A deficiência visual em foco: estratégias lúdicas na Educação Matemática Inclusiva

Érica Santana Silveira, Antônio Villar Marques de Sá

Resumo


O objetivo deste artigo é discutir sobre o ensino de Matemática para alunos com deficiência visual, apontando expressões lúdicas enquanto estratégia de ensino no âmbito da inclusão escolar. As expressões lúdicas podem compor-se de jogos, brincadeiras e outras atividades que venham a despertar o espírito lúdico nos sujeitos que as realizam. A partir dos estudos aqui analisados e da identificação de jogos pedagógicos táteis e digitais, acredito que os materiais considerados lúdicos podem contribuir para o desenvolvimento do sistema háptico ou tato ativo, uma vez que, através deste sistema, os indivíduos sem acuidade visual percebem o mundo ao seu redor e podem construir diferentes conceitos matemáticos, potencializando a aprendizagem neste componente curricular. Por este motivo, serão descritos diferentes materiais e jogos que possibilitem tratar conteúdos matemáticos presentes na Educação Básica, especialmente aqueles construídos e testados junto a alunos cegos e com baixa visão. Os resultados apontam para a necessidade de realizar mais pesquisas que apresentem outras alternativas lúdicas, para o desenvolvimento do processo de ensino e aprendizagem de conceitos matemáticos pouco contemplados em tais materiais ou jogos. Em sua maioria, as atividades abordam conceitos de função, geometria, progressão geométrica, as quatro operações básicas, e o reconhecimento dos símbolos que representam os números. Entretanto, há inúmeros outros conteúdos matemáticos que ainda são trabalhados em sala de aula com um forte apelo visual, demandando outras estratégias que favorecem a inclusão e aprendizagem de pessoas com deficiência visual. 


Palavras-chave


Educación Matemática Inclusiva; Expresiones lúdicas; Deficiencia visual.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ALMEIDA, Paulo Nunes de. Educação Lúdica: técnicas e jogos pedagógicos. São Paulo: Loyola, 1998.

ÁVILA, Marcos et. al. As condições de saúde ocular no Brasil: 2015. São Paulo: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, 2015. Disponível em: < http://www.cbo.net.br/novo/publicacoes/Condicoes_saude_ocular_IV.pdf >. Acesso em: 10 set. 2018.

BERSCHE, Rita; TONOLLI, José Carlos. Introdução ao conceito de tecnologia assistiva e modelos de abordagem da deficiência. 2006. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2018.

BORGES, José Antonio dos Santos. Do Braille ao Dosvox: diferenças nas vidas dos cegos brasileiros. Tese (Doutorado em Engenharia de Sistemas e Computação). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: UFRJ/COPPE, 2009.

BRASIL. Decreto nº 5.296 de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta a Lei n. 10.048, de 8 de novembro de 2000. Diário Oficial da União. Brasília. 2004. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Matrículas e Infraestrutura. 2016. Disponível em: . Acesso 27 out. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva Inclusiva. Brasília, 2008. Disponível em: . Acesso em 27 out. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Especial. Projeto escola viva: garantindo o acesso e permanência de todos os alunos na escola. Brasília: MEC, SEE, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretária de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013. Disponível em: . Acesso em: 17 ago. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Projeto Escola Viva: garantindo o acesso e permanência de todos os alunos na escola. Brasília: MEC, SEE, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC, SEF, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Secretaria de Educação Especial. Parâmetros Curriculares Nacionais: Adaptações Curriculares. Brasília: MEC, SEF, SEESP, 1998.

CANEJO, Elizabeth. Dosvox: rompendo barreiras da comunicação. Journal of Research in Special Educational Needs. v. 16, n. S1, p. 399-401, 2016.

CUNHA, Kátia Machinez; FRANCO, Alfred Sholl. Cognition and logic: adaptation and application of inclusive teaching materials for hands-on workshops. Journal of Research in Special Educational Needs. v. 16, n. 1, p. 696-700, 2016. Disponível em: . Acesso em: 27 ago. 2018.

CUNHA, Kátia Machinez; FRANCO, Alfred Sholl. Cubo mágico: Rubik’s. In: Roteiros de Práticas em Neurociências – 2017. 2017a. Disponível em: . Acesso em: 27 ago. 2018.

CUNHA, Kátia Machinez; FRANCO, Alfred Sholl. Desafio 3D: cubo soma. In: Roteiros de Práticas em Neurociências. 2015a. Disponível em: . Acesso em: 27 ago. 2018.

CUNHA, Kátia Machinez; FRANCO, Alfred Sholl. Desafio indução: torre de Hanói. In: Roteiros de Práticas em Neurociências – 2017. 2017b. Disponível em: . Acesso em: 27 ago. 2018.

CUNHA, Kátia Machinez; FRANCO, Alfred Sholl. Desafios 2D: tangrans. In: Roteiros de Práticas em Neurociências. 2015b. Disponível em: . Acesso em: 27 ago. 2018.

DANTAS, André L. P.; PINTO, Gabriela, R. P. R.; SENA, Claudia P. S. Apresentando o BEM: um objeto de aprendizagem para mediar o processo educacional de crianças com deficiência visual e videntes nas operações básicas de Matemática. Anais... 2013. Disponível em: . Acesso em: 17 ago. 2018.

GRIMM, Luis Gustavo Hauff Martins. Cubo Mágico: propriedades e resoluções envolvendo álgebra e teoria de grupos. Dissertação (Mestrado Profissional em Matemática). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Rio Claro: Unesp, 2016. Disponível em: . Acesso em: 27 ago. 2018.

HUIZINGA, JOHAN. Homo Ludens: O jogo como elemento da cultura. Ed. 8. São Paulo: Perspectiva, 2014.

LOPES, Maura Corcini; FABRIS, Eli Henn. Inclusão e Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

LUCKESI, Cipriano. Ludicidade e formação do educador. Revista Entreideias. Salvador, v. 3, n. 2, p. 13-23, jul./dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 17 ago. 2018.

MACEDO, Lino de; PETTY, Ana Lúcia Sícole; PASSOS, Norimar Christe. Os jogos: o lúdico na aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2005.

MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Inclusão escolar: O que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Summus, 2015.

MARTINS, Rosilaine Sanches. O princípio da indução finita e jogos para o ensino de funções. Dissertação (Mestrado Profissional em Matemática). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. São José do Rio Preto: Unesp, 2015. Disponível em: . Acesso: 27 ago. 2018.

MASINI, Elcie F. Salzano. O perceber de quem está na escola sem dispor da visão. São Paulo: Cortez, 2013.

MOREIRA, Geraldo Eustáquio. Resolvendo problemas com alunos com Transtornos Globais do Desenvolvimento: desafios e conquistas. Educação Matemática em Revista – RS. v. 1, n. 15, p. 38-48, 2014.

MORGADO, Adriana Santos; SANTOS, Regiane Silva; TAKINAGA, Sofia Seixas. Sugestões de alguns materiais para o ensino e aprendizagem para inclusão. In: MANRIQUE, Ana Lúcia; MARANHÃO, Maria Cristina Souza de Albuquerque; MOREIRA, Geraldo Eustáquio (Org.). Desafios da Educação Matemática Inclusiva: Práticas. v. 2. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2016, p. 85-98.

PIN, Virgínia Perpetuo Guimarães. Jogos de reflexão pura como ferramenta lúdica para a aprendizagem matemática. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade de Brasília, Brasília: UnB, 2016.

PRIMO, Lane et. al. Poligonopolis: Prototype of accessible and gamified learning object to teach Geometry. Piscataway. The Institute of Electrical and Electronics Engineers (IEEE). Conference Proceedings, out. 2016, p. 1-9.

SÁ, Sérgio. Feche os olhos para ver melhor: os limites dos sentidos e os sentidos dos limites. Barueri: Sá Editora, 2004.

SIAULYS, Mara Olimpia de Campos. Importância do Brincar no Desenvolvimento da Criança com Deficiência Visual. In: SAMPAIO, Marcos Wilson et al. Baixa visão e cegueira: os caminhos para a reabilitação, a educação e a inclusão. Rio de Janeiro: Cultura Médica – Guanabara Koogan, 2010, p. 309-326.

SILVA, Wesley Pereira da. Jogos digitais adaptados para estudantes com deficiência visual: estudo das habilidades cognitivas no Dosvox. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade de Brasília, Brasília: UnB, 2017.

SOUZA, Adriane Eleutério. O lúdico associado à resolução de problemas e jogos no ensino e aprendizagem de funções: uma abordagem diferenciada. Dissertação (Mestrado em Ensino em Ciência e Tecnologia). Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Ponta Grossa: UTFP, 2014.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984686X35402

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoespecial.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial

 

ISSN eletrônico: 1984-686X

DOIhttp://dx.doi.org/10.5902/1984686X

Qualis/Capes: Educação A2

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação Especial agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International (CC BY-NC 4.0)

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

__________________________________________________