Propriedades físicas e mecânicas de painéis de madeira aglomerada de Acrocarpus fraxinifolius, compostos com diferentes percentuais de casca

Rosilani Trianoski, Setsuo Iwakiri, Jorge Luis Monteiro de Matos, José Guilherme Prata

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509812360

A indústria de painéis de madeira aglomerada tem utilizado grandes volumes de madeira, sobretudo de florestas plantadas de Pinus, sendo necessário diversificar espécies, bem como maximizar o uso da matéria-prima. Uma das maneiras de maximizar o uso deste recurso é a utilização da casca no processo produtivo. Desta forma, este trabalho teve como objetivo avaliar as propriedades físicas e mecânicas de painéis aglomerados de Acrocarpus fraxinifolius contendo diferentes percentuais de casca. Foram manufaturados painéis com 100% de partículas de madeira de Acrocarpus fraxinifolius e painéis com partículas da madeira de Acrocarpus e percentuais de casca de 10%, 20% e 30%, massa especifica nominal de 0,75 g/cm3 e 8% de resina. As propriedades de massa especifica aparente, absorção de água e inchamento em espessura, flexão estática, tração perpendicular à superfície e arrancamento de parafuso foram determinadas de acordo com as normas EN e NBR, e comparadas com um tratamento testemunha (100% Pinus taeda) e com requisitos normativos prescritos pelas respectivas normas. Os resultados demonstraram que a espécie apresenta viabilidade técnica para produção de painéis de madeira aglomerada e que a crescente adição de casca não afetou negativamente as propriedades físicas e mecânicas dos painéis.


Palavras-chave


painéis de madeira; painéis de madeira aglomerada; <i>Acrocarpus fraxinifolius</i>; casca

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 14810 – 2 – Chapas de madeira aglomerada – Parte 2 – Requisitos. 2006.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 14810 – 3 – Chapas de madeira aglomerada – Parte 3 – Métodos de Ensaio. 2006.

BATISTA, D. C. et al. Fabricação de aglomerados de três camadas com madeira de Pinus elliottii Engelm e casca de Eucalyptus pellita F. Muell. Cerne, Lavras, v. 13, n. 2, p. 178-187, 2007.

BRITO, E. O. et al. Chapas de madeira aglomerada de uma camada de Pinus elliottii Engelm com a adição das cascas de Eucalyptus pellita F. Muell. Cerne, v. 11, n. 4, p. 369-375, 2005.

CABRAL, C. P. et al. Propriedades de chapas de aglomerado confeccionadas com misturas de partículas de Pinus spp e Pinus elliottii. Árvore, Viçosa, v. 31, n. 5, p. 897-905, 2007.

COLPINI, C. et al. Determinação do volume , fator de forma e da porcentagem da casca de árvores individuais em uma Floresta Ombrófila Aberta na Região Noroeste de Mato Grosso. Acta Amazônica, Manaus, v. 39, n. 1, p. 97-104, 2009.

COMISSÃO PANAMERICANA DE NORMAS TÉCNICAS. COPANT 461. Determinación del peso especifico aparente. 1972.

COSTA, V. E.; REZENDE, M. A. Produtividade de reflorestamentos de seminal, clone e híbrido de Eucalyptus grandis x E. urophylla na região de Botucatu, SP. Revista Energia na Agricultura, Botucatu v. 23, n. 2, p. 115-128, 2008.

DACOSTA, L. P. E. et al. Qualidade das chapas de partículas aglomeradas fabricadas com resíduos do processamento mecânico de Pinus elliottii (Engelm). Ciência Florestal, Santa Maria, v. 15, n. 3, p. 311-322, 2005.

EUROPEAN STANDARD. EN 310. Determination of modulus of elasticity in bending and of bending strength. Versão portuguesa, 2002.

EUROPEAN STANDARD. EN 312. Particleboards – Specifications. .English version. 2003.

EUROPEAN STANDARD. EN 317. Determination of swelling in thickness after immersion in water.English version. 2002.

EUROPEAN STANDARD. EN 319. Determinação da resistencia à tração perpendicular às faces da placa. Versão Portuguesa. 2002.

EUROPEAN STANDARD. EN 323. Determinação da massa volúmica. Versão Portuguesa. 2002.

FOELKEL, C. Casca da árvore do eucalipto: Aspectos morfológicos, fisiológicos, florestais, ecológicos, e industriais visando a produção de celulose e papel. Eucalyptus Book Online e Newsletter 2009. Disponível em: . Acesso em 22/07/2012.

GALVÃO, A. P. M. Reflorestamento de propriedades rurais para fins produtivos e ambientais. Brasília : EMBRAPA, 2000. 351 p.

HASELEIN, C. R. et al.Características tecnológicas da madeira de árvores matrizes de Eucalyptus grandis. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 2, p. 145-155, 2004.

IWAKIRI, S. et al. Use of Wood from Pinus caribaea var. caribaea and Pinus caribaea var. bahamensis for production of particleboard panel. Cerne, Lavras, v. 16, n. 2, p. 193-198, 2010.

IWAKIRI, S. et al. Painéis de madeira aglomerada. In: Painéis de madeira reconstituída. Curitiba, Fupef, 2005, p. 123-158.

IWAKIRI, S. et al. Utilização de resíduos de serrarias na produção de chapas de madeira aglomerada de Eucalyptus saligna, Eucalyptus citriodora e Eucalyptus pilularis. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 7, n.1, p. 251-256, 2000.

KEINERT JR. S.; MATOS, J. L. M. Utilização de Pinus pinaster para fabricação de chapas de partículas. Floresta, Curitiba, v. 17, n. 1-2, p. 113-120, 1987.

MACHADO, S. A.; FIGUEIREDO FILHO, A. Dendrometria. 2. ed. Guarapuava: Unicentro, 2006. 316 p.

MAGHEMBE, J. A.; PRINS, H. Performance of multipurpose trees for agroforestry two years after planting at Makoka, Malawi. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 64, n. 2-3, p. 171-182, 1994.

MALONEY, T. M. Modern particleboard and dry-process fiberboard manufacturing. San Francisco: M. Freeman, 1993. 689 p.

MELO, R. R.; DEL MENEZZI, C. H. S. Influência da massa específica nas propriedades físico-mecânicas de painéis aglomerados. Silva Lusitana, Oeiras, v. 18, n.1, p.5-73, 2010.

MOSLEMI, A. A. Particleboard: Materials. London: Southern Illinois: University Press. 1974. 244 p.

NAUMANN. R. B. et al. Propriedades de chapas fabricadas com partículas de madeira de Eucalyptus urophylla S.T.Blake e Schizolobium amazonicum Herb. Àrvore, Viçosa, v. 32, n. 6, p. 1143-1150, 2008.

PANSHIN, A. J.; DE ZEEW, C. Textbook of wood technology. 4th ed. New York: MC Graw Hill, 1980. 722 p.

PRADO, C. A. et al. Características físicas e químicas da madeira de Acrocarpus fraxinifolius Wight & Arn. Colombo: Embrapa Florestas, 2003, 14 p. (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento n.14)

PRATA, J. G. Estudo da viabilidade tecnológica do uso de espécies de Pinus tropicais para produção de painéis colados lateralmente (EDGE GLUED PANEL- EGP) 2010. 114 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010.

RAÍ, S. N. Pré-treatment of Acrocarpus fraxinifolius seeds. Indian Forester, Dehradun, v. 102, n. 8, p. 488-491, 1976.

STAMM, A. J. Wood and cellulose science. New York: The Ronald Press Company, 1964. 549 p.

TECHNICAL ASSOCIATION OF THE PULP AND PAPER INDUSTRY. TAPPI 264. Preparation of wood for chemical analysis. Atlanta, 1997.

TECHNICAL ASSOCIATION OF THE PULP AND PAPER INDUSTRY. TAPPI 252. pH and electrical conductivity of hot water extracts of pulp, paper, and paperboard. Atlanta, 2002.

TECHNICAL ASSOCIATION OF THE PULP AND PAPER INDUSTRY. 2002. TAPPI 257.Sampling and preparing wood for analysis. Atlanta. 2002.

TRIANOSKI, R. Avaliação do potencial de espécies florestais alternativas de rápido crescimento para produção de painéis de madeira aglomerada. 2010. 260 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba. 2010.

TRIANOSKI, R. Avaliação da qualidade da madeira de espécies de Pinus tropicais por meiode métodos convencionai e não-destrutivos. 2012. 553 f. Tese (Doutorado em Ciências Florestais) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba. 2012.

VIGNOTE, P. S.; JIMÉNEZ, P. F. J. Tecnologia de la madera. Madrid, Ministerio de Africultura, Pesca y Alimentación, 1996, 602 p.

VITAL, B. R. et al. Influência da casca no rendimento e na qualidade do carvão de Eucalyptus grandis. IPEF, Piracicaba, n. 41/42, p. 44-49, 1989.

WHITMORE, J. L; OTAROLA, T. Acrocarpus fraxinifolius Wight, especie de rápido crecimiento inicial, buena forma y madera de usos múltiples. Turrialba, San José, v. 2, p. 201-204, 1976.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509812360

Licença Creative Commons