ESTRUTURA DO COMPONENTE ARBÓREO E ARBORESCENTEDE UM FRAGMENTO URBANO NO MUNICÍPIO DE SÉRIO, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL

Ana Paula Ariotti, Fabiano Eduardo Eichler, Elisete Maria de Freitas

Resumo


Fragmentos urbanos rodeados por uma matriz habitacional constituem uma porção de floresta que preserva a riqueza e serve para conservação das relações dos seres vivos entre si e com o ambiente. O presente estudo teve por objetivo descrever a comunidade arbórea e arborescente do fragmento florestal urbano no município de Sério, Rio Grande do Sul (RS), inserido no Bioma Mata Atlântica, na formação fitoecológica da Floresta Estacional Decidual Montana. O levantamento florístico foi realizado através do método de caminhamento, atingindo toda a área, em saídas mensais. Para a amostragem, foram distribuídas 40 unidades amostrais (UAs) de 100 m², distantes 20 metros entre si. Dentro das UAs foram obtidos os dados de altura e circunferência a altura do peito (CAP) de todos os indivíduos com CAP igual ou superior a 15 cm. Foram estimados os parâmetros de dominância, densidade e frequência, absolutas e relativas, e o índice de valor de importância (IVI). O levantamento florístico indicou a ocorrência de 59 espécies arbóreas e arborescentes pertencentes a 48 gêneros e 30 famílias. No levantamento quantitativo foram amostrados 535 indivíduos arbóreos pertencentes a 51 espécies distribuídas em 42 gêneros e 27 famílias. Dentre as espécies, três são exóticas e três encontram-se na lista das espécies ameaçadas de extinção do RS. A densidade absoluta foi estimada em 1.338 ind.ha-1. Actinostemon concolor apresentou os maiores valores de densidade (140 ind.ha-1), seguida por Alchornea triplinervia e Eugenia rostrifolia, ambas com 108 ind.ha-1. As espécies com os maiores IVIs foram Alchornea triplinervia, Vernonanthura discolor, Actinostemon concolor, Eugenia rostrifolia e Araucaria angustifolia. A diversidade estimada pelo índice de Shannon (Hʼ) foi de 3,35 e a equabilidade de Pielou (Jʼ) de 0,85, apontando uma considerável diversidade de espécies. O fragmento constitui um importante refúgio de espécies da flora nativa regional e, para que continue a cumprir com sua função ecológica, é necessária a implantação de medidas que visem a sua preservação, tais como, a eliminação dos indivíduos de espécies exóticas.


Palavras-chave


composição florística; comunidade arbórea; levantamento fitossociológico; Bioma Mata Atlântica.

Texto completo:

PDF

Referências


Angiosperm Phylogeny Group (APG III). Na update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, v. 161, n. 2, p.105-121, 2009.

BRACKMANN, C. E.; FREITAS, E. M. de. Florística arbórea e arbustiva de um fragmento de Mata Ciliar do arroio Boa Vista Teutônia, RS, Brasil. Hoehnea, São Paulo, v.40, n. 2, p. 365-372, 2013.

BRASIL. Resolução nº 33. 1994. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res94/res3394.html Acesso em: 03/10/2013.

BUDKE, J. C. et al. Florística e fitossociologia do componente arbóreo de uma floresta ribeirinha, arroio Passo das Tropas, Santa Maria, RS, Brasil. Acta Botânica Brasílica, São Paulo, v. 3, n. 18, p. 581-589, 2004.

CIELO-FILHO, R.; SANTIN, D. A. Estudo florístico e fitossociológico de um fragmento florestal urbano -Bosque dos Alemães, Campinas, SP. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 25, n. 3, p. 291-301, 2002.

COLWELL, R. K. EstimateS: Statistical Estimation of Species Richness and Shared Species from Samples. Version8. Connecticut: University of Connecticut, 2006. Disponível em: purl.oclc.org/estimates. Acesso em: 30/10/2013.

CULLEN JR, L. et al. Trampolins ecológicos e zonas de benefício múltiplo: ferramentas agroflorestais para a conservação de paisagens rurais fragmentadas na Floresta Atlântica Brasileira. Revista Natureza e Conservação, Curitiba, v. 1, n. 1, p. 37-46, 2003.

DORNELES, L. P. P.; WAECHTER, J. L. Fitossociologia do componente arbóreo na floresta turfosa do Parque Nacional da Lagoa do Peixe, Rio Grande do Sul. Acta Botânica Brasílica, São Paulo, v. 4, n. 18, p. 815-824, 2004.

FILGUEIRAS, T. S. et al. Caminhamento - um método expedito para levantamentos florísticos qualitativos. Cadernos de Geociências, Rio de Janeiro, n. 12, p. 39-43, 1994.

FEIBER, S. D. Áreas verdes urbanas imagem e uso-O caso do Passeio Público de Curitiba – PR. Revista RA´E GA- O Espaço Geográfico em Análise, Curitiba, n. 8, p. 93-105, 2004.

GUREVITCH, J.; SCHEINER, S. M.; FOX, G. A. Ecologia vegetal. Porto Alegre: Artmed, 2009.592 p.

GRINGS, M.; BRACK, P. Árvores na vegetação nativa de Nova Petrópolis, Rio Grande do Sul. Iheringia, Série Botânica, Porto Alegre, v. 64, n. 1, p. 5-22, 2009.

HACK, C. et al. Análise fitossociológica de um fragmento de floresta estacional decidual no município de Jaguari, RS.Ciência Rural, Santa Maria, v. 35, n.5, p. 1083-1091, 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico. Diário Oficial da União. 04.11.2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/ resultados_dou/RS2010.pdf Acesso em: 31/10/2013.

JARENKOW, J. A.; WAECHTER, J. L. Composição, estrutura e relações florísticas do componente arbóreo de uma floresta estacional no Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 24, n. 3, p. 263-272, 2001.

JURINITZ, C. F.; JARENKOW, J. A. Estrutura do componente arbóreo de uma floresta estacional na Serra do Sudeste, Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 26, n. 4, p.475-487, 2003.

LEITE, P. F. Contribuição ao conhecimento fitoecológico do Sul do Brasil. Ciência & Ambiente, Santa Maria, v.1, n.24, p. 51-73, 2002.

Lista de Espécies da Flora do Brasil. 2013. Disponível em: http://floradobrasil.jbrj. gov.br. Acesso em: 20/07/2013.

LONGHI, S. J. et al. Aspectos fitossociológicos de fragmento de Floresta Estacional Decidual, Santa Maria, RS. Ciência Florestal, Santa Maria, v.10, n.2, p. 59 – 74, 2000.

MARKUS, E.; FREITAS, E. M.de. Florística arbórea de uma porção de mata de encosta do Morro da Harmonia, Teutônia, Rio Grande do Sul, Brasil. Pesquisas, Botânica, São Leopoldo, n.62, p. 263- 272 2011.

MELO, A. G. C. de. et al.Fragmentos Florestais Urbanos. Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal R. C. E. E. F., São Paulo, v. 17, n.1, p. 58-79, 2011.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation ecology. J. Wiley, New York, 547 p. 1974.

PEEL, M. C.; FINLAYSON, B. L.; MCMAHON, T. A. Updated world map of the Koppen-Geiger climate classification. Hydrology and Earth System, Sciences, v. 11, p. 1633–1644, 2007.

SOBRAL, M. et al. (Org.).Flora arbórea e arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. 2. ed. São Paulo: RIMA Editora, 2013,p. 357.

SEMA, 2003. Lista final das espécies da flora ameaçadas - RS. Disponível em: <(http://www.fzb.rs.gov.br/downloads/flora_ameacada.pdf)>. Acesso em: 27/10/ 2013.

STRECK, E. V. et al. Solos do Rio Grande do Sul. 2. ed. Porto Alegre: Emater/RS-Ascar, 2008, p.222.

TEIXEIRA, M. B. et al. Vegetação. In: IBGE, Levantamento de Recursos Naturais, v. 33. Rio de Janeiro, IBGE, 1986. p. 541-620.

TROIAN, L. C. et al. Florística e padrões estruturais de um fragmento florestal urbano, região metropolitana de Porto Alegre, RS, Brasil. Iheringia, Série Botânica, Porto Alegre, v. 66, n. 1, p. 5-16,2011.

Tropicos.org. Missouri Botanical Garden. Disponível em:<(http://www.tropicos.org)>.Acesso em: 27/07/ 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509824193