Transversalizando a orientação sexual nos anos finais do ensino fundamental

Claudia Regina Neves Barboza, Jerônimo Sartori

Resumo


A escola é um espaço de convivência e de trocas de experiências que possibilita a socialização e apreensão de novas aprendizagens, oriundas do compartilhamento das diferentes culturas e da interação social que a escola propicia. É dever da escola, portanto, ofertar uma educação emancipatória, voltada para o desenvolvimento integral do educando. O presente trabalho trata de uma pesquisa de intervenção pedagógica acerca do tema transversal Orientação Sexual, nas séries finais do Ensino Fundamental (7º e 8º anos), numa Escola Municipal de Ensino Fundamental, na cidade de São Gabriel/RS. A ação adotada referente ao tema transversal - Orientação Sexual - precisa ser considerada como um processo de intervenção metodológica, que se propõe a obter/fornecer informações sobre sexualidade, bem como organizar um espaço de reflexões e questionamentos sobre diferentes enfoques: importância da prevenção contra DSTs e gravidez indesejada, mudanças corporais, identidade, relações interpessoais, autoestima, relações de gênero, tabus, crenças e valores a respeito de relacionamentos, comportamentos sexuais e DSTs. Sexualidade é uma questão processual, uma questão de vivência e de experimentação. A construção do gênero e da sexualidade ocorre ao longo de toda a vida do sujeito. Apesar dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) sofrerem críticas oriundas de diferentes pensadores e esferas da educação, é inegável que esses documentos instituíram a discussão acerca da educação sexual nas escolas. Cabe, então, a cada realidade projetar o alcance sobre o entendimento e o desvelamento dos corpos e da sexualidade latente entre os estudantes da Educação Básica.


Palavras-chave


Orientação sexual; Tema transversal; Intervenção pedagógica; PCNs

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, Lúcia. A polêmica sobre adolescência e sexualidade. Belo Horizonte: Ed. do Campo Social, 2001.

BECKER, Fernando. A Epistemologia do Professor: o cotidiano da escola. Petrópolis: Vozes, 1993.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental Parâmetros Curriculares Nacionais: pluralidade cultural e orientação sexual. Brasília: MEC/SEF, 1997. v. 10.

CUNHA, Nylse Helena da Silva. Brinquedo, desafio e descoberta: subsídios para a utilização e confecção de brinquedos. Rio de Janeiro: FAE, 1988.

FAZENDA, Ivani (Org.). Práticas Interdisciplinares na Escola. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: Nascimento da Prisão. 27. ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

FREIRE, Paulo. Medo e Ousadia: O Cotidiano do Professor. 18. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1986.

FREIRE, Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Centauro, 2001.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 43. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

LOPES, Maria da Glória. Jogos na Educação: criar, fazer, jogar. 2. ed. São Paulo: Cortez,

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação. Uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997

RIBEIRO, Paula R. C.; LONGARAY, Deise A. (Org.). Os 15 anos de Mariana: um convite a outras aprendizagens sobre os corpos. Rio Grande: FURG, 2013.

RIBEIRO, Paula R. C.; QUADRADO, Raquel. P. (org). Corpos, gêneros e sexualidades: questões possíveis para o currículo escolar. 3. ed. Rio Grande: FURG, 2013

SILVA, Fabiane Ferreira et al. Sexualidade e escola: compartilhando saberes e experiências. 3. ed. Rio Grande: FURG, 2013.

SILVA, Tomaz T.O currículo como fetiche. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

VYGOTSKY, Lev S. Psicologia Pedagógica. Edição comentada. Porto Alegre: Artmed, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236130820636

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.