Estrutura fitossociológica da vegetação arbórea do Parque Natural Municipal de Santo Ângelo, Santo Ângelo, RS

Alexandre Hüller, Adelita Rauber, Mario Sergio Wolski, Nelson Lopes de Almeida, Silvia Raquel Scherer Wolski

Resumo


O presente trabalho foi realizado no Parque Natural Municipal de Santo Ângelo (RS), pertencente à Prefeitura Municipal de Santo Ângelo, com o objetivo de avaliar a composição florística e estrutura fitossociológica da floresta, em uma área de 13 hectares. Para tanto, foram utilizadas 12 parcelas de tamanho 10 x 20 m distribuídas sistematicamente na área, nas quais foram medidos e identificados todos os indivíduos com DAP maior ou igual a 10 cm. Os resultados obtidos foram analisados e processados com o uso do programa FITOANÁLISE, calculando-se os parâmetros fitossociológicos de densidade, dominância, frequência, valor de importância, valor de cobertura, índice de diversidade de Shannon H' e índice de Morisita. Foram encontradas 35 espécies, pertencentes a 30 gêneros e 21 famílias, das quais branquilho (Sebastiania commersoniana (Baill.) L. B. Sm. & Downs), açoita-cavalo (Luhea divaricata Mart), maria-preta (Diatenopterix sorbifolia Radlk) e canela-preta (Nectandra megapotamica Spreng.) foram as que apresentaram maior representatividade nos parâmetros fitossociológicos do componente arbóreo desta floresta. As espécies com maior Valor de Importância (VI) foram açoita-cavalo (Luhea divaricata Mart) com 50,53; branquilho (Sebastiania commersoniana (Baill.) com 46,24; maria-preta (Diatenopterix sorbifolia Radlk) com 26,93; canela-preta (Nectandra megapotamica Spreng.) com 20 e farinha-seca (Machaerium stipitatum Vogel) com 16,64. Já na estrutura vertical da floresta, Luehea divaricata apresentou maiores valores no estrato superior e Sebastiania commersoniana Baill. nos estratos médio e inferior.


Palavras-chave


componente arbóreo; diversidade florística; Floresta Estacional Decidual

Texto completo:

PDF

Referências


APG. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, Londres, v. 161, n. 2, p. 105-202, Oct. 2009.

BARDDAL, M. L. et al. Fitossociologia do sub-bosque de uma floresta ombrófila mista aluvial, no município de Araucária, PR. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 14, n. 1, p. 35-45, mar./abr. 2004.

BUDKE, J. C. et al. Florística e fitossociologia do componente arbóreo de uma floresta ribeirinha, Passo das Tropas, Santa Maria, RS, Brasil. Acta Botânica Brasílica, v. 18 n.3, p. 581-589, set./dez. 2004.

CARVALHO JUNIOR, L. A. et al. Fitoanálise – versão 4.0. Santa Maria: UFSM, 1999. Software

COELHO, G. C. A floresta nativa do Noroeste do RS - questões relevantes para conservação. Caderno de Pesquisa série Botânica, Santa Cruz do Sul, v. 12, n. 1, p. 17-44, 2000.

DIAS, L. L. et al. Levantamento florístico de uma área de mata subtropical no Parque Estadual do Turvo, Tenente Portela, RS. Revista do Instituto Florestal, v. 4, p. 339-346, 1992.

FISZON, J. T. et al. Causas Antrópicas – 03. In: RAMBALDI, D. M.; OLIVEIRA, D. A. S. de (Orgs.). Fragmentação de Ecossistemas: Causas, efeitos sobre a biodiversidade e recomendações de políticas públicas Brasília: MMA/SBF, 2003. p. 65-99.

FRANKHAM, R.; BALLOU, J. D.; BRIDGE, D. A. Introduction to Conservation Genetics. Cambridge: Cambridge University Press, 2002.

HACK, C. et al. Análise fitossociológica de um fragmento de floresta estacional decidual no município de Jaguari, RS. Ciência Rural, Santa Maria, v. 12, p. 1083-1091, 2005.

IBGE. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. Manuais Técnicos em Geociências. Rio de Janeiro: IBGE, 1991. 92 p.

IRDeR – Instituto Regional de Desenvolvimento Rural – FIDENE/UNIJUÍ. Estação Pluviométrica, Augusto Pestana/RS, 2004.

JURINITZ, C. F.; JARENKOW, J. A. Estrutura do componente arbóreo de uma floresta estacional na Serra do Sudeste, Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, v. 26, n. 4, p. 475-487, dez./out. 2003.

KAGEYAMA, P. Y. Conservação “in situ” dos recursos genéticos de plantas. Série IPEF 35. Curitiba: IPEF, 1987, p.7-40.

LONGHI, S. J. et al. Aspectos florísticos da Floresta Estacional Decidual, às margens do Rio Ibicuí-Mirim no distrito de Boca do Monte, Santa Maria-RS. In: CICLO DE ATUALIZAÇÃO FLORESTAL DO CONE-SUL, 1999, Santa Maria. Anais. Santa Maria: UFSM, 1999. p. 254-261.

LONGHI, S. J. et al. Aspectos fitossociológicos de fragmento de floresta estacional decidual, Santa Maria, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 10, n. 2, p. 59-74, abr./jun. 2000.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Ed. Plantarum, 1992. 352 p.

MARCHIORI, J. N. C. Dendrologia das angiospermas: das bixáceas às rosáceas. Santa Maria: Editora da UFSM, 2000. 240 p.

MORENO, J. A. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura do Rio Grande do Sul, 1961. 73 p.

NASCIMENTO, A. R. T.; LONGHI, S. J.; BRENA, D. A. Estrutura e padrões de distribuição espacial de espécies arbóreas em uma amostra de Floresta Ombrófila Mista em Nova Prata, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 11, n. 1, p. 105-119, jan./jun. 2001.

NETO, R. M. R. et al. Análise florística e estrutural de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista Montana, situado em Criúva, RS, Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 12, n. 1, p. 29-37, jan./jun. 2002.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO. Lei Municipal nº 2.965/2006. Cria o Parque Natural Municipal de Santo Ângelo.

PRIMACK, R. B.; RODRIGUES, E. Biologia da conservação. Londrina: Ed. Vida, 2001. 327 p.

REITZ, R.; KLEIN, R. M.; REIS, A. Projeto Madeira do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Sudesul, 1988. 525 p.

ROSA, S. F. da; LONGHI, S. J.; LUDWIG, M. P. Aspectos florísticos e fitossociológicos da Reserva Capão de Tupanciretã, Tupanciretã, RS, Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 18, n. 1, p. 15-25, jan./mar. 2008.

SCHNEIDER, P. R.; FINGER, C. A. F. Manejo sustentado de florestas inequiâneas heterogêneas. Santa Maria: UFSM, 2000. 195 p.

SILVERSTON, A.; LONGHI, S. J. Estudo fitossociológico do Parque Municipal "Longines Malinowski" de Erexim - RS. In: CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL, 4., 1988, Nova Prata. Anais... Nova Prata: Prefeitura Municipal de Nova Prata, 1988. p. 527-540. v. 1

SOUZA, J. S. et al. Análise das variações florísticas e estruturais da comunidade arbórea de um fragmento de floresta semidecídua às margens do rio Capivari, Lavras-MG. Revista Árvore, Viçosa, v. 27, n. 2, p. 185-206, mar./abr. 2003.

STRECK, E. V. et al. Solos do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2002. 107 p.

UFSM/SEMA-RS. Inventário Florestal Contínuo do Rio Grande do Sul. Santa Maria: UFSM/SEMA-RS, 2001. Disponível em: . Acesso em 11/01/2009.

VASCONCELLOS, J. M. O. et al. Fitossociologia de uma área de mata subtropical no parque Estadual do Turvo. Revista do Instituto Florestal, v. 4, p. 252-259, 1992.

WATZLAWICK, L. F. et al. Caracterização da composição florística e estrutura de uma Floresta Ombrófila Mista, no Município de General Carneiro/PR. Ambiência, Guarapuava, v. 1, n. 2, p. 229-238, maio/ago. 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050984508

Licença Creative Commons