Organizational performance: influence of contingency factors in Santa Catarina software development companies

David Rodrigo Petry, Ieda Margarete Oro, Jaqueline Suzana, Josiane Aparecida Lorentz, Andrezza Aparecida Saraiva Piekas, Jorge Carlos Paludo

Abstract


This study assesses the influence of contingency factors such as environment, structure, strategy, technology, and size on the organizational performance of software development companies in the state of Santa Catarina. After the presentation of the foundations that formed the basis for the elaboration of the research construct, there was a quantitative survey that used a structured questionnaire to sample 34 companies in the software industry. For the data analysis, we used statistical instruments, reliability tests, the Pearson correlation and regressions to achieve the proposed objectives. The results show that, in general, the contingency factors influence the performance of software companies. After individually comparing the contingency factors with performance, the only factor that showed no significant correlation was structure while all the other factors were correlated with performance. In the regression, the generated model retained only the variable strategy and excluded the others. This established a regression equation that provided the degree of influence of this variable on the performance of software companies.


Keywords


Organizational Performance; Contingency Theory; Software Companies

Full Text:

PDF

References


AGUIAR, B. C. Uso de escalas de autorrelato na análise de jogos. Dissertação de Mestrado - Universidade Federal de Pernambuco. Recife. 2011.

ALMEIDA, D.; SANTOS, M. A. R.; COSTA, A. F. B. Aplicação do coeficiente alfa de cronbach nos resultados de um questionário para avaliação de desempenho da saúde pública. XXX Encontro Nacional de Engenharia de Produção. São Carlos. 2010.

ALVES, M.; LEITE, J. A teoria da contingência organizacional e as tecnologias da informação implementadas nos centros de saúde. XXI Jornadas Hispano - Lusas de gestão científica "responsabilidade social e inovação nas fases recessivas do ciclo". Córdoba. 2011.

ARAUJO, L. C. Organização, sistema e métodos e as tecnologias de gestão organizacional. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

ASSAF NETO, A. Estrutura e Análise de Balanços: um enfoque econômico-financeiro. São Paulo: Atlas, 2001.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE SOFTWARES. Mercado Brasileiro de Software: panorama e tendências. São Paulo. 2015.

ATKINSON, A. A. et al. Contabilidade Gerencial: informação para tomada de decisão e execução da estratégia. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2015.

BARBETTA, P. A.; REIS, M. M.; BORNIA, A. C. Estatística: para cursos de engenharia e informática. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

BARROS, A. J. D. S. Fundamentos de metodologia científica. 3. ed. São Paulo: Pearson Prentise Hall, 2007.

BERTI, A. Contabilidade Gerencial. Curitiba: Juruá, 2011.

BUCHELE, R. B. Políticas administrativas para empresas em crescimento. Tradução de Raul P. G. de Paiva e Eda F. de Quadros. São Paulo: Atlas, 1971.

BULGAVOC, Y. L. M.; PAULIN, R. R. Competências e Desempenho Organizacional: o que há além do Balanced Scorecard. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 13, jan.-mar. 2009. p. 167-168.

CASTRO, V. B. et al. Uma análise empírica do impacto do balanced scorecard no desempenho de organizações brasileiras. Revista de Informação Contábil, Rio de Janeiro, v. 6, out.-dez. 2012. p. 20-41.

CHENHALL, R. H. Management control system design within its organizational context: Findings from contingency-based research and directions for the future. Accounting, Organizations and Society, Florida, 2003. p. 127-168.

CHIARETO, J. Avaliação de desempenho organizacional: um estudo em um hospital universitário público. Dissertação de Mestrado - USP- Universidade de São Paulo. São Paulo, p. 123. 2014.

CORONADO, O. Contabilidade gerencial básica. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

CORRÊA, H. L. O estado da arte da avaliação de empresas estatais. São Paulo: , 1986. 251 p.

CREPALDI, S. A. Contabilidade Gerencial: teoria e práica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2014.

CROSS, K. F.; LYNCH, R. L. Way to Define and Sustain Success. National Productivity Review, v. 8, n. 1, p. 23-33, 1988.

CUNHA, J. A. C. Avaliação de desempenho e eficiência em organizações de saúde: um estudo em hospitais filantrópicos. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo. São Paulo, p. 237. 2011.

DALMORO, M.; VIEIRA, K. M. Dilemas na construção de escalas tipo Likert: o número de itens e a disposição influenciam nos resultados? Revista Gestão Organizacional, v. 6, 2013. p. 161-174.

DRUCKER, P. F. The Practice of Management. Nova York: Harper, 1954.

EDWISSON, L.; MALONE, M. Intellectual capital. Nova York: HarperBusiness, 1997.

FERNANDES, B. H. R. Competencia e desempenho organizacional: o que há além do Balanced Scorecard. São Paulo: Saraiva, 2006.

FREZATTI, F.; RELVÁS, T. R. S.; JUNQUEIRA, E. BSC e a estrutura de atributos da Contabilidade gerencial: uma análise no ambiente brasileiro. RAE: Revista de Administração de Empresas, v. 50, abr.-jun. 2010. p. 187-198.

GAMBA JUNIOR, J. et al. Avaliação de desempenho de serviços emergeciais: uma Análise da produção científica do período de 1991 a 2010. Revista de Administração da UNIMEP, v. 10, set.-dez. 2012.

GARCIA, F. T. et al. Um estudo sobre indicadores de desempenho na perspectativa do cliente a partir do balanced scorecard. Revista de Administraçãao da UNIMEP, Piracicaba, v. 11, jan.-abr. 2013. p. 51-80.

GITMAN, L. J.; MADURA, J. Administração Financeira: Uma abordagem gerencial. 1ª. ed. São Paulo: Pearson Addission Wesley, 2005.

GORLA , M. ; LAVARDA, E. F. Teoria da contingência e pesquisa contábil. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da FUNDACE, v. 3, 2012. p. 1-18.

GUERRA, A. R. Arranjos entre fatores situacionais e sistema de contabilidade gerencial sob a ótica da teoria da contingência. Dissertação (Mestrado) - Universidade de São Paulo. São Paulo, p. 135. 2007.

HAIR JUNIOR, J. F. et al. Análise multivariada de dados. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HOPWOOD, A. G. An Empirical Study of the Role of Accounting Data in Performance Evaluation. Journal of Accounting Research, v.10, n.1, p.156-182, 1972.

HORA, H. R. M.; MONTEIRO, G. T. R.; ARICA, J. Confiabilidade em questionários para qualidade: um estudo com o coeficiente alfa de cronbach. Produto & Produção, Porto Alegre, v. 11, jun. 2010. p. 85-103.

HOURNEAUX JR., F. Avaliação de Desempenho Organizacional: Estudo de Casos de Empresas do Setor Químico. Dissertação (Mestrado em Administração). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade – Universidade de São Paulo. São Paulo. 2005.

IUDÍCIBUS, S. Teoria da Contabilidade. 3ª. ed. São Paulo: Atlas, 1993.

JUNQUEIRA, E. R. Perfil do sistema de controle gerencial sob a perspectiva da teoria da contingência. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo. São Paulo, p. 147. 2010.

KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. A estratégia em ação: Balanced Scorecard. 20. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 1997.

KLANN, R. C.; BEUREN, I. M. Characteristics of companies that influence their voluntary disclosure of performance indicators. BBR - Brazilian Business Review, v. 8, n. 2, 2011, p. 92.113.

KOONTZ, H.; O'DONNEL, C. Princípios de administração. São Paulo: Pioneira, 1969.

LAWRENCE, P. R.; LORSCH, J. W. Differentiation and Integration in Complex Organizations. Administrative Science Quarierly, v. 12, jun. 1967. p. 1-47.

MANTOVANI, F. R. Desenho e uso de sistemas de controle gerencial focados nos clientes : um estudo em empresas brasileiras sob a perspectiva da teoria da contingência. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo. São Paulo, p. 118. 2012.

MAROTTI, J. et al. Amostragem em Pesquisa Clínica: tamanho da amostra. Revista de Odontologia da Universidade Cidade de São Paulo, São Paulo, mai.- ago. 2008. p. 186-194.

MARTINDELL, J. The scientific appraisal of management. Nova York: Harper & Brothers, 1950.

MAYFIELD, J. Economic value management. Management Accounting: Magazine for Chartered Management Accountants, v. 75, set. 1997. p. 32-35.

MINTZBERG, H. Criando organizações eficazes: estruturas em cinco configurações. São Paulo: Atlas, 1995.

NARDI, E. L.; SANTOS, R. D. Pesquisa: teoria e prática. Porto Alegre: EST Edições, 2003.

NEELY, A.; ADAMS, C. Perspectives on Performance. The Performance Prism. Journal of cost management, v. 15, n. 1, p. 7-15, 2000.

NISIYAMA, E. K., et al. The use of management control systems and operations management techniques. BBR - Brazilian Business Review, v. 13, n. 2, mar-abr. 2016. p. 56-81.

OLSON, E. M.; SLATER, S. F. The Balanced Scorecard, Competitive Strategy and Performace. Business Horizons, v. 45, 2002. p. 11-17.

PADOVEZE, C. L. Contabilidade Gerencial: um enfoque em sistema de informação contábil. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

PEREIRA, C. A. Estudo de um modelo conceitual de avaliação de desempenho de gestão econômica. Tese (Mestrado em Contabilidade) - Faculdade de Economia e Administração, Universidade de São Paulo. São Paulo. 2002.

ROZZA, G. L.; SILVA, R. G. D.; MÜLLER, S. I. M. G. Estudo comparativo do uso de redes neurais artificiais e Regressão linear múltipla para a previsão da concentração Cáustica em uma etapa do processo de fabricação de alumina, Curitiba, 2015.

SCARANO, T. F. Proposta de modelagem de avaliação de desempenho organizacional do setor metal mecânico. Dissertação de Mestrado - UFSM - RS - Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria. 2013.

SILVA, A. C. R. D. Metodologia da pesquisa aplicada à contabilidade: orientações de estudos, projetos, artigos, relatórios, monografias, dissertações, teses. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

SILVA, L. C. O Balanced Scorecard e o processo estratégico. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, v. 10, out.-dez. 2003. p. 61-73.

SILVA, L. P. D. Estudo de fatores que influenciam a mudança na contabilidade gerencial com enfoque na implantação do balanced scorecard - estudos multicasos. Dissertação (Mestrado) Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, p. 165. 2007.

SLACK, N. et al. Gerenciamento de operações e de processos: principios e prática de impactos estratégicos. Porto Alegre: Bookman, 2006.

SPECKBACHER, G.; BISCHOF, J.; PFEIFFER,. A Descriptive Analysis on the Implementation of Balanced Scorecards in GermanSpeaking Countries. Social Science Research Network, Austria, 2007.

TEIXEIRA, S. Gestão das organizações. Rio de Janeiro: Raw, 1988.

THIOLLENT, M. Metodologia da Pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 2011.

VALENTE, S. A. Indicadores de desempenho como ferramenta de alinhamento estratégico: a experiência do SENAC Paraná. Revista Ibero-Americana de estratégia, Curitiba, v. 13, out.-dez. 2014. p. 33-43.

VOSS, W. A. M. A percepção das variáveis contingenciais nas críticas a adoção e ao uso do orçamento. Dissertação (mestrado) – Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado - FECAP - Mestrado Profissional em Administração com Ênfase em Finanças. São Paulo, p. 110. 2014.

WOODS, M. A contingency theory perspective on the risk management control system within Birmingham City Council. The university of nottingham. England. 2007.

WRIGHT, P.; KROLL, M. J.; PARNELL, J. Administração estratégica: conceitos. São Paulo: Atlas, 2009.

YOKOMIZO, C. A. Avaliação de desempenho organizacional: um estudo exploratório em empresas brasileiras de desenvolvimento de software. Dissertação (Mestrado em Administração) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo. São Paulo. 2009.




DOI: https://doi.org/10.5902/1983465929370


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

  

   

       

 

------

Revista de Administração da UFSM. Brazilian Journal of Management

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil, eISSN 1983-4659