Os padrões de comunicação da surdocegueira nos contextos familiar e educacional.

Elisângela Keylla Henrique Sales de Araújo, Caio Diogo Santana de Sousa, Gleicimar Gonçalves Cunha, Andrea Dias Garzesi Souza Sobrinho, Isabelle Patriciá Freitas Soares Chariglione

Resumo


A surdocegueira, deficiência de caráter único que não significa junção de duas deficiências, caracteriza-se de forma muito subjetiva, uma vez que cada surdocego desenvolve formas e maneiras de se comunicar. A família e a escola possuem um papel importantíssimo para o desenvolvimento cognitivo, afetivo, social e emocional do sujeito surdocego, sendo os primeiros meios sociais e de ensino da criança. Frente a essas questões, este trabalho teve por objetivo compreender os padrões de comunicação de duas jovens surdocegas no contexto familiar e escolar, analisando a possibilidade de desenvolvimento de uma linguagem simbólica no processo de interação com esses ambientes. A amostra foi constituída por duas jovens surdocegas, suas genitoras e suas professoras/guias intérpretes. Foram coletados seus discursos e analisados segundo a Teoria de Análise de Conteúdo de Bardin. A análise apresentou quatro categorias: padrões de comunicação na família, padrões de comunicação na escola, linguagem concreta e linguagem abstrata. Com essas análises, podem-se entender melhor as peculiaridades desses atores na interação da comunicação, o desenvolvimento da linguagem simbólica dos sujeitos surdocegos e a sua relação com as diferentes maneiras de se comunicar com esses sujeitos.


Palavras-chave


Educação Especial; Padrões de comunicação; Surdocegueira.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, I. Comunicação em cooperação. In: SERPA, X. Ensino a criança surdocega. São Paulo: Grupo Brasil, p. 24-35, 2006.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70 – Brasil, 2011.

BOSCO, I. C.; MESQUITA, S. R.; MAIA, S. R. A educação especial na perspectiva da inclusão escolar. Surdocegueira e deficiência Multipla. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Especial e Universidade do Ceará. 2010. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2017.

CADER-NASCIMENTO, F. A. A. A. Implementação e avaliação empírica de programas com duas crianças surdocegas, suas famílias e a professora. 2003. 250 f. Tese (Doutorado em Educação Especial) - Universidade de São Carlos, São Paulo. 2003. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2017.

CADER-NASCIMENTO, F. A. A. A.; COSTA, M. P. R. Descobrindo a surdocegueira: educação e comunicação. São Carlos: Edufscar. 2007.

DIAS, M. O. Um olhar sobre a família na perspectiva sistêmica: o processo de comunicação no sistema familiar. Gestão e Desenvolvimento, v. 19, p. 139-156, 2011. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2017.

FARIAS, S. S. P.; MAIA, S. R. O surdocego e o paradigma da inclusão. Inclusão, revista brasileira de educação especial. v. 4, p. 26-29. 2007. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2017.

GARCIA, A. Surdocegueira: empírica e científica. São Luis: Gonzaga, 2008.

GASPAR, T. e al. Surdocegueira: Crianças e jovens surdocegos em Portugal. Psicologia da Criança e do Adolescente, v. 6, n. 1 , p. 35-41, 2015. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2017.

GOLDFELD, M. A criança surda: Linguagem e cognição numa perspectiva sociointeracionista. São Paulo: Plexos, 1997.

MASINI, E. F. S. et al. Concepções de professores do ensino superior sobre surdocegueira: estudo exploratório com quatro docentes. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 88, n. 220, p. 556-573. 2007. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2017.

MONTEIRO, M. A. A surdez-cegueira. Revista Benjamin Constant, v. 3, p. 12-20. 1996. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2017.

REBELO, A. O desenvolvimento cognitivo e a tomada de decisão das pessoas surdocegas. Revista de Psicologia da Criança e do Adolescente, v. 5, n. 1, p. 211-221, 2014. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2017.

SILVA, A. M. Histórico da Educação do surdocego no Brasil. In: GRUPO BRASIL &

ABRASC. Projeto Pontes e Travessias Formação continuada: Guia intérprete Empírico, São Paulo, p. 15-19, 2007.

VALADÃO, M. N. et al. Língua de sinais: visualizando a recepção da linguagem por meio da ressonância magnética funcional. Revista de Estudos da Linguagem, v. 21, n. 2, p. 129-150. 2013. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2017.

VIGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

VIGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

VIGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

VILLAS BOAS, D. C. et al. A comunicação de pessoas com surdocegueira e a atuação fonoaudiológica. Distúrbios da Comunicação, v. 24, n. 3, p. 407-414. 2012. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1984686X30185

CONTATO:

E-mail: revistaeducacaoespecial.ufsm@gmail.com

Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Centro de Educação - Lapedoc
Av. Roraima, 1000 - Cidade Universitária
97105-900 - Santa Maria - RS, Brasil.
Telefone: +55 55 3220 8795

Link: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial

 

ISSN eletrônico: 1984-686X

DOIhttp://dx.doi.org/10.5902/1984686X

Qualis/Capes: Educação A2

 

 

Periodicidade – Trimestral

Primeiro trimestre, jan./mar., limite para publicar a edição 31 março.

Segundo trimestre, abr./jun., limite para publicar a edição 30 junho.

Terceiro trimestre, jul./set., limite para publicar a edição 30 setembro.

Quarto trimestre, out./dez., limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

 

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International (CC BY-NC 4.0)

Contador de visitas
click counter
Contador de visitas

Acessos a partir de 30/11/2016

____________________________________________________