Atividade antibacteriana de Brassica oleracea var. Capitata em modelos experimentais in vitro

Thaís Viana Fialho Martins, Patrícia Saraiva Vilas Boas de Almeida, Leandro Licursi de Oliveira, Marilane de Oliveira Fani Amaro, Valéria Dal Prá, Marcio Mazutti, Marcelo Barcellos da Rosa, Camilo Amaro de Carvalho

Resumo


A capacidade dos microrganismos, em especial, das bactérias se tornarem resistentes, tem sido amplamente abordada em diversas publicações, e as plantas são uma das fontes para busca de novos medicamentos, que a cada dia vem se tornando mais necessário. Este trabalho, teve por objetivo avaliar diversas formas de preparação de extratos de Brassica oleracea var. capitata e testá-las frentes a cepa de Staphylococcus aureus utilizando ensaio em meio sólido por difusão em ágar, e em meio líquido em placa de ELISA. Os testes revelaram que extratos obtidos por decocção e extração em solvente hidroalcoólico ácido possuem maior apelo para a busca de novos fármacos com atividade frente a S. aureus, sendo que deste último as frações obtidas por partição líquido-líquido referentes aos solventes acetato de etila, diclorometano e a fração hidroalcoólica remanescente apresentaram mais eficientes. Já para o meio sólido, verificou-se uma ausência de atividade antibacteriana do extrato hidroalcóolico. Entretanto, uma considerável atividade antibacteriana foi evidenciada nos mesmos extratos quando analisados em meio líquido. Os extratos com concentrações etanólica de 50 e 70% revelaram melhores resultados quando avaliados por 8h de incubação. Resultados diferentes foram observados quando o período foi dobrado, onde as concentrações mais expressivas passaram a ser as de 70 e 80%. Os resultados demonstram que a espécie é uma potencial fonte de agentes antibacterianos. Entretanto, a escolha do solvente, o método de extração e o meio de crescimento bacteriano devem ser considerados. Os dados aqui evidenciados motiva posteriores estudos para o isolamento e identificação dos princípios ativos responsáveis pela atividade antibacteriana que podem ser usadas na indústria farmacêutica, visto o grande número de resistência às drogas antibacterianas já existentes.


Palavras-chave


Agentes Antibacterianos; Plantas medicinais; Medicina tradicional; Fitoterapia; Brassica

Texto completo:

PDF

Referências


Klein T, Longhini R, Bruschi ML et al. Fitoterápicos: um mercado promissor. Revista Ciência Farmacêutica Básica Aplicada, 2009, 30(3):241-248.

Barreto F, Sousa E, Campos A et al. Antibacterial Activity of Lantana camara Linn and Lantana montevidensis Brig Extracts from Cariri-Ceará, Brazil. Journal of Young Pharmacists, 2010, 2(1):42-44.

Höfling JF, Anibal PC, Obando-Pereda GA et al. Antimicrobial potential of some plant extracts against Candida species. Brazilian Journal of Biology, 2010, 70(4):1065-1068.

Ponzi EAC, Oliveira TL, Morais IAF et al. Antimicrobial activity of the Momordica charantia L. extract. Revista de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-facial, 2010, 10(1):89-94.

Lorenzi H, Matos FJ De A. Plantas medicinais no Brasil/Nativas e exóticas. 1.ed. Nova Odessa, Instituto Plantarum, 2002:512.

Jain P, Bansal D, Bhasin P. Antibacterial activity of aqueous plant extracts against Escherichia coli and Bacillus subtilis. Drug Invention Today, 2010, 2(4):220-222.

Costa JGM, Rodrigues FFG, Angélico EC et al. Estudo químico-biológico dos óleos essenciais de Hyptis martiusii, Lippia sidoides e Syzigium aromaticum frente a larvas do Aedes aegypti. Revista Brasileira de Farmacognosia, 2005, 15(4):304-309.

Oliveira TG, Carvalho CA, Dal’piva GG et al. Chromatographic and spectrophotometric profiles of different phenologic stages of Brassica oleracea var. capitata. Revista Eletrônica de Farmácia, 2007, 4(2):142-152.

Monsalve C, Cano A. La Família Brassicaceae em la província de Huaylas, Áncash. Revista Peruana de Biologia, 2003, 10(1):20-32.

Fracaro F, Sartori M, Bizzani E et al. Agronomic Behavior of Cabbage Cultivars and Hybrids in the Northeast Region of Rio Grande do Sul, Brasil. Revista de Ciência Rural, 1999, 29(3):465-468.

Filgueira FAR. Novo Manual de Olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. 3.ed. Viçosa, UFV, 2000:421.

Carvalho CA, Silva MB, Oliveira TG et al. Estudo espectrométrico de diferentes estágios fenológicos da Brassica oleracea var. capitata. Revista Brasileira de Farmacognosia, 2008, 18(2):249-257.

Sarandy MM. Avaliação do efeito cicatrizante do extrato de repolho (Brassica oleraceae var. capitata) em ratos Winstar. 2007. 57p. Dissertação para o Programa de Pós Graduação em Biologia Celular e Estrutural, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

Cheney G. Vitamin U therapy of pepticulcer. California Medicine, 1952, 77(4):248–252.

Ranocha P, Mcneil SD, Ziemak MJ et al. The S-methylmethionine cycle in angiosperms: ubiquity, antiquity and activity. The Plant Journal, 2001, 25(5):575–584.

Augspurger NR, Scherer CS, Garrow TA et al. Dietary S-Methyl methionine, a component of foods, has choline-sparing activity in chickens. Journal of Nutrition, 2005, 135, 1712–1717.

Carvalho CA, Fernandes KM, Matta SLP et al. Evaluation of antiulcerogenic activity of aqueous extract of Brassica oleracea var. capitata (cabbage) on Wistar rat gastric ulceration. Experimental Gastroenterology, 2011, 48(4), p. 276-288.

Simões CMO, Schenkel EP, Gosmann G et al. Farmacognosia: da planta ao medicamento. 5.ed. Porto Alegre/Florianópolis, Editora da UFRGS/Editora da UFSC, 2004:1102.

Balbach A, Boarim D. As Hortaliças na Medicina Natural. 2.ed. Itaquacetuba, Vida Plena, 1993:280.

Gnoatto SCB, Bassani VL, Coelho GC et al. Influência do método de extração nos teores de metilxantinas em erva-mate (Ilex paraguariensis a. st.-Hil., aquifoliaceae). Química Nova, 2007, 30(2), 304-307.

Astill C, Birch MR, Dacombe C et al. Factors affecting the caffeine and polyphenol contents of black and Green tea infusions. Journal of Agricultural and Food Chemistry, 2001, 49(11), 5340-5347.

Silva IDD, Aragão CFS. Avaliação de parâmetros de extração da Cinchona Vahl por métodos farmacopéicos e não farmacopéicos. Revista Brasileira de Farmacognosia, 2009, 19(3), 776-780.

Longhini R, Raksa SM, Oliveira ACP et al. Obtenção de extratos de própolis sob diferentes condições e avaliação de sua atividade antifúngica. Revista Brasileira de Farmacognosia, 2007, 17(3), 388-395.

Filho VC, Yunes RA. Estratégias para a obtenção de compostos farmacologicamente ativos a partir de plantas medicinais. Conceitos sobre modificação estrutural para otimização da atividade. Quimica Nova, 1998, 21(1), 99-105.




DOI: https://doi.org/10.5902/223613086427

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.