Escala de identificação de talentos pelo professor, ITP: evidências de validade e precisão

Janete Tonete Suárez, Solange Muglia Wechsler

Resumo


Diante da escassez de instrumentos de identificação de estudantes com características de altas habilidades/superdotação, a percepção de professores tem se mostrado um importante recurso. Assim sendo, este estudo investigou evidencias de validade e precisão da escala Identificação de Talentos pelo Professor (ITP). Os participantes foram 4 psicólogos (F3, M=1) 10 professores (F=10)  e 120 estudantes (F=62, M=58),  com idade entre 9 a 11 anos. A escala ITP possui 30 itens e avalia as áreas de compreensão verbal, raciocínio viso-espacial, pensamento lógico, rapidez de raciocínio, memoria e pensamento criativo. A validade pela estrutura interna foi auferida pela concordância entre juízes, pelo coeficiente Kappa de Cohen (K=0,82) A precisão foi auferida pelo Coeficiente Alpha de Cronbach. A validade por critério externo foi avaliada comparando as áreas da escala ITP com o Teste Não Verbal de Raciocínio Infantil (TNVRI). Relações significativas (p≤0,05)  foram encontradas entre os subtestes de Memória visual (r=0,37) e de Criatividade (0,33) e com o Índice Cognitivo Total (0,31)  com o TNVRI. Conclui-se que a Escala ITP possui evidências de validade e precisão para a avaliação de talentos criativos e intelectuais por professores.


Palavras-chave


Avaliação Psicológica; Talento; Altas habilidades/Superdotação

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, E. M. L. S. Criatividade. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1993.

ALENCAR, E. M. L. S. O aluno com Altas habilidades na escola inclusiva. In: Moreira, L. C.; Stoltz, T. Altas habilidades/ superdotação, talento, dotação e educação. Curitiba: Juruá, p. 85-94, 2012.

ALMEIDA, L. S.; GUISANDE, A. M. A.; PRIMI, R.; FERREIRA, A. Construto e medida da inteligência: contributos da abordagem fatorial. In: A. Candeias, L.S. Almeida, A. Roazzi & R. Primi (Eds.). Inteligência: definição e medida na confluência de múltiplas concepções (pp. 49-80). São Paulo: Casa do Psicólogo, 2008.

ANASTASI, A.; URBINA, S. Testagem psicológica. (7a.ed.). Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

ANTIPOFF, C. A.; CAMPOS, R. H. F. Superdotação e seus mitos. Psicologia Escolar Educacional, v.14, n. 2, p. 301-309, 2010.

BRASIL. (1996b). Lei 9.396 - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). Brasília: autor, 1996.

______. Ministério da Educação. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica - Parecer CNE 17/2001. Brasília: MEC/CNE/CEB, 2001. Retirado de http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB017_2001.pdf

_______. Ministério da Educação e Cultura. Saberes e práticas da inclusão: Desenvolvendo competências para o atendimento às necessidades educacionais especiais de alunos com altas habilidades/superdotação. Brasília: MEC/SEESP, 2006b.

_______. Ministério da Educação e Cultura. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Inclusão. Revista da Educação Especial, v. 4, 7-17, 2008.

______. Lei no 13.005, de 25 de junho de 2014: aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Brasília: Senado Federal, 2014

______. Análises e reflexões sobre o desempenho dos estudantes brasileiros, PISA, 2015 / OCDE-Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. — São Paulo : Fundação Santillana. http://portal.inep.gov.br/pisa

BRUSCATO, W. L.; IACOPONI, E. Validade e confiabilidade da versão brasileira de um inventário de avaliação de relações objetais. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo, v. 22, n. 4, p. 172-177, 2000.

CASSEPP-BORGES, V.; BALBINOTTI, M.A.A.; TEODORO, M.L.M. Tradução e validação de conteúdo: uma proposta para adaptação de instrumentos. In: Pasquali, L. (Org.), Instrumentação psicológica. Fundamentos e práticas (pp.506-520). Porto Alegre: Artmed, 2010.

CHACON, M. C. M.; MARTINS, B.A. A produção acadêmico científica do Brasil na área das Chacon, M.C.M., & Martins, B.A. (2014). habilidades/superdotação no período de 1987 a 2011. Revista Educação Especial, V. 27, N. 49, p. 353- 372, 2014.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Avaliação Psicológica: Diretrizes na regulamentação da profissão [Psychological assessment: Guidelines on regulation of the profession]. Brasília, DF, Brazil: Conselho Federal de Psicologia, 2010.

CROPLEY, A. J. Creativity in education & learning. London: Routledge Falmer, 2004.

CSIKSZENTMIHALYI, M. Analyzing flow . Current Issues in Human Growth and Development , v.27, n. 10, p. 201-235, 2009.

CUPERTINO, C. M. B. Educação dos diferentes no Brasil: o caso da superdotação. Anais do 1o Congresso Internacional de Educação da Alta Inteligência. Evento promovido pela Universidade da Provincia de Cuyo e pelo Instituto San Bernardo de Claraval. Mendoza, Argentina, 1998.

DAVID, A. P.; MORAIS, M. F.; PRIMI, R.; MIGUEL, F. K. Metáforas e pensamento divergente: criatividade, escolaridade e desempenho em Artes e Tecnologias. Avaliação Psicológica, v.13, n. 2, p. 147-156, 2014.

DEL-BEN, C. M.; VILELA, J. A. A.; CRIPPA, J. A. S.; HALLAK, J. E. C.; LABATE, C. M.; ZUARDI, A. W. Confiabilidade da Entrevista Clínica Estruturada para o DSM-IV – Versão Clínica traduzida para o português. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo, v. 23, n. 3, p. 156-159, 2001.

DELOU, C. M. C. Educação do aluno com altas habilidades/superdotação: Legislação e políticas educacionais para a inclusão. In D. S. FLEITH (Ed.), A construção de práticas educacionais para alunos com altas habilidades/superdotação: Orientação a professores (pp. 25-39). Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2007.

DELOU, C. M. C. O atendimento educacional especializado para alunos com altas habilidades/superdotação no ensino superior: possibilidades e desafios. In L. C. MOREIRA; T, STOLTZ (Eds.), Altas habilidades/superdotação, talento, dotação e educação. Curitiba: Juruá, 2012.

DELOU, C. M. C.. Sucesso e fracasso escolar de alunos considerados superdotados: um estudo sobre a trajetória escolar de alunos que receberam atendimento em salas de recursos de escolas da rede pública de ensino. (Tese de Doutorado). São Paulo. Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: História e Filosofia da Educação. Pontifícia Universidade Católica – PUC/SP. 2001.

FARIAS, E. S. Elaboração de instrumento para identificação de alunos intelectualmente dotados por professores: estudo exploratório. (Tese de Doutoramento). Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, SP, 2012.

FELDHUSEN, J. F.; JARWAN, F.A. Identification of gifted and talented youth for educational programs. In K. A. HELLER, F. J. MONKS.; A. H. PASSOW (Eds.), International handbook of research and development of giftedness and talent. Oxford: Pergamon Press Ltda, 1993

FERREIRA, A. B. H. Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 10. Ed . Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010.

FLANAGAN, D. P.; MCGREW, K. S.; ORTIZ, S. O. The Wechsler Intelligence Scales and Gf-Gc Theory. Boston: Allyn and Bacon, 2000.

FREEMAN, J.; GÜENTHER, Z. C. Educando os mais capazes: idéias e ações comprovadas. São Paulo: E.P.U, 2000.

FREITAS, S. N.; PÉREZ, S. G. P. B. Altas Habilidades/Superdotação: atendimento especializado. Marília: ABPEE, 2010.

GAGNÉ, F; GÜENTHER, Z. C. Desenvolvendo talentos: Modelo Diferenciado de Dotação e Talento – DMGT 2.0. In Moreira, L. C.; Stoltz, T. (Coords) Altas habilidades/superdotação, talento, dotação e educação. Curitiba: Editora Juruá, 2012.

GONÇALVES, F. C.; FLEITH, D. S.; LIBÓRIO, A. C. O.. Criatividade em aula: percepção de alunos de dois estados brasileiros. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 63(1), 22-30, 2011.

GRAHAM, M.; MIILANOWSKI, A.; MILLER, J. Measuring and promoting inter-rater agreement of teacher and principal performance ratings. Research Report, 2012.

GÜENTHER, Z. C. Desenvolver capacidades e talentos. Um conceito de inclusão. Petrópolis: Vozes, 2000.

GÜENTHER, Z. C. Quem são os alunos dotados? Reconhecer dotação e talento na escola. In L. C. Moreira & T. Stoltz (Orgs.), Altas habilidades/superdotação, talento, dotação e educação. Curitiba: Juruá, 2012.

GUILFORD, J. Creativity. The American Psychologist, v. 5, n. 9, p. 444–454, 1950.

HERNÁNDEZ-NIETO, R. A. Contributions to Statistical Analysis (pp. 119). Mérida: Universidad de Los Andes, 2002.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA INEP – MEC. (2016/2017). Censo Escolar da Educação Básica 2016. Notas Estatísticas. Brasília-DF. Fevereiro de 2017.

INTERNATIONAL TEST COMMISSION. International guidelines or test use. International Journal of Testing, 1(2), 93–114, 2001.

KNOBEL, R., & SHAUGHNESSY, M. Reflecting on a conversation with Joe Renzulli: About giftedness and gifted education. Gifted Education International, Londres, 16, 118-126, 2002.

KOZBELT, A.; BEGHETTO, R. A.; RUNCO, M. A. Theories of Creativity. In: Kaufman, J.C. and Sternberg, R.J., Eds., Cambridge Handbook of Creativity, Cambridge University Press, New York, 20-47, 2010.

MAIA-PINTO, R. R.; FLEITH, D. S. Avaliação das práticas educacionais de um programa de atendimento a alunos superdotados e talentosos. Psicologia escolar e educacional, v.8, n.1, p.55-66, 2004.

MARCONI, M. A., LAKATOS, W. M. Metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

Martins, B. A., Pedro, K. M., & Ogeda, C. M. M. Altas habilidades/superdotação: o que dizem as pesquisas sobre estas crianças invisíveis?. Psicologia Escolar e Educacional, 20(3), 561-568, 2016.

MARTINS, G. A. Sobre confiabilidade e validade. RBGN, São Paulo, v. 8, n. 20, p. 1-12. 2006.

MARTÍNEZ, A. M. Criatividade, personalidade e educação. São Paulo: Papirus, 2003.

MCGREW, K. S.; FLANAGAN, D. P. The intelligence test desk reference (ITDR) – Gf-Gc cross battery assessment. Boston: Allyn & Bacon, 1998.

NAKANO, T. C.; CAMPOS, C. R.; SANTOS, M. V. Escala de avaliação de altas habilidades/superdotação, Versão Professor: Validade de conteúdo. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, Londrina, v. 7, n. 1, p. 103-123, jul., 2016.

NAKANO, T. D.; SIQUEIRA, L. G. G. Validade de conteúdo da Gifted Rating Scale (versão escolar) para a população brasileira. Avaliação Psicológica, v. 11, n. 1, p. 123-140, 2012.

NAKANO, T. C.; WECHSLER, S. M. Criatividade: características da produção científica brasileira. Avaliação psicológica, v. 6, n. 2, p. 261-270, 2007a..

NASCIMENTO, E.; FIGUEIREDO, V. L. M. A terceira edição das Escalas Wechsler de Inteligência. Em: Primi, R. (Org). Temas em Avaliação Psicológica. (pp.61-79). Campinas: IBAP - Instituto Brasileiro de Avaliação Psicológica, 2002a.

NEWTON, P. E.; SHAW, S. D. Validity in educational & psychological assessment. London: Thousand Oaks, 2014.

NOLLER, R. The importance of developing creativity in the schools. Anais do I Congresso Nacional de Psicologia Escolar. Valinhos: Átomo, 1992.

NORONHA, A. P. P. Os problemas mais graves e mais freqüentes no uso dos testes psicológicos. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 15, n. 1, p. 135-142, 2002.

NUNES, O.; OLIVEIRA, V.B. A memória de curto prazo do universitário e a prática de jogos: um estudo comparativo. Revista de Psicopedagogia, v. 27, n. 82, p. 59-67, 2010.

OLIVEIRA, I. A. Saberes imaginários e representações na Educação Especial: a problemática da ética da “diferença” e da exclusão social. Petrópolis: Vozes, 2006.

PASQUALI, L. Manual Técnico e de Aplicação. TNVRI - Teste Não Verbal de Raciocínio para Crianças. São Paulo: Vetor, 2005.

PNA/IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios : síntese de indicadores 2014 / IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. - Rio de Janeiro : IBGE, 2015.

PFEIFFER, S.; JAROSEWICH, T. Gifted Rating Scales – Manual. San Antonio/TX: Pearson, 2003.

PRIMI, R. Inteligência fluida: definição fatorial, cognitiva e neuropsicológica. Paidéia (Ribeirão Preto), v. 12, n. 23, p. 57-75, 2002.

PRIMI, R. Inteligência: avanços nos modelos teóricos e nos instrumentos de medida. Aval. psicol. [online], v.2, n.1, p. 67-77, 2003. ISSN 2175-3431.

PRIMI, R.; MUNIZ, M.; NUNES, C. H. S. S. Definições contemporâneas de validade de testes psicológicos. Em C. S. Hutz (Org.), Avanços e polêmicas em avaliação psicológica (pp. 243265). São Paulo: Casa do Psicólogo, 2009.

RECH, A. J. D.; FREITAS, S. N. Uma análise dos mitos que envolvem os alunos com altas habilidades: a realidade de uma escola de Santa Maria/RS. Revista brasileira de educação especial, v.11, n. 2, p.295-314, 2005.

RENZULLI, J. S. O que é esta coisa chamada superdotação, e como a desenvolvemos? uma retrospectiva de vinte e cinco anos. Revista Educação, v. 27, n.1, p. 1-21, 2004.

RENZULLI, J. S.; SMITH, L. H.; WHITE, A. J.; CALLAHAN, C. M.; HARTMAN, R. K.; WESTBERG, K. L. Scales for Rating the Behavior Characteristics of Superior Students. Revised edition (SRBCSS-R). Mansfield Center, CT: Creative Learning Press, 2000.

RHODES, M. An analysis of creativity. Phi Delta Kappan, v. 42, n. 7, p. 305–310, 1961.

Ribeiro, V. S. Alfabetismo funcional: Referências conceituais e metodológicas para a pesquisa. Educação & Sociedade, ano XVIII, n. 60, dezembro/. 1997.

RIBEIRO, W.; NAKANO, T. C. Produção científica brasileira sobre superdotação / altas habilidades. Resumos do I Congresso Internacional de Criatividade. Inovação. Manaus: Universidade Federal do Amazonas, 2011.

RUEDA, F. J. M.; MUNIZ, M. N. Teste dos cubos: Para avaliação do raciocínio visuoespacial: Manual técnico.São Paulo, SP: Vetor, 2011.

RUEDA, F. J. M.; SISTO, F.F.; CUNHA, C. A.; RAAD, A. J. Estudo do processo de resposta num teste de memória. Aletheia, v. 31, p. 26-38, 2010.

RUNCO MA, PRITZKER SR, EDS. Encyclopedia of Creativity. San Diego, CA: Academic, 1999.

SABATELLA, M. L. Expandir horizontes para compreender alunos superdotados. In L. C. Moreira; T. Stoltz (Orgs.). Altas habilidades/superdotação, talento, dotação e educação. Curitiba: Juruá, 2012.

SIMONTON D. K. Quantifying creativity: can measures span the spectrum? Dialogues Clin. Neurosci. N. 14, p. 100–104, 2012.

STERNBERG, R. J. Psicologia cognitiva. Porto Alegre: Artmed, 2000.

STERNBERG, R. J.; KAUFMAN, J. C. Constraints on creativity: obvious and not so obvious. In J. C. KAUFMAN; R. J. STERNBERG (Eds.), Cambridge handbook of creativity (pp. 467-482). New York: Cambridge University Press, 2010.

TORRANCE, E. P. Why fly? A philosophy of creativity. Norwood: Ablex, 1995.

TUDOR, A. Identification of gifted students. An examination of the use of nomination forms for the identification of gifted students at third and fourth grade level. University of Alberta, 1994. Recuperado em 24 de julho de 2016.

VELASCO, A. D.; KAWANO, A. Geometria espacial. Projeto Teia do Saber. Guaratinguetá, SP: Universidade Estadual de São Paulo, 2006.

VIRGOLIM, A. M. R. Altas habilidades/superdotação: encorajando potenciais. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2007.

VIRGOLIM, A. M. R.; KONKIEWITZ, E.C. (Orgs.). Altas Habilidades/Superdotação, Inteligência e Criatividade: uma visão multidisciplinar. Campinas: Papirus, 2014.

WECHSLER, S. M. Criatividade: Descobrindo e Encorajando. Campinas: LAMP/IDB, 2008.

WECHSLER, S. M. Relatório Parcial de Pesquisa. Avaliação do Potencial Intelectual de Jovens. Curso de Pós Graduação Psicologia. Grupo de Pesquisa: Avaliação Psicológica de Potencial Humano, 2013.

WECHSLER, S. M.; NAKANO, T. C. Caminhos para a avaliação da criatividade: perspectiva brasileira. In: PRIMI, Ricardo. Temas em avaliação psicológica. São Paulo: Instituto Brasileiro de Avaliação Psicológica, p. 103-115, 2002.

WECHSLER, S. M.; SUÁREZ, J. T. Percepção de professores em cursos de formação sobre talentos/ superdotação. Revista de Psicología, v. 34, n. 1, 2016.

WECHSLER, S. M.; BLUMEN, S.; BELDELMAN, K. Challenges on the Identification and Development of Giftedness in South America. In S. I Pfeiffer, E. Schunessy-Dedrick, & M. Foley-Nicpon (Eds.). APA Handbook of giftedness and Talent. Washington, DC: American Psychological Association, 2018.




DOI: https://doi.org/10.5902/1984686X30814

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoespecial.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial

 

ISSN eletrônico: 1984-686X

DOIhttp://dx.doi.org/10.5902/1984686X

Qualis/Capes: Educação A2

Periodicidade: Publicação contínua

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

A Revista Educação Especial agradece auxílio recebido por meio do Edital Pró-Revistas, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, da Universidade Federal de Santa Maria. 

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International (CC BY-NC 4.0)

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

__________________________________________________