A relação entre o escritor e a produção escrita no viés da dialogicidade e interatividade

Ilsa do Carmo Vieira Goulart

Resumo


Este artigo considera que as palavras escritas se inserem em uma relação dialógica marcada pela complexidade dos enunciados, visto que a produção escrita decorreu de um processo de apreensão, de interação entre o escritor e ação de escrever, que se configurou em um determinado tempo e espaço. Diante disso, assume-se por objetivo refletir e analisar como alguns poetas expressam sua relação com a atividade de produção escrita, descrita e demarcada na expressividade de seus textos. O trabalho apoia-se na concepção de linguagem como processo de interação de Bakhtin, em interlocução com outros autores. O estudo toma como corpus investigativo textos como poemas, prosas poéticas de diferentes autores, selecionados por demarcarem em sua produção escrita uma ideia ou uma representação da conceituação do ato de escrever.


Palavras-chave


Linguagem escrita; Produção de sentidos; Dialogismo

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, Marilia. Cronotopo e exotopia. In: BRAIT, Beth. Bakhtin: outros conceitos-chave. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2012.

ANDRADE, C. D. Poesia Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2008.

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, M. M. Marxismo e filosofia da linguagem. Problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec, 2006.

BAKHTIN, M. M. Problemas da poética de Dostoiésvsk. Trad. Paulo Bezerra. 4. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

BAKHTIN, M. M. Para uma filosofia do ato responsável. Trad. Valdemir Miotello e Carlos Alberto Faraco. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010.

BARROS, M. Memórias inventadas – As Infâncias de Manoel de Barros. São Paulo: Planeta do Brasil, 2010.

BARTHES, Roland. O rumor da língua. Tradução Mario Laranjeira. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

CERTEAU, Michel. A Invenção do Cotidiano: Artes de Fazer. 13. ed. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis: Vozes, 2007. vol. I.

ECO, Umberto. Obra aberta: forma e indeterminação nas poéticas contemporâneas. 9. ed. São Paulo: Perspectiva, 2010.

FALCÃO, Adriana. Pequeno dicionário de palavras ao vento. São Paulo: Editora Planeta, 2003.

FIORIN, José Luiz. Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Ática, 2006.

GOULART, Ilsa do Carmo Vieira. A palavra e seus “mistérios”. Revista Linha Mestra, Campinas, n. 21, p. 401-407, ago./ dez., 2012.

GOULEMOT, J. M. Da leitura como produção de sentidos. In: CHARTIER, R. Práticas da leitura. Trad. Cristiane Nascimento. São Paulo: Estação da Liberdade, 2001.

LEMINSKI, Paulo. Melhores poemas de Paulo Leminski. Seleção de Fred Góes e Álvaro Martins. 6. ed. São Paulo: Global, 2002.

NERUDA, Pablo. Confesso que vivi - Memórias. Tradução Olga Savary. Rio de Janeiro: Difel, 1978. p. 51.

QUINTANA, Mario. Prosa e verso. 6. ed. São Paulo: Globo, 1989.

SARTRE, Jean-Paul. O que é literatura? Trad. Carlos Felipe Moisés. 3. ed. São Paulo: Ática, 2004.

STELLA, Paulo Rogério. Palavra. In: BRAIT, Beth. Bakhtin: conceitos--chave. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2013.

VAL, Maria da Graça Costa; VIEIRA, Martha Lourenço. Língua, texto e interação: caderno do professor. Belo Horizonte: CEALE/FaE/ UFMG, 2005.




DOI: https://doi.org/10.5902/2176148525329

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Letras



 

                      

 

                

 

                

 

    

  

   

 

  

 

 

                                     QUALIS/CAPES: Letras B2

                              ISSN Versão Impressa: 1519-3985

                              ISSN Versão Digital: 2176-1485



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.