2018.

Tonin L, Lacerda MR, Favero L, Nascimento JD, Zagonel IPS. Diário de campo na pesquisa qualitativa de enfermagem. In: Lacerda MR, Ribeiro RP, Costenaro RGS, organizadores. Metodologia da pesquisa para a enfermagem e saúde: da teoria à prática. v. 2. Porto Alegre: Moriá; 2018. p. 373-98.

Fekete MC. Estudo da acessibilidade na avaliação dos serviços de saúde. In: Santana JP, Santos I, Fekete MC, Galvão EA, Mandelli MJ, Penna MLF, et al., organizadores. Desenvolvimento gerencial de Unidades Básicas do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília (DF): Organização Pan-Americana da Saúde; 1997. p. 177-84.

Organización Mundial de la Salud (OMS). Más sano, más justo, más seguro: la travesía de la salud mundial 2007–2017. Ginebra: Organización Mundial de la Salud; 2017.

Albuquerque MSV, Lyra TM, Farias SF, Mendes MFM, Martelli PJL. Acessibilidade aos serviços de saúde: uma análise a partir da Atenção Básica em Pernambuco. Saúde Debate [Internet]. 2014 [acesso em 2015 nov 12];38(esp):182-94. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v38nspe/0103-1104-sdeb-38-spe-0182.pdf doi: 10.5935/0103-1104.2014S014

Lima-Costa MF, Turci MA, Macinko J. Estratégia Saúde da Família em comparação a outras fontes de atenção: indicadores de uso e qualidade dos serviços de saúde em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública [Internet]. 2013 [acesso em 2015 nov 21];29(7):1370-80. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v29n7/11.pdf doi: 10.1590/S0102-311X2013000700011

Brazil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. A Atenção Primária e as Redes de Atenção à Saúde/Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília (DF): CONASS; 2015. 127 p.

Santos BS. Para um novo senso comum: a ciência, o direito e a política na transição paradigmática. 7ª ed. São Paulo: Cortez; 2009.

Overbeck G, Davidsen AS, Kousgaard MB. Enablers and barriers to implementing collaborative care for anxiety and depression: a systematic qualitative review. Implement Sci [Internet]. 2016 [acesso em 2018 dez 11];11:165. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5192575/pdf/13012_2016_Article_519.pdf doi: 10.1186/s13012-016-0519-y

Barbosa MIS, Bosi MLM. Vínculo: um conceito problemático no campo da Saúde Coletiva. Physis (Rio J) [Internet]. 2017 [acesso em 2018 dez 18];27(4):1003-22. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/physis/v27n4/0103-7331-physis-27-04-01003.pdf doi: 10.1590/s0103-73312017000400008

Brazil. Ministry of Health. Departamento de Atenção Básica. Acolhimento à demanda espontânea. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013.

Ribeiro JP, Mamed SN, Souza MR, Souza MM, Rosso CFW. Acessibilidade aos serviços de saúde na Atenção Básica do Estado de Goiás. Rev Eletrônica Enferm [Internet]. 2015 [acesso em 2016 set 04];17(3):1-11. Disponível em: https://www.fen.ufg.br/revista/v17/n3/pdf/v17n3a04.pdf doi:10.5216/ree.v17i3.29436

Santos BS. Para um novo senso comum: a ciência, o direito e a política na transição paradigmática. 7ª ed. São Paulo: Cortez; 2009.




DOI: https://doi.org/10.5902/2179769228053

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este site está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.