Enraizamento de Psychotria nuda (Cham. & Schltdl.) Wawra (Rubiaceae) nas quatro estações do ano

Francine da Silva Guerellus Nery, Katia Christina Zuffellato Ribas, Henrique Soares Koehler

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509813341

Psychotria nuda (Cham. & Schltdl.) Wawra (Rubiaceae) é uma espécie arbórea nativa da Floresta Atlântica. Possui ampla distribuição geográfica no Brasil, desde os Estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro até Santa Catarina, onde é conhecida como grandiúva-d’anta. Relatos bibliográficos sobre a propagação vegetativa de Psychotria nuda não são encontrados na literatura científica, existindo apenas trabalhos que versam sobre o uso farmacológico de algumas espécies deste gênero. Assim, estacas semilenhosas de Psychotria nuda foram confeccionadas com cerca de 8 a 10 cm de comprimento, com duas folhas mantidas no terço superior e sem folhas coletadas no outono (abril/2007), inverno (julho/2007), primavera (outubro/2007), verão (janeiro/2008). As estacas foram tratadas com água; 0; 500; 1000; 1500, 3000 mgL-1 IBA. O plantio foi realizado em tubetes com vermiculita como substrato, sendo as estacas mantidas em casa de vegetação climatizada, localizada no Setor de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR), permanecendo aí por 60 dias. Foi avaliada a porcentagem de estacas enraizadas, com calos, sobrevivência e mortalidade. Como conclusão, verificou-se que a primavera e o verão são as estações mais propícias para o enraizamento, com uma média de 88,89% e 61,25%, respectivamente, para estacas com folhas. As estacas com folhas foram superiores às sem folhas. A propagação vegetativa da espécie é viável, sendo a utilização de regulador de crescimento vegetal dispensável para o processo de enraizamento.


Palavras-chave


grandiúva-d’anta; regulador de crescimento vegetal; IBA; espécie nativa

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, E. M. et al. Fenologia de Psychotria nuda e Psychotria brasiliensis (Rubiaceae) em uma área de Floresta Atlântica no sudeste do Brasil. Acta Botânica Brasílica, Rio de Janeiro, v. 14, n.3,

p. 335-346, 2000.

ALVARENGA, L. R.; CARVALHO, V. D. Uso de substâncias promotoras de enraizamento de estacas frutíferas. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, v. 9, n. 101, p. 47-55, 1983.

BIASI, R. et al. Propagation of Hayward (Actínia deliciosa) from soft and

semi-hardwood cuttings. Acta Horticulturae. Wageningen. n. 282, p. 243-250, 1990.

BORTOLINI, M. F.; et al. Tibouchina sellowiana (cham.) Cogn.: enraizamento, anatomia e análises bioquímicas nas quatro estações do ano. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 18,

n. 2, p. 159-171, 2008.

CORRÊA, C. F. et al. Área foliar e tipo de substrato na propagação por estaquia de

cipó-mil-homens (Aristolochia triangularis Cham et Schl.). Revista Brasileira de Agrociência,

Pelotas, v. 9, n. 3, p. 233-235, jul-set, 2003.

COSTA, A. G. et al. Diferentes concentrações de ácido indolbutirico no enraizamento de estacas de melaleuca. Horticultura Brasileira, Botucatu, v. 24, n. 1, 2007b (Suplemento).

DE BONA, C. M. et al. Propagação de Ligustrum sinense por estaquia semilenhosa.

Scientia Agraria, Curitiba, v.3, n.1-2, p.25-28, 2002.

DELPRETE, P. G. et al. Rubiáceas I Parte - as plantas/monografia - Rubi. - Gêneros de H - T. Flora Ilustrada Catarinense, Itajaí, 2005, p. 1-418.

FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA - Instituto Nacional De Pesquisas Espaciais. Atlas dos remanescentes florestais da Mata Atlântica, período 1995-2000. Relatório Final.

São Paulo, 2002.

GOMES, M., Rubiaceae, In: LIMA, M. P. M et al. (org.) Reserva Ecológica de Macaé de Cima, Nova Friburgo-RJ: Aspectos Florísticos das Espécies Vasculares. Jardim Botânico do

Rio de Janeiro, p. 345-426, 1996.

HARTMANN, H. T. et al. Plant Propagation: Principles and Practices. 7 ed. New York: Englewood Clipps, 2002. 880 p.

HELLER, A.; et al. Factors affecting rooting ability of Coleonema aspalathoides. Scientia Horticulturae, Amsterdam, v. 58, p. 335-341, 1994.

HOFFMANN, A.; et al. Propagação de mirtilo (Vaccinium ashei Reade) através de estacas. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.30, n.2, p.231-236, 1995.

ITOH, A. et al. Rooting ability of cuttings relate to phylogeny, habitat preference and growth characteristics of tropical rainforest trees. Forest Ecology and Management. Amsterdam, v. 168,

p. 275-287, 2002.

IRITANI, C. et al. Ação de reguladores de crescimento em estacas de Ilex paraguariensis St. Hilaire. Floresta, Curitiba, v. 12, n. 2, p. 59-67, 1981.

JANICK, J. A Ciência Horticultura. Rio de Janeiro: F. Bastos. 1966. p. 486.

KERSTEN, E.; et al. Influência do ácido indolbutírico no enraizamento de estacas de ameixeira (Prunus salicina, Lindl.). Revista Brasileira de Fruticultura, Cruz das Almas, v.16, n.1, p.215-222, 1994.

LUCCHESI, A. A. et al. Efeito da utilização do ácido indolil-3-butírico e do tratamento térmico na propagação vegetativa de gervão (Stachytarpheta elegans L.). An. Escola Superior Agrícola “Luiz de Queiroz”, Piracicaba, v. 42, p. 251-69, 1985.

MYERS, N. et al. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, London, v. 403,

p. 853-858, 2000.

NACHTIGAL, J. C. et al. Propagação de pessegueiro (Prunus persica (L.) Batsch) cv. ’Okinawa’ por meio de estacas herbáceas em câmara de nebulização em Jaboticabal - SP.

Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 22, n. 2, p. 208-212, 2000.

NORBERTO, P. M. et al. Efeito da época de estaquia e do IBA no enraizamento de estacas de figueira (Ficus carica L.). Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v.25, n.3, p.533-541, 2001.

PINHEIRO, R. V. R. et al. Influência de substâncias indutoras de crescimento e de dois diferentes leitos no “pegamento”, enraizamento e desenvolvimento da figueira. Revista Ceres, Viçosa, v. 18, n. 17, p. 210-22, 1971.

PURUSHOTHAM, K. et al. Seasonal changes in biochemical constituents and their relation to rooting of coffee (Coffe canephora Pierre) sucker cuttings. Journal of Coffee Reserch, Mysore, v. 14, n. 3, p.117-130. 1984.

REAÑO, P. C. Histological study and observations on the effects of some synthetic growth substances on stem tip cuttings of coffee. Phillipine Agriculturist, Laguna, v. 29, p. 87-99, 1940.

ROCHA, S. C. et al. Propagação vegetativa de espirradeira pela técnica da estaquia.

Scientia Agraria, Curitiba, v. 5, n. 1-2, p. 73-77, 2004.

REUVENI, O. et al. Importance of leaf retention to rooting of avocado cuttings.

Journal of the American Society for Horticultural Science, Alexandria, v.106, n.2, p.127-30, 1981.

RÚBIA, A. C. Enraizamento de estacas de plantas pelos hormônios vegetais. Revista Agric., Piracicaba, v. 40, p. 143-9, 1965.

SILVA, M. N. das. Enraizamento de estacas de seis espécies nativas de mata de galeria: Bauhinia rufa (Bong.)Steud., Calophyllum brasiliense Cam., Copaifera langsdorffii Desf., Ingá laurina (Sw.) Willd., Piper arboreumAubl. e Tibouchina stenocarpa (DC.) Cogn. 1998. 112f. Dissertação (Mestrado em Botânica) - Universidade de Brasília, Brasília, 1998.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia Vegetal, 3. ed. Artmed, Porto Alegre. 2006. 719p.

STEYEMARK, J. A. Botany of the Guayana Highlands, Part IX.

Memories of the New York Botanical Garden v. 23, p. 227 - 832, 1972.

STRUCKMEYER, E. S. Comparative effects of growth substances on stem anatomy.

In: SKOOG, F. Plant growth substances. 2. ed. Madison: Wiscosin, 1951. p. 167-174.

ZUFFELLATO-RIBAS, K. C. et al. Estaquia: uma abordagem dos principais aspectos fisiológicos. Curitiba: [K. C. Zuffellato-Ribas]. 2001. 39 p.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509813341

Licença Creative Commons