A negociação de faces, territórios e lugares em uma perspectiva interacionista da análise do discurso

Gustavo Ximenes Cunha, Rafael Vinícius de Carvalho Picinin

Resumo


Este trabalho tem por finalidade apresentar o Modelo de Análise Modular do Discurso, evidenciando que seus instrumentos teóricos e metodológicos permitem um estudo aprofundando não apenas da estruturação de discursos dialogais, mas também de processos complexos de negociação de faces, territórios e lugares característicos de gêneros monologais. Ao final do percurso de análise de uma cartilha institucional da ANATEL, verificou-se o papel que a cadeia referencial da cartilha desempenha na gestão das relações de faces, territórios e lugares, bem como a forte interação entre aspectos ligados à seleção de recursos linguísticos e textuais e aspectos de ordem situacional.

Palavras-chave


Modelo de Análise Modular do Discurso; Estratégia discursiva; Cartilha

Texto completo:

PDF

Referências


BARROSO, Luis Roberto. Agências reguladoras. Constituição, transformações do estado e legitimidade democrática. Revista de Direito

Administrativo, Rio de Janeiro/RJ, n. 229, p 285-311, 2002.

BENTES, Anna Christina; REZENDE, Renato Cabral. Texto: conceitos, questões e fronteiras [com]textuais. In: SIGNORINI, Inês. (org). [Re]discutir texto, gênero e discurso. São Paulo: Parábola Editorial, 2008, p. 19-46.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. A Reforma do estado dos anos 90: lógica e mecanismos de controle. (Cadernos MARE da reforma do estado, v. 1.) Brasília: Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado, 1997.

BROWN, Penelope; LEVINSON, Stephen. Politeness: some universals in language use. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

BOURDIEU, Pierre. Sobre o Estado. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

BURGER, Marcel. L’identité négociée: “rapports de place(s)” dans un entretien télédiffusé. Cahiers de linguistique française, Genebra, n 17, p. 09-33, 1995.

CUNHA, Gustavo Ximenes. O sequenciamento de textos como estratégia discursiva: uma abordagem modular. 250f. Dissertação (Mestrado em Linguística). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte-MG, 2008.

CUNHA, Gustavo Ximenes. A construção da narrativa em reportagens. 601f. Tese (Doutorado em Linguística). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte-MG, 2013.

CUNHA, Gustavo Ximenes. Para entender o funcionamento do discurso: uma abordagem modular da complexidade discursiva. Curitiba: Appris, 2014.

CUNHA, Gustavo Ximenes. Análise de uma cartilha institucional em uma abordagem modular da complexidade do discurso. Revista do GEL, Campinas/ SP, n. 13, p. 31-55, 2016.

CUNHA, Gustavo Ximenes. A construção de imagens de si no discurso organizacional. In: TOMAZI, Micheline Mattedi; ROCHA, Lúcia Helena Peyroton da; POMPEU, Júlio César. (Orgs.). Estudos discursivos em diferentes perspectivas: mídia, sociedade e direito. São Paulo: Terracota Editora, p. 111-126.

CUNHA, Gustavo Ximenes; OLIVEIRA, Ana Larissa Adorno Marciotto; PICININ, Rafael Vinicius de Carvalho. A nominalização deverbal em cartilhas de agências reguladoras do Estado: de como a gramática produz efeitos de autoridade e não-negociação. ACTA, Maringá, A nominalização deverbal em cartilhas de agências reguladoras do Estado: de como a gramática produz efeitos de autoridade e não-negociação. Acta Scientiarum. Language and Culture (Online) , 2017.

DASSO JR., Aragon Érico. Reforma do Estado com participação cidadã? Déficit democrático das agências reguladoras brasileiras. Tese (Doutorado em Direito). Centro de Ciências Jurídicas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis-SC, 2006.

DUCROT, Oswald. O dizer e o dito. Traduzido por Eduardo Guimarães. Campinas: Pontes, 1987.

FILLIETTAZ, Laurent. Actions, activités et discours. 2000. 403f. Tese (Doutorado em Linguística). Faculdade de Letras, Universidade de Genebra, Genebra, 2000.

GOFFMAN, Erving. La mise em scène de la vie quotidienne: les relations em public. v. 2. Paris: Les éditions de minuit, 1973.

GOFFMAN, Erving. Ritual de interação: ensaios sobre o comportamento face a face. Traduzido por Fábio Rodrigues Ribeiro da Silva. Petrópolis: Vozes, 2011.

GROBET, Anne. L’identification des topiques dans les dialogues. 2000. 513f. Tese (Doutorado em Linguística). Faculdade de Letras, Universidade de Genebra, Genebra, 2000.

KERBRAT-ORECCHIONI, Catherine. Les interactions verbales. v. 1. Paris: Colin, 1992.

KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. A inter-ação pela linguagem. São Paulo: Contexto, 1997.

MARINHO, Janice Helena Chaves. Uma abordagem modular e interacionista da organização do discurso. Revista da Anpoll, São Paulo/SP, n. 16, p. 75-100, 2004.

MORATO, Edwiges. O interacionismo no campo linguístico. In: MUSSALIM, Fernanda; BENTES, Anna Christina. Introdução à Linguística: fundamentos epistemológicos. São Paulo: Cortez, 2004, p. 311-352.

ROULET, Eddy. La description de l’organisation du discours. Paris: Didier, 1999.

ROULET, Eddy; FILLIETTAZ, Laurent; GROBET, Anne. Un modèle et un instrument d’analyse de l’organisation du discours. Berne: Lang, 2001.

RUFINO, Janaína de Assis. As mulheres de Chico Buarque: análise da complexidade discursiva de canções produzidas no período da ditadura militar. Dissertação (Mestrado em Linguística). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte-MG, 2006.

VION, Robert. La communication verbale: analyse des interactions. Paris: Hachette, 1992.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2176148525970

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Letras



 

                      

 

                

 

                

 

    

  

   

 

  

 

 

                                     QUALIS/CAPES: Letras A2

                              ISSN Versão Impressa: 1519-3985

                              ISSN Versão Digital: 2176-1485



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.