Reflexões sobre o programa escolas sustentáveis na política pública de educação ambiental de Ananindeua

Mônica Costa Ribeiro, Marilena Loureiro da Silva, Rodolpho Zahluth Bastos

Resumo


O presente artigo apresenta reflexões teóricas e resultados para a dissertação de mestrado intitulada: Programa escolas sustentáveis na política pública de educação ambiental no município de Ananindeua: uma análise em três instituições de ensino, apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Gestão de Recursos Naturais e Desenvolvimento Local na Amazônia, e versa sobre o programa escolas sustentáveis na política pública de educação ambiental, no município de Ananindeua, no estado do Pará, a partir da análise de unidades escolares públicas: E.M.E.F. João Paulo II; E.M.E.F. Maria do Carmo e E.M.E.F. Lúcia Vanderley (Ananindeua/Pa). A abordagem metodológica qualitativa e quantitativa, com maior ênfase em aspectos qualitativos, sustentada pela fenomenologia da percepção, envolvendo a observação participante, estudo documental, pesquisa bibliográfica, entrevista e a descrição interpretativa baseada nas percepções teóricas e opiniões dos sujeitos envolvidos com o programa em estudo (gestores, coordenadores, professores e alunos). Os resultados indicam que para tornar as escolas destacadas em espaços efetivamente educadores e sustentáveis é necessário a continuidade dos investimentos direcionados aos projetos elaborados nas instituições, também na formação dos atores escolares para que estes adquiram conhecimentos e incluam estas temáticas no currículo das diversas modalidades de ensino ( da educação infantil ao ensino superior), bem como ampliar a comunicação entre os órgãos mantenedores visando o fortalecimento do trabalho na gestão escolar com foco na educação ambiental.


Palavras-chave


Escolas sustentáveis; Educação ambiental; Políticas públicas

Texto completo:

PDF HTML

Referências


BIANCHI, Camila Santos Tolosa. Programa Nacional Escolas Sustentáveis: o fluxo de uma ideia no campo das políticas públicas de Educação Ambiental. 2016. 182f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação, Universidade de Brasília, Brasília, 2016.

BIASOLI, Semíramis Albuquerque. Institucionalização de políticas públicas em Educação Ambiental: subsídios para a defesa de uma política do cotidiano. 2014. 117 f. Tese (Doutorado) – Centro de Energia Nuclear na Agricultura, Escola Superior de Agricultura “Luis de Queiroz”, Piracicaba, 2015. Versão revisada de acordo com a resolução COPGr 6018 de 2011.

BRASIL. Conferência Nacional Infanto-Juvenil pelo Meio Ambiente: Mudanças Ambientais Globais. 3. ed. Brasília, D.F.: [s.n.], 2009. Relatório Final.

BRASIL. Conferência nacional infantojuvenil pelo meio ambiente: vamos cuidar do Brasil com escolas sustentáveis. Brasília, DF: MEC; Ministério do Meio Ambiente, 2013. Relatório Final.

BRASIL. II Conferência Nacional Infanto-Juvenil pelo Meio Ambiente. 2. ed. Brasília, D.F.: Órgão Gestor da Política Nacional de Educação Ambiental, 2007. (Série Documentos Técnicos, nº 11.).

BRASIL. Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996, estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: 22 dez. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Ministério do Meio Ambiente. Vamos Cuidar do Brasil com escolas sustentáveis: educando-nos para pensar e agir em tempos de mudanças socioambientais globais. Brasília, D.F.: Secretaria de Educação Continuada: Alfabetização, Diversidade e Inclusão, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa Nacional Escolas Sustentáveis. Brasília, D.F.: MEC; Coordenação Geral de Educação Ambiental, 2014. Versão Preliminar, 02 jun., 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Formando COM-VIDA, Comissão de Meio Ambiente e Qualidade de Vida na escola: construindo agenda 21 na escola. 2ed. Brasília, D.F.: MEC: Coordenação Geral de Educação Ambiental, 2007.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Documentos técnicos da II Conferência Nacional do Meio Ambiente. Brasília, DF: Agenda 21, 2006.

BRASIL. Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global. Disponível em:< www.portal.mec.gov.br>. Acesso em: 23 jan. 2016.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico / Isabel Cristina de Moura Carvalho – 5 ed. – São Paulo: Cortez, 2011.

CAVALCANTE L.O. Currículo e Educação Ambiental. In: FERRARO JÚNIOR (Org.). Encontros e Caminhos: formação de educadoras (es) ambientais e coletivos educadores. Barsília: MMA, Diretoria de Educação Ambiental, 2005.p.115-126.

DELORS, Jacques. Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI. In: UNESCO. Educação: um tesouro a descobrir. São Paulo: Brasília: Cortez, UNESCO, 2003. 288p.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projeto de pesquisa. São Paulo: Cortez, 2002.

GUIMARÃES, Mauro. A dimensão ambiental na educação/Mauro Guimarães. – Campinas, SP: Papirus, 1995. – (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico)

GUIMARÃES, Mauro. A formação de educadores ambientais/Mauro Guimarães – 8ª ed. – Campinas, SP: Papirus, 2012. – (Coleção Papirus Educação)

GRIMM, Isabel Jurema; DIAS, Adriana Pasco; SAMPAIO, Carlos Alberto Cioce; FERNANDES, Valdir. Interdisciplinaridade e práticas pedagógicas no desenvolvimento: análise da experiência da microbacia do Rio Sagrado, Morretes/PR. Ambiente & Sociedade. (online), v. 18, n. 1, p. 115-134, Mar. 2015. DOI: 10.1590/1809-4422ASOC764V1812015en.Disponívelem: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2015000100008〈=pt. Acesso em: 23 abr. 2019.

IMBERNÓN, Francisco. Formação permanente do professorado: novas tendências; tradução de Sandra Trabucco Valenzuela. – São Paulo; Cortez, 2010.

LEFF, E. (Coord.). A complexidade ambiental. São Paulo: Cortez. 2003.

LEFF, Enrique. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. 8. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011. 494 p.

LIBÂNEO, José Carlos. Adeus professor, adeus professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. 5 ed. – São Paulo: Cortez, 2001. – (Coleção Questão da Nossa Época; v. 67).

LIMA, Maria do Carmo. Brasil: como anda nossa Agenda 21?. Caderno de debate Agenda 21, Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente, v. 8, n. 3, set./dez., 1999.

LOUREIRO, Carlos Frederico B. Trajetória e fundamentos da Educação Ambiental. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo; LAYRARGUES, Philippe Pomier; CASTRO, Ronaldo Souza de (Org.). Sociedade e meio ambiente: a Educação Ambiental em debate. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2008. 183 p.

LUDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2. ed. São Paulo: EPU, 2013.

MEDINA, N. M. Educação Ambiental: uma metodologia participativa de formação/Naná Mininni Medina, Elizabeth da Conceição Santos. 8 ed. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

MORIN, Edgar. Os Sete saberes necessários à educação do futuro. 2. ed., rev. São Paulo: Cortez; [Brasília, DF]: UNESCO, 2011. 102 p

OLIVEIRA, H.T. Transdisciplinaridade. In: FERRARO JÚNIOR (Org.). Encontros e caminhos: formação de educadoras (es) ambientais e coletivos educadores. Brasília: MMA, Diretoria de Educação Ambiental, 2005. p.336.- 343.

SAITO, Carlos Hiroo; PEDRINI, Alexandre de Gusmão (Org.). Paradigmas metodológicos em Educação Ambiental. Petrópolis: Vozes, 2014.

SANTOS FILHO, José Camilo dos; GAMBOA, Silvio Sanches (Org.). Pesquisa educacional: quantidade - qualidade. São Paulo: Cortez, 1995.

SANTOS PINTO, V. P. dos & GUIMARÃES, M., A Educação Ambiental no contexto escolar: temas ambientais locais como tema geradores diante das questões socioambientais controversas. Revista de Geografia – PPGEO – UFJF. Juiz de Fora, v.7, n.2, (jul-dez) p. 149-162, 2017.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. 11. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

SANTOS; Boaventura de Sousa (Org.). Democratizar a democracia: os caminhos da democracia participativa. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico crítico: primeiras aproximações. 9. ed., Campinas: Autores Associados, 2005.

SILVA, Marilena Loureiro da. Educação Ambiental e Cooperação Internacional na Amazônia. Belém: NUMA/UFPA, 2008.

STAKE, R. E. Case studies. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Ed.). Handbook of qualitative research, Thousands Oaks, Sage, 1998.

TASSARA; Eda. Dicionário socioambiental: ideias, definições e conceitos. São Paulo: Faarte, 2008.

TRAJBER, Rachel; MENDONÇA, Patrícia Ramos (Org.). O que fazem as escolas que dizem que fazem Educação Ambiental. Brasília, D.F.: Ministério da Educação, 2006.

TRAJBER, Rachel; SATO, Michèle. Escolas Sustentáveis: incubadoras de transformação nas comunidades. REMEA Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. especial. set. 2010. DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v0i0.3396. Disponível em: https://periodicos.furg.br/remea/article/view/3396. Acesso em: 23 jun. 2019.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa e ciências sociais: pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236130833438

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.