Identificação e descrição de classes etnopedológicas de terras e atributos com agricultores familiares de Antonina e Morretes – PR

Andressa Kerecz Tavares, Marcelo Ricardo de Lima, Carlos Augusto dos Santos Faias Junior, Manoel Flores Lesama

Resumo


Este trabalho teve como objetivo identificar e descrever os conhecimentos etnopedológicos relacionados à classificação de terras agrícolas com agricultores familiares dos municípios de Antonina e Morretes - PR. A seleção do grupo informante ocorreu conforme a disponibilidade dos indivíduos em participar da pesquisa, sendo entrevistados 20 agricultores familiares, juntamente com seu grupo familiar. O conhecimento etnopedológico dos agricultores foi identificado e descrito através de diagnóstico participativo que consistiu em quatro etapas: 1) entrevistas narrativas; 2) elaboração de mapas participativos; 3) caminhadas na propriedade rural; 4) reunião geral. Os resultados mostraram que os agricultores reconhecem e classificam os diferentes tipos de terras existentes nas unidades de exploração agrícola locais, sendo identificadas e descritas quatro classes: 1) “Terra de Morro”, 2) “Sabão de Caboclo”, 3) “Terra Argilosa” e 4) “Terra de Desmonte”. Os atributos empregados para a classificação das terras mencionadas seguiram a sequência: posição na paisagem, textura, cor, drenagem, fertilidade e conteúdo de matéria orgânica. O sistema de classificação dos agricultores entrevistados possibilita identificar e descrever de forma objetiva as terras, utilizando atributos e relacionando-os com aspectos cognoscíveis, como aptidão agrícola e manejo do solo.


Palavras-chave


agricultura familiar, classificação de terras, conhecimento local, etnoconhecimento ou etnociência.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, A. G. C.; MARQUES, J. G. W. Etnopedologia: uma nova disciplina? In: VIDAL-TORRADO, P. Tópicos em ciência do solo IV. Viçosa, Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2005.

BARRERA-BASSOLS, N.; ZINCK J. A. Ethnopedology in a worldwide perspective. Enschede: International Institute for Aerospace and Earth Sciences, 2000.

BARRIOS, E.; DELVE, R. J.; BEKUNDA, M.; MOWO, J.; AGUNDA, J.; RAMISCH, J.; TREJO, T. M.; TOMAS, R. J. Indicators of soil quality: a South-South development of a methodological guide for linking local and technical knowledge. Geoderma, v. 135, p. 248-259, 2006.

BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002.

BENASSI, D. A.; SANTOS, J. A. B.; GIAROLA, N. F. B. Conhecimentos etnopedológicos dos agricultores do centro-sul do Paraná. Revista Brasileira de Agroecologia, v. 4, n. 2, p. 1862-1865, 2009.

BHERING, S. B.; SANTOS, H. G. (Eds.). Mapa de solos do estado do Paraná: legenda atualizada. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2008.

BIRMINGHAM, D. M. Local knowledge of soils: the case of contrast in Côte d’Ivoire. Geoderma, v. 111, p. 481-502, 2003.

BLAIKIE, N. W. H. Designing social research: The logic of anticipation. London: Polity Press, 2002.

BOULAINE, J. Histoire des pedologues et de la science des sols. Paris: Institute National de la Recherce Agronomique, 1989.

BRIGGS, J.;PULFORD, I. D.; BADRI, M.; SHAHEEN, A. S. Indigenous and scientific knowledge: the choice and management of cultivation sites by bedouin in Upper Egypt. Soil Use and Management, v. 14, n. 4, p. 240-245, 1998.

CORREIA, J. B.; ANJOS, L. H.; LIMA, A. C. S.; NEVES, D. P.; TOLEDO, L. O.; CALDERANO, F.; SHINZATO, E. Relação entre o conhecimento de agricultores e de pedólogos: estudo de caso em Rio Pardo de Minas, MG. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 31, n. 5, p. 86-92, 2007.

CURI, N.; LARACH, J. O. I.; KÄMPF, N.; MONIZ, A. C.; FONTES, L. E. F. Vocabulário de ciência do solo. Campinas: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 1993.

DAWOE, E. K.; QUASHIE-SAM J.; ISAAC, M. E.; OPPONG S. K. Exploring farmers’ local knowledge and perceptions of soil fertility and management in the Ashanti Region of Ghana. Geoderma, v. 179, p. 96-103, 2012.

GEILFUS, F. 80 herramientas para el desarrollo participativo: diagnóstico, planificación, monitoreo, evaluación. San José: Instituto Interamericano de Cooperación para la Agricultura, 2002.

HABARUREMA, E.; STEINER, K. G. Soil suitability classification by farmers in southern Rwanda. Geoderma, v. 75, p. 75-87, 1997.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual técnico da vegetação brasileira. Disponível em: biblioteca.ibge.gov.br/visualização/livros/liv63011.pdf. Acesso em: 25 jul. 2012.

IPARDES, INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. Cadernos estatísticos dos municípios. Disponível em: www.ipardes.gov.br/MontaCadPdf1.php?Municipio=83350. Acesso em 14 abr. 2012.

KOCH, W.; KLASSMANN, M. S.; ALTENHOFEN, C. V. Atlas linguístico-etnográfico da Região Sul do Brasil, Porto Alegre/Florianópolis/Curitiba: UFRGS/UFSC/UFPR, 2002.

KORMANN, A. C. M. Comportamento Geomecânico da formação Guabirotuba estudos de campo e laboratório. 2002. 429 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Solos) – Universidade de São Paulo, São Paulo.

KRASILNIKOV, P. V.; TABOR, J. A. Perspectives on utilitarian ethnopedology. Geoderma, v. 111, p. 19-26, 2003.

MAIRURA, F. S.; MUGENDI, D. N.; MWANJE, J. I.; RAMISCH, J. J; MBUGUA, P. K.; CHIANU, J. N. Integrating scientific and farmers evaluation of soil quality indicators in Central Kenya. Geoderma, v. 139, n. 1, p. 134-143, 2007.

MAZOYER, M.; ROUDART, L. História das agriculturas no mundo: do neolítico à crise contemporânea. São Paulo: Unesp, 2010.

MORRETES. Decreto n° 11/2011, de 12/03/2011. Declara em situação anormal, Caracterizada como estado de calamidade pública a área o município afetada por Enxurradas ou Inundações Bruscas. Disponível em: https://goo.gl/FFAoPM. Acesso em 05 fev. 2013. Acessado em 05/02/2013.

MUSSOLINI, G. Ensaios de antropologia indígena e caiçara. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

OSUNADE, M. A. A. Soil Suitability Classification by Small Farmers. The Professional Geographer, v. 40, n. 2, p. 194-201, 1988.

OUDWATER, N.; MARTIN, A. Methods and issues in exploring local knowledge of soils. Geoderma, v. 111, n. 3, p. 387–401, 2003.

PALACIO V. E. A.; ARRIAGA C. M. O. Classificación campesina de suelos una metodología para para el desarrollo sustentable en el agro. Revista Ideas Ambientales, v. 2, n. 2, p. 199-207, 2005.

PEREIRA, J. A.; FERT NETO, J.; CIPRANDI, O.; DIAS, C. E. A. Conhecimento local, modernização e o uso e manejo do solo: um estudo de etnopedologia no planalto sul catarinense. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 5, n. 2, p. 140-148, 2006.

PRUDÊNCIO, K. Metodologia de pesquisa. Curitiba: UFPR, 2011.

QUEIROZ, J. S.; NORTON, B. E. An assessment of an indigenous soil classification used in the caatinga region of Ceará State, Northeast Brazil. Agricultural Systems, v. 39, n. 3, p. 289-305, 1992.

RYDER, R. Local soil knowledge and site suitability evaluation in the Dominican Republic. Geoderma, v. 111, n. 3, p. 289-305, 2003.

SAITO, K.; LINQUIST, B.; KEOBUALAPHA, B.; et al. Farmers' knowledge of soils in relation to cropping practices: A case study of farmers in upland rice based slash-and-burn systems of northern Laos. Geoderma, v. 136, p. 64-74, 2006.

SIDERIUS, W.; BAKKER, H. Toponymy and soil nomenclature in the Netherlands. Geoderma, v. 111, n. 3, p. 521-536, 2003.

SILLITOE, P. Knowing the land: soil and land resource evaluation and indigenous knowledge. Soil Use and Management, v. 14, n. 4, p. 188-193, 1998.

SOUZA FILHO, E. T. Microbacia hidrográfica do Riacho Vazante, Aratuba, Ceará: solos uso e percepção de agricultores. 2006. 55 f. Dissertação (Mestrado em Solos e Nutrição de Plantas) – Programa de Pós-Graduação em Solos e Nutrição de Plantas, Universidade Federal de Viçosa.

STRACHULSKI, J.; FLORIANI, N. Formação do sistema agrário na região do Paraná tradicional: Um estudo de caso da comunidade rural Linha Criciumal em Candido de Abreu. Extensão Rural, Santa Maria, v. 21, n. 3, p. 146-174, 2014.

TALAWAR, S.; RHOADES R. E. Scientific and local classification and management of soils. Agriculture and Human Values, v. 15, n. 1, p. 3-14, 1998.

TOLEDO, V. M.; BARRERA-BASSOLS N. La memória biocultural, la importância ecológica das sabidurías tradicionales. Barcelona: Icaria, 2008.

VALE JUNIOR, J. F.; SCHAEFER, C. E. G. R.; COSTA, J. A. V. Etnopedologia e transferência de conhecimento: diálogos entre os saberes indígenas e técnicos na Terra Indígenas Malacacheta, Roraima. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 31, n. 2, p. 403-412, 2007.

WILLIAMS, B. J. Aztec soil science. In: WARKETIN, P. B. Footprints in the soil people and ideas in soil history. Amsterdan: Elsevier, 2006.

WINIWARTER, V. Soil scientistis is ancienti Rome. In: WARKETIN, P.B. Footprints in the soil people and ideas in soil history. Amsterdan: Elsevier, 2006.




DOI: https://doi.org/10.5902/2318179616931

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Licença Creative Commons
Extensão Rural está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

...................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................

*** DESDE 2014 O PERIÓDICO É PUBLICADO TRIMESTRALMENTE***

.....................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................

Geral: 10.5902/23181796 (os especificos estão nos RESUMOS - clique sobre o titulo do trabalho, no sumário) 


Periódico Extensão Rural

ISSN impresso: 1415-7802

ISSN on-line: 2318-1796

.........................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................

INDEXADORES -  INDEXERS

INTERNACIONAL: 1- AGRIS 2- Latindex-Directorio 3- Diretório Luso-Brasileiro 4- REDIB 5- Journals for Free 6- EZB Nutzeranfragen 7- OAJI 8 - ROAD - 9- MIAR 

NACIONAL: 10- AGROBASE 11- Portal livRe! 12- Sumários.org 13- Diadorim 14- Portal SEER 15- Portal de Periódicos CAPES 16- Rede Cariniana 17- Google Scholar 18- Sabiia

 ...................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................

CONTATO:
E-mail: atendimento.extensao.rural@gmail.com- Campus Universitário - Departamento de Educação Agrícola e Extensão Rural/Centro de Ciências Rurais/Universidade Federal de Santa Maria - Prédio 44 (CCR II) - 1º Piso - CEP: 97105-900 - Santa Maria - RS - BRASIL. 

 

"Os trabalho publicados na revista Extensão Rural são de responsabilidade dos seus autores e não representam necessariamente a opinião dos editores. Reprodução dos trabalhos é permitida, desde que a fonte seja citada."

.........................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................

Visite nosso perfil no Facebook

Visite nossa página no Facebook


Baseado no trabalho disponível em https://periodicos.ufsm.br/extensaorural.