Zoneamento ambiental de bacia hidrográfica ocupada por assentamento rural: estudo de caso do Córrego Indaiá- MS

Leandro Félix da Siva, Elias Rodrigues da Cunha, Vitor Matheus Bacani

Resumo


A instalação de um complexo de assentamentos rurais na bacia hidrográfica do córrego Indaiá tem promovido alterações na dinâmica de uso da terra e cobertura vegetal. Neste sentido o zoneamento ambiental apresenta-se como uma boa alternativa para o manejo adequado dos recursos naturais. O objetivo deste trabalho foi elaborar uma proposta de zoneamento ambiental para a bacia hidrográfica do córrego Indaiá, localizada no sudeste do município de Aquidauana no estado do MS. O zoneamento ambiental foi elaborado através da combinação dos dados de fragilidade ambiental, uso da terra e cobertura vegetal e o código florestal brasileiro, a partir de análise espacial utilizando geotecnologias. Os resultados obtidos apresentaram-se bastante satisfatório e permitiram a definição de cinco zonas ambientais: zona de desenvolvimento agropastoril de alta restrição (36,56%), zona de desenvolvimento agropastoril de média restrição (21,30%), zona de proteção especial (28,56%), zona de proteção máxima (6,82%) e a zona estratégica de recuperação (6,76%). A proposta de zoneamento ambiental indicou eficientemente áreas de preservação dos recursos naturais e de atividades econômicas que podem ser exercidas na bacia hidrográfica do córrego Indaiá.


Palavras-chave


Área de Preservação Permanente, Fragilidade Ambiental, Geotecnologias

Texto completo:

PDF

Referências


ARCGIS/ARCINFO – Esri Inc. ArcGis Version 10. Environmental Systems Research Institute Inc. New York, 1 Cd Rom 2012.

BACANI, V. M. LUCHIARI, A. Geoprocessamento aplicado ao zoneamento ambiental da bacia do alto rio Coxim-MS.

GEOUSP – Espaço e Tempo, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 184-197, 2014.

BACANI, V. M. SAKAMOTO, A. Y. LUCHIARI, A. QUÉNOL, H. Sensoriamento remoto e SIG aplicados à avaliação da fragilidade ambiental de bacia hidrográfica. Mercator, Fortaleza, v. 14, n. 2, p. 119-135, mai./ago. 2015.

BRANDÃO, M.; CARVALHO, P. G.S. BARUGUI, F. M. Veredas uma abordagem integrada. DAPHNE – Revista do Herbário PAMG, Belo Horizonte, v,1, n.3, p.5- 8,1991.

CARVALHO, P. G. S. As veredas e sua importância no município dos cerrados. DAPHNE – Revista do Herbário PAMG, Belo Horizonte, v. 15, n. 168, p. 54-56, 1991.

CONGALTON, R. G. A review of assessing the accuracy of classifications of remotely sensed data. Remote Sensing of Environment, v. 49 n. 12, p. 1671-1678, 1991.

CUNHA, E. R. da ;BACANI, V. M.; FACINCANI, E. M.; SAKAMOTO, A. Y. ; LUCHIARI, A. Remote sensing and gis applied to geomorphological mapping of the watershed stream Indaia, MS, Brazil. In: 8th IAG International Conference on Geomorphology, 2013, Proceedings... Paris-France, 2013.

CUNHA, E. R. BACANI, V. M.; AYACH, L. R. Geoprocessamento aplicado à análise da fragilidade ambiental. Revista da ANPEGE, Presidente Prudente, v. 09, p. 91-121, 2013.

CREPANI, E. MEDEIROS, J. S. DE. HERNANDEZ FILHO, P. FLORENZANO, T. G. DUARTE, V. BARBOSA, C. C. F. Sensoriamento remoto e geoprocessamento aplicados ao Zoneamento Ecológico-Econômico e ao ordenamento territorial. São José dos Campos: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE, 2001.

DIRETORIA DO SERVIÇO GEOGRÁFICO DO EXÉRCITO (1966) – Folha SF-21-X-A-III – Aquidauana, Escala 1:100.000.

EMBRAPA. Dados de chuvas. Disponível em: http://www.cpao.embrapa.br/clima/clima.cpao/index. php?pg=chuvams&cidade=Aquidauana. Acesso em: 15 de fevereiro de 2014.

EXELIS VISUAL INFORMATION SOLUTIONS.ENVI/ software ENVI 5.1. Bolder, Colorado, 1 Cd Rom. 2014.

FITZ, P. R. Cartografia Básica. São Paulo: Oficina de Textos, 2008.

FUSHIMI. M, NUNES. J, O. R. NAKAMURA. R, Y. TAKATA. L, T.O. Vulnerabilidade Ambiental e Aplicação de Técnicas de Contenção aos Processos Erosivos Lineares em Áreas Rurais do Município de Presidente Prudente - SP. Revista Brasileira de Geomorfologia, Presidente Prudente, v. 14, p. 343-356, 2013.

BRASIL, Ministério das Minas e Energias. Secretaria Geral. Projeto RADAMBRASIL: Geologia, Geomorfologia, Pedologia, Vegetação e Uso potencial da terra.,. Folha SE. 21. Campo Grande. Rio de Janeiro, 1982.

BRASIL. Áreas Prioritárias para Conservação, Uso Sustentável e Repartição de Benefícios da Biodiversidade Brasileira: Atualização - Portaria MMA n°9, de 23 de janeiro de 2007/Ministério do Meio Ambiente, Secretaria de Biodiversidade e Florestas. – Brasília: MMA, 2007.

BRASIL. Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza – SNUC. Lei No 9.985, de18 de Julho de 2000. Brasília, Diário Oficial da União, 2000.

BRASIL. Código Florestal Brasileiro. Lei 12.651, de 25 de maio de 2012. Brasília, Diário Oficial da União, 2012.

BRASIL. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 28 mai. 2012.

BECKER, B. K.; EGLER, C. A. G. Detalhamento da Metodologia para Execução do Zoneamento Ecológico Econômico pelos Estados da Amazônia Legal. Brasília.

SAE-Secretaria de Assuntos Estratégicos/ MMA Ministério do Meio Ambiente. 1996.

GUERRA, A. J. T. MARÇAL, M. S. Geomorfologia Ambiental. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 2006.

INCRA, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Disponível em http://www.incra.gov.br/index.php/noticias-sala-de-imprensa/noticias/9946-incra-lanca-complexo-de-assentamentos-em-aquidauana. Acesso, 13, abril, 2013.

IBAMA, Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Roteiro Metodológico

para Gestão da Área de Proteção Ambiental. Brasília: Edições IBAMA, 2001.

KAGEYAMA, P. Y. Estudo para implantação de matas de galeria na bacia hidrográfica do Passa Cinco visando a utilização para abastecimento público. Piracicaba: Universidade de São Paulo. Relatório de Pesquisa.1986.

LANDIS, J. R. KOCH, G. G. The measurement of observer agreement for categorical data. Biometrics, v.33, n.1, p. 159-174, 1977.

LANDSAT OLI 8: imagem de satélite. Virginia: USGS - United States Geological Survey,2015. 1 fotografia área. Escala 1:100.000. Bandas 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 e 8.

LIMA, W. P. Função da mata ciliar. In: SIMPÓSIO SOBRE MATA CILIAR, Campinas. Anais... Campinas: Fundação Cargil, p.25-42, 1989.

LOPES, S. L. J. CESTARO, L.A. KELTING, F. M. S. Zoneamento Ambiental como Instrumento de Uso e Ocupação do Solo do Município de Aquiraz-CE. Boletim Goiano de Geografia. Goiânia, v. 32, n. 1, p. 93-104. 2012.

OLIVEIRA, P. T. S. RODRIGUES, D. B. B. ALVES SOBRINHO, T. E. PANACHUKI, Zoneamento Ambiental Aplicado à conservação do Solo e da Água. Revista Brasileira Ciência do Solo. Viçosa, v. 35, p. 1723-1734, 2011.

PEIXOTO, K, S. SANCHEZ. M. PEDRONI. F. RIBEIRO. M, N. KLEIN. V, L. G. GUILERME. F, A.G. Dinâmica da Comunidade Arbórea em uma Floresta Estacional Semidecidual sob Queimadas Recorrentes. Acta Botanica Brasilica. Belo Horizonte. v. 26, n 3. p. 697-708. 2012.

PINTO, A. L, Saneamento básico e suas implicações na qualidade das águas subterrâneas da cidade de Anastácio (MS). Tese (Doutorado em Geociências) – Universidade Estadual Paulista/Instituto de Geociências e Ciências Exatas, 175p. Rio Claro,1998.

PIRES, L. C. SILVA, L. F. MENDONÇA, B. G. BACANI, V. M. Análise da fragilidade ambiental do município de Aquidauana-MS. Revista Caderno de Geografia - PUC Minas. v.25, n.43, p. 52-65. 2015.

REMPEL, C. ECKHARDT, R. R. SHULTZ, G. PÉRICO, E. CYRNE, C. C. S. Zoneamento Ecológico-Econômico - ZEE - Para Sistemas Orgânicos de Produção Agropecuária. TECNO-LÓGICA, Santa Cruz do Sul. v. 16, n. 2, p. 90-97. 2012.

RIBEIRO. M, N. SANCHEZ. M. PEDRONI. F. PEIXOTO, K, S. Fogo e Dinâmica da Comunidade Lenhosa em Cerrado Sentido Restrito, Barra do Garças, Mato Grosso. Acta Botanica Brasilica. Belo Horizonte. v. 26, n 1. p. 203- 217. 2012.

ROSS, J. L. S. Análise Empírica da Fragilidade dos Ambientes Naturais e Antropizados. Revista do departamento de geografia. São Paulo. n 8. 1994.

ROSS, J. L. S. Ecogeografia do Brasil. São Paulo: Oficina de Textos, 2006.

ROSS, J. L. S. Land forms and environmental planning: potentialities and fragilities. Revista do Departamento de geografia, São Paulo. Edição Especial, p. 38 – 51. 2012.

SANT‟ANNA NETO, J. L. Algumas considerações sobre a dinâmica climática da porção sudeste do Pantanal Sul-mato-grossense. Boletim Paulista de Geografia. São Paulo n. 67. p.75-88. 1989.

SILVA, J. S. V. POTT, A. ABDON, M. M. POTT, V. J. SANTOS, K, R. Projeto GeoMS: Cobertura vegetal e uso da terra do Estado de Mato Grosso do Sul. Campinas: Embrapa Informática Agropecuária, p. 64. 2011.

SILVA NETO, J. C. A. Zoneamento Ambiental como Subsídio para o Ordenamento do Território da Bacia Hidrográfica do Rio Salobra, Serra Da Bodoquena – MS. RA’EGA Curitiba. v.32, p.119-142. 2014

TRIMBLE GEOSPATIAL. Software eCognition Developer 8.0. Disponível em: http://www.ecognition.com/suite/ecognition-developer. Acesso em: 16 abr. 2015.

THOMAS, B. L. Proposta de Zoneamento Ambiental para o Município de Arroio do Meio – RS. RA´E GA, Curitiba, v. 24. p. 199-226. 2012.

VALERIANO, M. de M. TOPODATA: guia de utilização de dados geomorfométricos locais - São José dos Campos: INPE, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236499427352

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexações e Bases Bibliográficas