Medir o que valorizamos ou valorizar o que medimos? Globalização, responsabilidade e a noção de propósito da educação

Gert Biesta

Resumo


Uma das mais importantes dimensões do impacto da globalização nas políticas e práticas educacionais foi o aumento das medições comparativas em grande escala do desempenho dos sistemas educativos nacionais. Neste artigo, meu argumento é que em vez de esse desenvolvimento ter respaldado e promovido um debate acerca do bom ensino, essas medições substituíram as perguntas normativas sobre as orientações e os ganhos educacionais desejáveis por perguntas técnicas sobre a produção eficaz de um conjunto particular (e com frequência delimitado) de resultados educacionais. Por um lado, tenciono contribuir para a compreensão da razão pela qual se criou essa situação, e aqui destaco em particular uma mudança de um enfoque substancial e democrático para um enforque técnico e administrativo ,acerca de como se considera a prestação de contas em educação. Por outro lado, ofereço parâmetros para uma discussão mais explícita que se concentre nas perguntas acerca do que se busca obter na educação, não com o fim de especificar de uma vez por todas o que é ou deveria ser o bom ensino, mas para facilitar um debate mais sofisticado, variado e reflexivo acerca de quais poderiam ser os parâmetros de uma boa educação nas escolas, colégios e universidades e em outros ambientes e instituições educativas.


Palavras-chave


Globalização; Medição; Classificações; Prestação de contas.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1984686X33482

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoespecial.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial

 

ISSN eletrônico: 1984-686X

DOIhttp://dx.doi.org/10.5902/1984686X

Qualis/Capes: Educação A2

 

 

Periodicidade – Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição 31 março.

Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição 30 junho.

Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição 30 setembro.

Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International (CC BY-NC 4.0)

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________