Caracterização de praticantes de esportes paralímpico e de lazer adaptados em locais públicos de um município do interior de São Paulo

Mateus Aparecido Stahl, Rute Estanislava Tolocka

Resumo


Este trabalho buscou identificar locais onde são praticados esportes paralímpico, conhecer quais esportes são praticados e observar as condições de acessibilidade. Foram visitados dois locais por região do Município e verificado que nenhum possui acessibilidade universal. Apenas um local oferece a prática de esporte paralímpico, a modalidade basquete sobre rodas, praticado por um grupo de oito indivíduos. Dados levantados na pesquisa mostram um potencial para prática do esporte, no entanto a falta de infraestrutura como acessibilidade, incentivos e investimentos, parece ser um fator limitante para a prática massiva do esporte paralímpico de base.


Palavras-chave


Esporte paralímpico, pessoas com deficiência, acessibilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ABEL, T.; SCHNEIDER, S.; PLATEN, P.; STRUDER, HK. Performance diagnostics in handbiking during competition. Spinal Cord. v. 44, n.4, p. 211-216, 2006.

ABEP – Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. CCEB – critério de classificação econômica no Brasil. Disponível em: http://www.abep.org/novo/Content.aspx?ContentID=139. Acesso em 15 set 2012.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS NBR 9050. Acessibilidade de pessoas portadoras de deficiências a edificação, espaço mobiliário e equipamentos urbanos. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Rio de janeiro: ABNT, 1994.

AZZINI, E P. Espaços e equipamentos públicos de lazer esportivo: acessibilidade da pessoa com deficiência – o caso de Piracicaba. 2013. 105f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Ciências da Saúde, Universidade Metodista de Piracicaba.

BAILEY, S. Athlete first: A history of the Paralympic Movement. Oxford: Wiley-Blackwell, 2008.

BRASIL. Dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência. Lei nº 7.853 de 24 de outubro de 1989. Brasília, DF: 1989. Disponível em: . Acesso em 04 ago. 2018.

______. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Lei nº 13146 de 06 de julho de 2015. Brasília, DF: 2015. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em 04 mai. 2018.

FURMANIUK, L.; CYWINSKA-WASILEWSKA, G.; KACZMAREK D. Influence of long-term wheelchair rugby training on the functional abilities in persons with tetraplegia over a two-year post-spinal cord injury. J Rehabil Med. v. 42, n. 7, p. 688-690, Jul, 2010.

HANSON, C.S.; NABAVI, D.; YUEN, H.K. The effect of sports on level of community integration as reported by persons with spinal cord injury. Am J Occup Ther. v. 55, n. 3, p. 332-338, May-Jun, 2001.

HARADA, C.M.; SIPERSTEIN, G.N. The sport experience of athletes with intellectual disabilities: A national survey of Special Olympics athletes and their families. Adapted Physical Activity Quarterly. v. 26, n. 1, p. 68-85, 2009.

HETTINGA, D.M.; ANDREWS, B.J. Oxygen consumption during functional electrical stimulation-assisted exercise in persons with spinal cord injury: implications for fitness and health. Sport Med. v. 38, n. 10, p. 825-838, 2008.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2000. Rio de Janeiro, 2000.

______. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro, 2010.

______. Brasil em síntese: Cidades. Brasilia, 2015.

LAMÔNICA, D.A.C.; ARAUJO-FILHO, P.; SIMOMELLI, S.B.J.; CAETANO, V.L.S.B.; REGINA, M.R.R.; REGIANI, D.M. Acessibilidade em ambiente universitário: identificação de barreiras arquitetônicas no campus da USP de Bauru. Rev. Bras. Ed. Esp. v.14, n.2, p.177 – 188, maio/agosto, 2008.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de Pesquisa. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

MCVEIGH, S.A.; HITZIG, S.L.; CRAVEN, B.C. Influence of sport participation on community integration and quality of life: a comparison between sport participants and non-sport participants with spinal cord injury. J Spinal Cord Med. v. 32, n. 2, p. 115-124, 2009.

DE MELLO, M T.; WINCKLER, C. Esporte Paralimpico. São Paulo: Atheneu, 2012.

SERON, B.B.; ARRUDA, G.A.; GREGUOL, M. Facilitadores e barreiras percebidas para prática de atividades físicas por pessoas com deficiência motora. Rev Bras Ciênc Esporte. v.37, n.3, p.214-221, 2015.

SILVA, J.V.P.; et al. Acessibilidade às pessoas com deficiência física e visual no Parque esportivo Itanhangá. Motricidade. v. 8, n. 2, p. 249-258, 2012.

SILVA, M.C.R.; OLIVEIRA, R.J.; CONCEIÇÃO, M.I.G. Efeitos da natação sobre a independência funcional de pacientes com lesão medular. Rev Bras Med Esporte. v. 11, n. 4, p. 251-256, jul/ago, 2005.

TAGLIARI, C.; TRÊS, F.; OLIVEIRA, S.G. Análise da acessibilidade dos portadores de deficiências físicas nas escolas da rede publica de Passo Fundo-RS e o papel do Fisioterapeuta no ambiente escolar. Neurociências, v.14, n.1, Jan/mar, 2006.

TOLOCKA, R.E.; DE MARCO, A. Efeitos Fisiológicos de Exercícios Físicos em Pessoas com Lesão Medular. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. v. 4, n. 1, p. 63-68, 1996.

TOLOCKA, R.E.; FERREIRA, E.L.; RIED, B. Subsídios para competições oficiais de dança esportiva em cadeira de rodas. Campinas: CBDCR, 2003.

WINNICK, J. P. Adapted Physical Education and Sport. 5 ed. Champaig: Human Kinetis, 1990.




DOI: https://doi.org/10.5902/2316546425100



Avaliação Qualis Capes (2014):

B4- Educação Física / B3- Interdisciplinar e Psicologia / B5- Educação 

Periodicidade: contínua

ISSN: 2316-5464 online

DOI: 10.5902/23165464

email: kinesisrevista@ufsm.br


 

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.