Queijos artesanais: qualidade físico-química e microbiológica e avaliação das condições higiênico-sanitárias dos manipuladores e ambiente de produção

Gabriela Rigueira Miranda, Ana Márcia Souza, Aurélia Dornelas de Oliveira Martins, Elaine Souza Cocaro, José Manoel Martins

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/2318179618101

A produção de queijos a partir de leite cru é uma atividade tradicional nos municípios de Minas Gerais. O presente estudo objetivou avaliar as boas práticas de fabricação na produção de queijos artesanais em Teixeiras-MG. Foram coletadas amostras de leite cru e queijo Minas artesanal de três propriedades. As amostras foram avaliadas quanto as características físico-químicas e microbiológicas. Em quatro agroindústrias familiares foram analisadas superfícies de produção, mãos do ordenhador e manipulador e caixa de transporte pela técnica do swab, bem como realizadas análises microbiológicas dos ambientes de produção e geladeira. Das amostras avaliadas, as análises de aeróbios mesófilos do leite cru refrigerado apresentaram valores acima dos exigidos pela legislação. Acidez e proteína do leite de duas propriedades apresentaram valores não conformes com a legislação vigente. Todas as amostras de queijo apresentaram valores de coliformes conforme estabelecido pela legislação vigente. Contagens de aeróbios mesófilos, coliformes a 30°C e 45°C e bolores e leveduras apresentaram valores superiores nas mãos do ordenhador quando comparado ao manipulador de alimentos. Conclui-se a importância das boas práticas de fabricação na produção do queijo, assim como a qualidade da matéria-prima para que o produto final seja seguro do ponto de vista microbiológico.


Palavras-chave


agroindústria familiar, boas práticas de fabricação, segurança dos alimentos

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, C. R. S.; SANTOS, E. P. Leite cru comercializado na cidade de Solânea, PB: caracterização físico-química e microbiológica. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, v. 13, n. 1, p. 7-13, 2011.

ANDRADE, N. J. Higiene na indústria de alimentos: avaliação e controle da adesão e formação de biofilmes bacterianos. São Paulo: Editora Varela, 2008.

ANDRADE, N. J; MACEDO, J. A. B. Higienização na indústria de alimentos. São Paulo: Editora Varela, 1996.

APHA. American Public Health Association. For the examination of dairy products, 17. ed. Editora: Robert T. Marshall. 2001.

BASTOS, M. do S. R.; NASSU, R. T.; BORGES, M. de F.; SILVA, J. B. Inspeção em uma indústria produtora de queijo tipo coalho o estado do Ceará, visando a implantação das boas práticas de fabricação. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, v. 57, p. 130-136, 2001.

BELOTI, V.; BARROS, M. A. F.; SOUZA, J. A.; SANTANA, E. H. W.; BALARIN, O.; CURIAKI, Y. Avaliação da qualidade do leite cru comercializado em Cornélio Procópio, Paraná: controle de consumo e da comercialização. Semina: Ciências Agrárias, v. 20, n. 1, p. 12-15, 1999.

BJORKROTH, J.; KOORT, J. Lactic acid bactéria: taxonomy and biodiversity. In: John FUQUAY, W.; FOX, P. F.; MCSWEENEY, P. L. H (ed.). Encyclopedia of Dairy Science. 2. ed. London: Elsevier, 2011. v. 1, p. 45-48.

BRANDÃO, J. B., BREITENBACH, R., DIAS, V. S., SILVA, B. B. Leite clandestino: a informalidade orientada pela demanda – Um diagnóstico da produção e comercialização em Itaqui/Rio Grande do Sul. Extensão Rural, v. 22, n. 2, p. 113-131, 2015.

BRASIL. Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n. 30, de 07 de Agosto de 2013. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 08/08/2013.

BRASIL. Minas Gerais. Lei nº 20549, de 18 de dezembro de 2012. Dispõe sobre a produção e a comercialização dos queijos artesanais de Minas Gerais.

BRASIL. Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal. Instrução Normativa n. 62, de 26 de agosto de 2006. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 2003.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 68, de 12 de dezembro de 2006. Métodos Analíticos oficiais físico-químicos, para controle de leite e produtos lácteos. Diário Oficial da União, Brasília, v. Seção 1, p. 8, 2006.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 62, de 29 de dezembro de 2011. Regulamento Técnico de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leite Cru Refrigerado, o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leite Pasteurizado e o Regulamento Técnico da Coleta de Leite Cru Refrigerado e seu Transporte a Granel. Brasília. MAPA, 2011.

BRASIL. Portaria nº 146, de 07 de março de 1996. Ministério da Agricultura e do Abastecimento. Secretaria Nacional de Inspeção de Produtos de Origem Animal. Regulamentos Técnicos de Identidade e Qualidade dos Produtos Lácteos. Diário Oficial da União, Brasília, mar. 1996.

BRASIL. Resolução n. 7, de 28 de novembro de 2000. Critérios de Funcionamento e de Controle da Produção de Queijarias, para seu relacionamento junto ao Serviço de Inspeção Federal. Ministério da Agricultura e do Abastecimento. Secretaria Nacional de Inspeção de Produtos de Origem Animal. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2 de janeiro de 2001.

BRITO, M. A. V. P.; BRITO, J. R. F.; PORTUGAL, J. A. B. Identificação de contaminantes bacterianos no leite cru de tanques de refrigeração. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, v. 57, n. 327, p. 83-88, 2010.

CÂMARA, S. A. V.; AMARAL, G. B.; MULLER, M. T.; SILVEIRA, K. C. S.; ALMEIDA, T. N.; MEDEIRO, C. F. Avaliação microbiológica de queijo tipo minas frescal artesanal, comercializados no mercado municipal de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Revista Higiene Alimentar. v. 16, n. 101, p. 32-36, 2000.

EMATER-MG. 8º Concurso Regional do Queijo Minas Artesanal Araxá. Disponível em: http://www.emater.mg.gov.br/portal. Acesso em maio de 2014.

FERREIRA, D. F. Sisvar versão 4.2. DEX/UFLA, 2003

FREITAS, W. C; TRAVASSOS, A. E. R; MACIEL, J. F. Avaliação microbiológica e físico-química de leite cru e queijo de coalho produzidos no estado da Paraíba. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, v. 15, n. 1, p. 35-42, 2013.

GOMES, F. C. O.; ROSA, C. A.; SILVA, C. L. C.; WALTER, M. E.; Avaliação microbiológica, físico-química e sensorial de amostras de queijo minas artesanal, comercializadas em mercado público de Belo Horizonte, MG. Revista Higiene Alimentar, v. 24, n. 192/193. p. 97-101, 2010.

IBGE, 2014. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=316850&search=minas-gerais|teixeiras. Acesso em: 10 de outubro de 2014.

IMA. Agroindústria Familiar. Disponível em: www.ima.mg.gov/agroindustria-familiar. Acesso em maio 2014.

JAY, J. M. Microbiologia de alimentos, 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2005.

LEI ESTADUAL/MG n. 14.185, de 31 de janeiro de 2002. Dispõe sobre o processo de produção do Queijo Minas Artesanal e dá Outras Providências. Belo Horizonte, 2002.

MACHADO, E. C.; FERREIRA, C. L. L. F.; FONSECA, L. M.; SOARES, F. M.; PEREIRA JUNIOR, F. N. Características físico-químicas e sensoriais do queijo Minas Artesanal produzido na região do Serro, Minas Gerais. Ciência e Tecnologia em Alimentos, v. 24, p. 516-521. 2004.

MATTOS, C. A. C.; SANTANA, A. C. As contribuições da pecuária leiteira para os agricultores familiares: um estudo no sudeste do estado do Pará. Extensão Rural, v. 20, n. 1, p. 56-71, 2014.

MESQUITA, M. O.; DANIEL, A. P.; SACCOL, A. L. F.; MILANI, L. I. G.; FRIES, L. L. M. Qualidade microbiológica no processamento de frango assado em unidades de alimentação e nutrição. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 26, n. 1, p. 198-203, 2006.

MOLINERI, A. L.; SIGNORINI, M. L.; CUATRÍN, A. L.; CANAVESIO, V. R.; NEDER, V. E.; RUSSI, N. B.; BONAZZA, J. C.; CALVINHO, L. F. Association between milking practices and psychrotrophic bacterial counts in bulk tank milk. Revista Argentina de Microbiologia, v. 44, p. 187-194, 2012.

MONTANHINI, M. T. Z; HEIN K. K. Qualidade do leite cru comercializado informalmente no município de piraí do Sul, estado do Paraná, Brasil. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, v. 68, n. 393, p. 10-14, 2013.

NERO, L. A.; MATTOS, M. R.; BELOT, V.; BARROS, M. A. F.; PINTO; J. P. A. N.; ANDRADE, N. J.; SILVA, W. P.; FRANCO, B. D. G. M. Leite cru de quatro regiões leiteiras brasileiras: perspectivas de atendimento dos requisitos microbiológicos estabelecidos pela Instrução Normativa 51. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 25, n. 1, p. 191-195, 2005.

OLIVEIRA, D. F.; PORTO, M. A. C.; BRAVO, C. E. C.; TONIAL, I. B. Caracterização físico-química de queijos Minas Artesanal produzidos em diferentes microrregiões de Minas Gerais. Revista Brasileira de Economia Doméstica, v. 24, n. 2, p. 185-196, 2013.

OLIVEIRA, M. N. Tecnologia de produtos lácteos funcionais. São Paulo: Atheneu; 2009.

PEIXOTO, J. P. N.; NASCIMENTO, J. W. B.; FURTADO, A. F.; OLIVEIRA, C. J. B.; GOMES, J. P. Qualidade do ambiente e níveis de contaminação por micro-organismos em queijarias, no agreste paraibano. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, v. 14, n. 2, p. 177-183, 2012.

PINTO, C. L. O. ; MARTINS, M. L.; VANETTI, M. C. D. Qualidade microbiológica deleite cru refrigerado e isolamento de bactérias psicrotróficas proteolíticas. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 26, n. 3, p. 645-651, 2006.

SANTANA, R. F.; SANTOS, D. M.; MARTINEZ, A. C. C.; LIMA, A. S. Qualidade microbiológica do queijo-coalho comercializado em Aracaju, SE. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 60, n. 6, 2008.

SANTANA, E. H. W.; BELOTI, V.; BARROS, M. A. F. Microrganismos psicrotróficos em leite. Higiene Alimentar, v. 15, p. 27-33, 2001.

SCHWAB, C. G. Rumen protected amino acids for dairy cattle: progress towards determining lysine and methionine requirements. Animal Feed Science Technology, v. 59, p. 87-101, 1996.

SILVA, N. B. N.; CHAVES, K. F.; GRAVINA, C. S.; MENDES, A. C. G.; MARTINS, A. D. O.; MARTINS, M. L. Avaliação microbiológica de equipamentos e Utensílios utilizados em laticínios da região de Rio Pomba – MG, Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, v. 66, n. 378, p. 5-10, 2011.

SIMILI, F. F.; LIMA, L. M. P. Como os alimentos podem afetar a composição de leite

de vacas. Pesquisa & Tecnologia, v. 4, n. 1, 2007.

SILVA, P. H. F; PEREIRA, D. B. C; OLIVEIRA, L. L; JÚNIOR, L. C. G. C. Livro físico-química do leite e derivados:métodos analíticos. Juiz de Fora: Editora UFJF. 1997.

SIQUEIRA, H. M.; LACERDA, M. G. F.; RODRIGUES, R.; BIANCARDI, C. C. S. Comercialização solidária da produção familiar de alimentos em Alegre-ES. Extensão Rural, v. 21, n. 3, p. 98-118, 2013.

SOARES, J. C. V.; SILVEIRA, V. C. T.; FIALHO, M. A. V. A crise e o recrudescimento da cadeia produtiva do leite na região noroeste/RS a partir da década de 90 e políticas agrícolas – possíveis relações. Extensão Rural, Ano XVII, n. 19, p. 135-159, 2010.

SOUZA, J. B. L. Agricultura familiar e pecuária leiteira: um estudo dos assentamentos nos municípios de Peabirú e Quinta do Sol. Universidade Estadual de Maringá. Centro de ciências sociais aplicadas. Programa de pós-graduação em economia. Maringá-PR, 2010.




DOI: https://doi.org/10.5902/2318179618101

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Licença Creative Commons
Extensão Rural está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

...................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................

*** DESDE 2014 O PERIÓDICO É PUBLICADO TRIMESTRALMENTE***

.....................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................

Geral: 10.5902/23181796 (os especificos estão nos RESUMOS - clique sobre o titulo do trabalho, no sumário) 


Periódico Extensão Rural

ISSN impresso: 1415-7802

ISSN on-line: 2318-1796

.........................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................

INDEXADORES -  INDEXERS

INTERNACIONAL: 1- AGRIS 2- Latindex-Directorio 3- Diretório Luso-Brasileiro 4- REDIB 5- Journals for Free 6- EZB Nutzeranfragen 7- OAJI 8 - ROAD - 9- MIAR 

NACIONAL: 10- AGROBASE 11- Portal livRe! 12- Sumários.org 13- Diadorim 14- Portal SEER 15- Portal de Periódicos CAPES 16- Rede Cariniana 17- Google Scholar 18- Sabiia

 ...................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................

CONTATO:
E-mail: atendimento.extensao.rural@gmail.com- Campus Universitário - Departamento de Educação Agrícola e Extensão Rural/Centro de Ciências Rurais/Universidade Federal de Santa Maria - Prédio 44 (CCR II) - 1º Piso - CEP: 97105-900 - Santa Maria - RS - BRASIL. 

 

"Os trabalho publicados na revista Extensão Rural são de responsabilidade dos seus autores e não representam necessariamente a opinião dos editores. Reprodução dos trabalhos é permitida, desde que a fonte seja citada."

.........................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................

Visite nosso perfil no Facebook

Visite nossa página no Facebook


Baseado no trabalho disponível em https://periodicos.ufsm.br/extensaorural.