A literatura como fonte para a história da Geografia escolar no Brasil

Jeane Medeiros Silva

Resumo


Como contribuição ao conhecimento histórico da Geografia Escolar brasileira, no período anterior à institucionalização da ciência geográfica no Brasil (dos anos 1810 a 1930), este trabalho objetivou analisar discursos sobre o saber geográfico ensinado, distinto do saber a ser ensinado e do saber apreendido. Para tanto, utilizou-se de fontes da literatura brasileira, tais como romances e memórias, das quais recortamos diversos fragmentos discursivos, de diferentes épocas e nos quais se mencionam vivências e práticas do ensinar Geografia. O trabalho demonstrou como se ensinava e se aprendia Geografia, qual a percepção desse ensino e quais os significados dessa disciplina para os sujeitos ao longo no período delimitado.


Texto completo:

PDF

Referências


BARRETO, L. Triste fim de Policarpo Quaresma. 25. ed. São Paulo: Brasiliense, 1981. 215 p.

BITTENCOURT, C. Livro didático e saber escolar. 1810-1910. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008. 240 p. (Col. História da Educação).

BURGAIN, J. J. A. Geographia patria elementar. Rio de Janeiro: B. L. Garnier, 1885. 110 p.

CAMINHA, A. A normalista. (Scenas do Ceará). São Paulo: Empresa Editora J. Fagundes, 1936. 231 p.

ISSLER, B. A geografia e os estudos sociais. 1973. 253 F. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Presidente Prudente, Presidente Prudente, 1973.

MACHADO DE ASSIS, J. M. Ex Cathedra. Histórias sem data. In: MACHADO DE ASSIS, J. M.Obra completa. 9. reimp. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1997b. p. 457-458. v. 2.

MACHADO DE ASSIS, J. M. Quincas Borba. In:MACHADO DE ASSIS, J. M. Obra completa. 9. reimp. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1997a. p. 754. v. 1.

MACHADO DE ASSIS, J. M.. A semana: crônicas. 1892-1893. Organização, introdução e notas de John Gledson. São Paulo: Hucitec, 1996. p. 312.

MORLEY, H. Minha vida de menina. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. p. 87; 112.

OLIVEIRA, J. B. A. ; GUIMARÃES, S. D. P.; BOMÉNY, H. M. B. A política do livro didático. 2. ed. São Paulo: Summus; Campinas: Editora da UNICAMP, 1984. 139 p.

PEREIRA, L. A escola antiga. Revista do ensino, Belo Horizonte, Diretoria de Instrução Pública, ano III, n. 23, outubro de 1927.

POMPÉIA, R. O Ateneu. Rio de Janeiro: INL, 1971. 247 p.

PROENÇA, A. F. Como ensinar geographia. São Paulo: Melhoramentos, 1928.

RAMOS, G. Professores inprovisados. In:RAMOS, G. Viventes das Alagoas. 19. ed. Rio de Janeiro: Record, 2007. p. 147-149.

ROCHA, G. O. R. A trajetória da disciplina Geografia no currículo escolar brasileiro (1837-1942). 1996. 297 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1996.

ROSA, J. G. Grande sertão: veredas. 19. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001. p. 30.

SILVA, J. M. A bibliografia didática de Geografia: história e pensamento do ensino geográfico no Brasil (1814-1930...). 2012. 387 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal de Uberlândia, Instituto de Geografia, Uberlândia, 2012.

SILVA, J. M. A constituição de sentidos políticos em livros didáticos de Geografia na ótica da Análise do Discurso. 2006. 275 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal de Uberlândia, Instituto de Geografia, Uberlândia, 2006.

SILVA, J. M. Análise do Discurso e pesquisa qualitativa na Geografia. In: RAMIRES, J. C. L.; PESSÔA, V. L. S. Geografia e Pesquisa Qualitativa. Nas trilhas da investigação. Uberlândia: Assis Editora, 2009. p. 91-122.

VLACH, V. R. F. A propósito do Ensino de Geografia: em questão, o nacionalismo patriótico. 1988. 206 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) –Universidade de São Paulo, São Paulo, 1988.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2236499424580

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexações e Bases Bibliográficas