Modelos retóricos e narração em “Relação da missão da serra da Ibiapaba”, do padre Antônio Vieira

Fernanda Santos

Resumo


Antônio Vieira documenta suas viagens, no século XVII, por meio de cartas (epistolografia) e relatos diversos. Entre estes textos se encontra “Relação da missão da serra da Ibiapaba”, produzida em 1660. Procura-se analisar, numa perspectiva retórica, a “Relação da missão da serra da Ibiapaba”, relato escrito a partir das preceptivas retóricas de Instituição Oratória, de Quintiliano, e Do orador, de Cícero, obras fundamentais para a Oratória. O artigo observa, ainda, que este relato é componente sólido de diversos outros escritos sobre indígenas, produzidos por Antônio Vieira entre os anos de 1650 e 1660, e no qual as preceptivas retórico-argumentativas são mantidas, em defesa de uma causa maior: a evangelização dos indígenas tabajaras e a ratificação da presença dos jesuítas na serra da Ibiapaba.


Palavras-chave


Antônio Vieira/ “Relação da missão da serra da Ibiapaba”; Retórica; Narração; Missões jesuíticas; Indígenas tabajara

Texto completo:

PDF

Referências


AGOSTINHO, Santo. Trindade [De trinitate]. Tradução de Arnaldo do Espírito Santo, Domingos Lucas Dias, João Beato e Maria Cristina Pimentel. Prior Velho: Paulinas, 2007.

AGUIAR, Cláudio. Padre Antônio Vieira e a missão jesuítica da serra da Ibiapaba (1660-1759). Revista IHGB, Rio de Janeiro, ano172, n. 452, p. 507-547, jul./set. 2011.

AQUINO, Tomás de. Suma teológica [1267-1273]. 5 v. Tradução de Alexandre Correa. Rev. de Luís Alberto de Boni. São Paulo: Ecclesiae, 2017.

ARISTÓTELES. Poética. Ed., tradução, introd. e not. de Paulo Pinheiro. São Paulo: Editora 34, 2017.

ARISTÓTELES. Retórica. In: ARISTÓTELES. Obras completas de Aristóteles. 14 v. Coord. de António Mesquita. Pref e introd. de Manuel Alexandre Júnior. Tradução e not. de Manuel Alexandre Júnior, Paulo Farmhouse Alberto e Abel do Nascimento Pena. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

ARTAZA, Elena. El ars narrandi en el siglo XVI español: teoría e practica. Bilbao: Universidad de Deusto, 1989.

AZEVEDO, Carlos (Dir.). Dicionário de História religiosa de Portugal. Lisboa: Círculo de Leitores, 2000.

BLUTEAU, Raphael. Supplemento ao Vocabulario portuguez e latino. Lisboa: Patriarcal Officina da Musica, 1728. Parte 2.

FARAGE, Nádia. As muralhas dos sertões: os povos indígenas no rio Branco e a colonização. São Paulo: Paz e Terra, 1991.

FRANCO, José Eduardo. O mito dos Jesuítas: em Portugal, no Brasil e no Oriente (séculos XVI a XX). Lisboa: Gradiva, 2006. v. 1.

FREITAS, Eduardo da Silva de. Cícero e o orador: comentários sobre o De oratore. In: Anais do XVIII Congresso Nacional de Linguística e Filologia. Rio de Janeiro: Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos, 2014.p. 233-250.

HANSEN, João Adolfo. Alegoria. Construção e interpretação da metáfora. São Paulo: Hedra, 2006.

HANSEN, João Adolfo. Teatro da memória: monumento “barroco” e retórica. In: LACHAT, Marcelo; SILVA, Natali Fabiana da Costa e (Org.). Ficção e memória: estudos de Poética, Retórica e Literatura. Macapá: Universidade Federal do Amapá, 2017. p. 9-31.

LAUSBERG, Heinrich. Elementos de Retórica literária. Tradução, pref. e adit. de R. M. Rosado Fernandes. 4. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1963.

MAIA, Lígio de Oliveira. A construção retórica da edificação.Vieira, os índios e a missão nas serras de Ibiapaba. In: ATAS do XXIV Simpósio Nacional de História. São Paulo: Anpuh, 2007. p. 1-8.

MIRANDA, Margarida. Sem a voz que os animou, ainda ressuscitados são cadáveres: actio e declamatio na formação de Vieira, pregador. Humanitas, Coimbra, n. 60, p. 267-282, 2008.

OXFORD Classical Dictionary. Oxford: Oxford University, 2019. Disponível em: . Acesso em: 17 jan. 2019.

PLATÃO. Górgias. V. 2. Trad. de Daniel R. N. Lopes. São Paulo: Perspectiva, 2014.

QUINTILIANO. Instituição oratória/Institutio oratoria. Ed. em latim e português. 4 t. Tradução, apres. e not. de Bruno Fregni Bassetto. São Paulo: Unicamp, 2015.

RETÓRICA a Herênio. Tradução e introd. de Ana Paula Celestino Faria e Adriana Seabra. São Paulo: Hedra, 2005.

RODOLPHO, Melina. Écfrase e evidência. Letras Clássicas, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 94-113, 2014.

SANTOS, Fernanda Cristina da Encarnação dos. A Retórica da Alteridade na “Relação da missão da serra da Ibiapaba”, de Antônio Vieira. Tese (Doutorado em Letras). 141 pp. Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória-ES, 2018.

SCATOLIN, Adriano. A invenção Do orador de Cícero: um estudo à luz de Ad Familiares I, 9, 23. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-graduação em Letras, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

SCATOLIN, Adriano. Cícero, Do orador. 1.1-23. Translatio, Porto Alegre, n. 12, p. 174-182, dez. 2016.

VIEIRA, Antônio. A missão da Ibiapaba. Org. de António Araújo. Pref. de Eduardo Lourenço. Posf. de João Viegas. Coimbra: Almedina, 2006.

VIEIRA, Antônio. Obra completa. 30 v. Coord. de José Eduardo Franco e Pedro Calafate. Lisboa: Círculo de Leitores, 2014.

VIEIRA, Antônio. Vozes saudosas, da eloquencia, do espírito, do zelo, e eminente sabedoria do Padre Antonio Vieira, da Companhia de Jesus [...]. Ed. de André de Barros. Lisboa: Miguel Rodrigues, 1736. p. 3-89.




DOI: https://doi.org/10.5902/2176148538017

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Letras

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

 

                      

 

                

 

                

 

    

  

   

 

  

 

 

                                     QUALIS/CAPES: Letras A2

                              ISSN Versão Impressa: 1519-3985

                              ISSN Versão Digital: 2176-1485



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.