A EDUCAÇÃO ALIMENTAR NA ESCOLA MUNICIPAL PROFESSORA MARIA VILLANY DELMONDES: UM ESTUDO SOBRE OS CORANTES ALIMENTÍCIOS

Tatiane Fernandes Campos, Luciany Fernandes Campos, Jorge Luiz da Silva, Arnaldo Gonçalves de Campos, Simone da Silva Santos, Daniela Raphanhin da Silva

Resumo


O presente trabalho consiste em apresentar os resultados obtidos através de uma intervenção realizada na Escola Municipal Professora Maria Villany Delmondes. O trabalho teve como tema a educação alimentar no ensino fundamental, sendo realizado com 36 alunos do sexto e oitavo anos. O objetivo foi verificar o conhecimento dos alunos sobre os corantes alimentícios, bem como sensibilizá-los sobre hábitos alimentares mais saudáveis, buscando através de atividades práticas e lúdicas novas estratégias de ensino do tema abordado. Buscou-se o estudo dos corantes alimentícios em sala de aula interagindo e discutindo com os alunos. Para realização da intervenção utilizou-se de um questionário prévio para constatar o conhecimento dos alunos, no qual observou-se que a grande maioria (71%) apresentaram conhecimento sobre os corantes alimentícios. Foram executados jogos durante a aula para que houvesse interação e assimilação do conteúdo, entre estes o jogo do paladar, o jogo da velha e o jogo das cartas perguntas, nos quais os alunos participaram significativamente, tirando as dúvidas. Além das atividades lúdicas, também realizou-se a prática de extração do corante natural de urucum. A pesquisa foi satisfatória no qual dos 36 alunos entrevistados, 78% acharam ótimas as atividades práticas e os jogos aplicados, e 97% dos alunos relataram que estas atividades os ajudaram a entender melhor o conteúdo. Constatou-se que os alunos aprovaram a metodologia aplicada, no qual se sentiram interessados em participar da aula e estimulados em desenvolver a reconstrução dos conceitos sobre os corantes alimentícios.

Palavras-chave


Aditivos Químicos; Ensino de Ciências; Experimentação; Ensino-aprendizagem

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, M. L. F.; MASSABNI, V. G. O Desenvolvimento de Atividades Práticas na Escola: Um Desafio Para os Professores de Ciências. Ciências e Educação, Bauru-SP, v. 17, n. 4, p. 835-854, 2011.

BALBINOT, M. C. Uso de Modelos, Numa Perspectiva Lúdica, no Ensino de Ciências. IN: IV Encontro Ibero-Americano de Coletivos Escolares e Redes de Professores que Fazem Investigação na sua Escola, 2005.

BRASIL. Manual de Orientação Para a Alimentação Escolar na Educação Infantil, Ensino Fundamental, Ensino Médio e na Educação de Jovens e Adultos/ [organizadores Francisco de Assis Guedes de Vasconcelos... et al. _ 2 ed. _ Brasília: PNAE: CECANE – SC, 2012, 48 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Fundo Nacional do Desenvolvimento – Conselho Deliberativo. Resolução/CD/FNDE nº 38, de 16 de julho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da educação básica no Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília – DF. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/arquivos/category/60-2012?download=57:res038-16072009. Acesso: 01/09/2014.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998, 138 p.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Apresentação dos Temas Transversais, Ética/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997, 146 p.

ESPINOZA, A. Ciências na Escola: Novas Perspectivas Para a Formação dos Alunos. São Paulo, Ed. Ática, 2011.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários á pratica educativa/ Paulo Freire, São Paulo, Paz e Terra, 2011.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 2005.

GIORDAN, M. O Papel da Experimentação no Ensino de Ciências. IN: II Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 1999.

KISHIMOTO, T. M. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. Cortez, São Paulo, 1996.

LEAL. R. B. Planejamento de Ensino Peculiaridades Significativas. Revista Ibero-Americana de Educação, 2014. Disponível em: www.rieoei.org/indecphp. Acesso em 01 de Fevereiro de 2015.

LIBÂNEO, J.C. Didática. Ed. 1°. São Paulo: Editora Cortez, 1994.

MARTINS, J. S. Situações Práticas de Ensino e Aprendizagem Significativa. São Paulo: Autores Associados, 2009.

PIAGET, J. Epistemologia Genética. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

PINHEIRO, M. C. O.; ABRANTES, S. M. P. Avaliação da Exposição aos Corantes Artificiais Presentes em Balas e Chicletes por Crianças entre 3 e 9 anos Estudantes de Escolas Particulares da Tijuca/ Rio de Janeiro. Revista Analyttica. Editora Eskalab, 2011.

ROSITO, B. A. O Ensino de Ciências e a Experimentação. In: MORAES, R. Construtivismo e ensino de Ciências. 3. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008. 230 p.

SANTOS, S. M. P. (Org). O Lúdico na Formação do Educador. Petrópolis: Vozes, 1997.

ZAPPAROLI, K. Estratégias Lúdicas da Criança com Deficiência/ Kelem Zapparoli_ Rio de Janeiro: Wak Editora, 2012.




DOI: https://doi.org/10.5902/2236130820441

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.