Ciclos de produção de <i>Pinus taeda</i> L. com mais de 30 anos: uma alternativa para obtenção de madeira para usos sólidos e estruturais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5902/1980509842430

Palavras-chave:

Propriedades físico-mecânicas, Anatomia da madeira, Manejo florestal, Manejo para multiprodutos

Resumo

Plantios de Pinus spp. são a base de uma importante atividade econômica na região do planalto sul do Brasil, onde são cultivados em ciclos de produção com cerca de 15 anos de duração. O objetivo do estudo foi avaliar as características físico-mecânicas e anatômicas da madeira de Pinus taeda L. obtida em povoamentos com idades superiores a 30 anos, em comparação com aquela atualmente disponível no mercado, com idade próxima a 15 anos, visando avaliar seu potencial para produção de madeira de alta qualidade para usos sólidos e estruturais. Além disso, avaliaram-se também aspectos produtivos e econômicos de plantios de Pinus taeda com mais de 30 anos de idade. Para isso, foram utilizadas árvores de Pinus taeda provenientes de dois plantios, com idades de 15 e 43 anos e, deste último, amostrada apenas a madeira produzida a partir dos 30 anos, de forma a caracterizar a madeira juvenil e adulta, respectivamente. Concluiu-se que a madeira adulta, obtida de árvores com >30 anos, apresenta valores superiores de densidade, dimensões de traqueídes, coeficiente de retratibilidade volumétrica (porém com menor coeficiente de anisotropia), módulo de elasticidade e módulo de ruptura à flexão estática, em comparação à madeira juvenil, obtida em árvores com 15 anos. Levando-se em consideração a habilidade frente ao ensaio de flexão estática, a madeira com >30 anos pode ser indicada para usos que explorem seu maior desempenho mecânico e estrutural, compatível com Araucaria angustifolia de idades entre 25 e 58 anos. Ciclos de produção com duração superior a 30 anos são viáveis economicamente e podem ser uma opção de manejo interessante, visando acessar mercados específicos nos quais a qualidade da madeira para usos sólidos e estruturais poderia ser ainda mais bem remunerada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Magnos Alan Vivian, Universidade Federal de Santa Catarina, Curitibanos, SC

Engenheiro Florestal, Dr., Professor do Departamento de Agricultura, Biodiversidade e Florestas, Campus de Curitibanos, Universidade Federal de Santa Catarina, Rod. Ulysses Gaboardi, km 3, CEP 89520-000, Curitibanos (SC), Brasil.

Mario Dobner Júnior, Universidade Federal de Santa Catarina, Curitibanos, SC

Engenheiro Florestal, Dr., Professor do Departamento de Agricultura, Biodiversidade e Florestas, Campus de Curitibanos, Universidade Federal de Santa Catarina, Rod. Ulysses Gaboardi, km 3, CEP 89520-000, Curitibanos (SC), Brasil.

Karina Soares Modes, Universidade Federal de Santa Catarina, Curitibanos, SC

Engenheira Florestal, Dra., Professora do Departamento de Agricultura, Biodiversidade e Florestas, Campus de Curitibanos, Universidade Federal de Santa Catarina, Rod. Ulysses Gaboardi, km 3, CEP 89520-000, Curitibanos (SC), Brasil.

Ugo Leandro Belini, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, PR

Engenheiro Florestal, Dr., Professor do Departamento de Desenho Industrial, Programa de Pós Graduação em Engenharia Mecânica e de Materiais, Programa de Pós Graduação em Sustentabilidade Ambiental Urbana, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Av. Sete de Setembro, 3165, CEP 80.230-901, Curitiba (PR), Brasil.

Douglas Rufino Vaz, Universidade do Estado de Santa Catarina, Lages, SC

Engenheiro Florestal, Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Florestal, Centro de Ciências Agroveterinárias, Universidade do Estado de Santa Catarina, Av. Luiz de Camões, 2090, CEP 88520-000, Lages (SC), Brasil.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7.190/1997: Projeto de estruturas de madeira. Rio de Janeiro, 1997. 107 p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 12.297/1991: Madeira serrada de coníferas provenientes de reflorestamento, para uso geral - Medição e quantificação de defeitos - Procedimento. Rio de Janeiro, 1991. 6 p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 12.498/2017: Madeira serrada de coníferas provenientes de reflorestamento, para uso geral - Requisitos. Rio de Janeiro, 2017. 6 p.

AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS. ASTM D-143: Standard methods of testing small clear specimens of timber. Annual Book of A.S.T.M. Standards, Philadelphia, 1994. v. 4, p. 24-65.

ALTEYRAC, J.; CLOUTIER, A.; ZHANG, S. Y. Characterisation of juvenile wood to mature wood transition age in black spruce (Picea mariana [Mill.] BSP) at different stand densities and sampling heights. Wood Science and Technology, New York, v. 40, n. 2, p. 124-138, fev. 2006. DOI: 10.1007/s00226-005-0047-4

BALLARIN, A. W.; PALMA, H. A. L. Propriedades de resistência e rigidez da madeira juvenil e adulta de Pinus taeda L. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 27, n. 3, p. 371-380, maio/jun. 2003. DOI: 10.1590/S0100-67622003000300014

BELTRAME, R. et al. Propriedades físico-mecânicas da madeira de Araucaria angustifolia (Bertol.) em três estratos fitossociológicos. Ciência da Madeira, Pelotas, v. 1, n. 2, p. 54-69, nov. 2010.

DOBNER JÚNIOR, M.; HUSS, J.; TOMAZELLO FILHO, M. Wood density of loblolly pine trees as affected by crown thinning and harvest age in southern Brazil. Wood Science and Technology, New York, v. 52, n. 2, p. 465-485, jan. 2018. DOI: 10.1007/s00226-017-0983-9

DOBNER JÚNIOR, M.; QUADROS, D. S. Economic performance of loblolly pine in southern Brazil as a result of different crown thinning intensities. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 43, n. 2, e430204, 2019. DOI:10.1590/1806-90882019000200004

EMBRAPA. Atlas Climático da Região Sul do Brasil: Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Brasilia, 2012. 334 p. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1045852/atlas-climatico-da-regiao-sul-do-brasil-estados-do-parana-santa-catarina-e-rio-grande-do-sul. Acesso em: 05 jul. 2021.

GARTNER, B. L. Assessing wood characteristics and wood quality in intensively managed plantations. Journal of Forestry, Washington, v. 103, n. 2, p. 75-77, mar. 2005.

HENNESSEY, T. C. et al. Long-term growth and ecophysiological responses of a southeastern Oklahoma loblolly pine plantation to early rotation thinning. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 192, n. 1, p. 97-116, abr. 2004. DOI: 10.1016/j.foreco.2004.01.008

HILLIG, E. et al. Propriedades físicas da madeira de Araucaria angustifolia (Bert.) O. Kuntze em função da posição no fuste para diferentes idades. Cerne, Lavras, v. 18, n. 2, p. 257-263, abr./jun. 2012. DOI: 10.1590/S0104-77602012000200010

HUSS, J.; DOBNER JÚNIOR, M. Einfluss von Ausgangspflanzendichte und Durchforstung auf Wachstum und wirtschaftlichen Ertrag von Weihrauchkiefer (Pinus taeda) in Südbrasilien. Allgemeine Forst-und Jagdzeitung, Bad Orb, v. 190, n. 1/2, p. 1-22, jan. 2020.

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE ÁRVORES. Relatório Anual 2021 (Ano base 2020). Brasília, 2021. 93 p.

INTERNATIONAL ASSOCIATION OF WOOD ANATOMISTS. List of Microscopic Features for Hardwood Identification. IAWA Bulletin, Beijing, p. 219-332, 1989.

MATTOS, P. P. et al. Caracterização física, química e anatômica da madeira de Araucaria angustifolia (Bert.) O. Kuntze. Colombo: Embrapa Florestas, 2006. 4 p. (Comunicado Técnico, 160).

MELO, R. R. et al. Caracterização física e mecânica da madeira de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife, v. 5, n. 1, p. 67-73, jan./mar. 2010.

MEGRAW, R. A. Wood quality factors in loblolly pine. Atlanta: TAPPI Press, 1985. 96 p.

MUSTEFAGA, E. C. et al. Caracterização físico-mecânica da madeira juvenil de Pinus. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 47, n. 123, p. 472-481, set. 2019. DOI: 10.18671/scifor.v47n123.09

PALMA, H. A. L.; BALLARIN, A. W. Propriedades de contração na madeira juvenil e adulta de Pinus taeda L. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 64, p. 13-22, dez. 2003.

PÉLLICO NETTO, S.; BRENA, D. A. Inventário Florestal. Curitiba: [s. n.], 1997. 316 p.

SANTOS, C. M. et al. Radial variation of tracheid features, specific gravity and growth rings in Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze planted in Cunha-SP. Revista Instituto Florestal, São Paulo, v. 27, n. 2, p. 127-135, dez. 2015. DOI: 10.4322//rif.2015.009

TASSISSA, G.; BURKHART, H. E.; BROOKS, T. M. Juvenile-mature wood demarcation in loblolly pine trees. Wood and Fiber Science, Madison, v. 30, p. 119-127, abr. 1998.

TRIANOSKI, R. et al. Avaliação da estabilidade dimensional de espécies de Pinus tropicais. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 20, n. 3, p. 398-406, jul./set. 2013a. DOI: 10.4322/floram.2012.071

TRIANOSKI, R. et al. Avaliação das propriedades mecânicas da madeira de espécies de Pinus tropicais. Scientia Forestalis, Piracicaba, v. 42, n. 101, p. 21-28, mar. 2014.

TRIANOSKI, R. et al. Variação longitudinal da densidade básica da madeira de espécies de pinus tropicais. Floresta, Curitiba, v. 43, n. 3, p. 503-510, jul./set. 2013b. DOI: 10.5380/rf.v43i3.28252

VIDAURRE, G. et al. Lenho Juvenil e Adulto e as Propriedades da Madeira. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 18, n. 4, p. 469-480, out./dez. 2011. DOI: 10.4322/floram.2011.066

Downloads

Publicado

24-06-2022 — Atualizado em 29-06-2022

Versões

Como Citar

Vivian, M. A., Dobner Júnior, M., Modes, K. S., Belini, U. L., & Vaz, D. R. (2022). Ciclos de produção de <i>Pinus taeda</i> L. com mais de 30 anos: uma alternativa para obtenção de madeira para usos sólidos e estruturais. Ciência Florestal, 32(2), 573–596. https://doi.org/10.5902/1980509842430 (Original work published 24º de junho de 2022)

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>