AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE METODOLOGIAS PARA ESTRATIFICAÇÃO VERTICAL EM FLORESTAS NATIVAS

Edvaldo Nogueira Sousa Neto, Alessandro de Paula, Cristiano Tagliaferre, Patrícia Anjos Bittencourt Barreto- Garcia, Dalton Longue Júnior

Resumo


A estratificação vertical, bem como vários parâmetros ecológicos de suma importância para a estrutura fitossociológica em florestas inequiâneas, reflete a quantidade de energia existente na floresta. O presente trabalho teve como objetivo avaliar o desempenho das metodologias usuais de caracterização da estratificação vertical em florestas. O levantamento de dados foi realizado em um fragmento de Floresta Estacional, no município de Vitória da Conquista, no campus da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. A Posição Sociológica foi considerada como método padrão neste estudo. Os resultados obtidos foram comparados com outros seis diferentes métodos: IUFRO, Vega, Longhi, Calegário, Souza e Leite e Hasenauer. O desempenho dos métodos foi avaliado segundo o coeficiente “c”. Foram classificados pelo método padrão 954 indivíduos obtendo os seguintes resultados: 656 dominantes, 232 codominantes e 66 dominados. O coeficiente “c” mostrou-se eficiente na interpretação do desempenho dos métodos. O método da IUFRO apresentou o melhor desempenho em comparação ao Método da Posição Sociológica.


Palavras-chave


fitossociologia; florestas inequiâneas; posição sociológica.

Texto completo:

PDF

Referências


ALLEN, R. G. A Penman for all reasons. Journal of Irrigation and Drainage Engineering, New York, v. 112, n. 4, p. 348-386, 1986.

CALEGÁRIO, N.; SCOLFORO, J. R. S.; SOUZA, A. L. Estratificação em alturas para floresta natural heterogênea: uma proposta metodológica. Cerne, Lavras, v. 1, n. 1, p. 58-63, 1994.

CAMARGO, A. P.; SENTELHAS P. C. Avaliação do desempenho de diferentes métodos de estimativa da evapotranspiração potencial no estado de São Paulo - Brasil. Revista Brasileira de Agrometeorologia, Santa Maria, v. 5, n. 1, p. 89-97, 1997.

CURTO, R. A. et al. Métodos de estratificação vertical em floresta estacional semidecidual. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 23, n. 4, p. 643-654, 2013.

FREITAS, W. K.; MAGALHÃES, L. M. S. Métodos e parâmetros para estudo da vegetação com ênfase no estrato arbóreo. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 19, n. 4, p. 520-540, 2012.

GOURLET-FLEURY, S. et al. Grouping species for predicting mixed tropical forest dynamics: looking for a strategy. Annuals of Forest Science, Paris, v. 62, p. 785-796, 2005.

GUEDES-BRUNI, R. R. et al. Composição florística e estrutura de dossel em trecho de Floresta Ombrófila Densa Atlântica Aluvial na Reserva Biológica de Poço das Antas, Silva Jardim, Rio de Janeiro, Brasil. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 57, n. 3, p. 413-428, 2006.

GUILHERME, F. A. G.; MORELLATO, L. P. C.; ASSIS, M. A. Horizontal and vertical tree community structure in a lowland Atlantic Rain Forest, Southeastern Brazil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 27, n. 4, p. 725-737, 2004.

HASENAUER, H. (Ed.). Sustainable forest management: growth models for Europe. Berlin: Springer-Verlag, 2006. 398 p.

HERRERA, H. A. R. et al. Análise florística e fitossociológica do componente arbóreo da floresta ombrófila mista presente na reserva florestal EMBRAPA/EPAGRI, Caçador, SC – Brasil. Revista Floresta, Curitiba, v. 39, n. 3, p. 485-500, 2009.

LAMPRECHT, H. Silvicultura nos trópicos: ecossistemas florestais e respectivas espécies arbóreas: possibilidades e métodos de aproveitamento sustentado. Eschborn: Instituto de Silvicultura da Universidade de Göttingen, 1990. 343 p.

LEYSER, G. et al. Espectro de dispersão em um fragmento de transição entre Floresta Ombrófila Mista e Floresta Estacional na região do Alto Uruguai, Rio Grande do Sul, Brasil. Pesquisas-Série Botânica, São Leopoldo, n. 60, p. 355-366, 2009.

LIEBSCH, D.; GOLDENBERG, R.; MARQUES, M. C. M. Florística e estrutura de comunidades vegetais em uma consequência de Floresta Atlântica no Estado do Paraná, Brasil. Acta Botânica Brasílica, Belo Horizonte, v. 21, n. 4, p. 983-992, 2007.

LONGHI S. J. et al. Composição florística e estrutura da comunidade arbórea de um fragmento florestal no município de Santa Maria - Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 9, n. 1, p. 115-133, 1999.

MARANGON, L. C. et al. Relações florísticas, estrutura diamétrica e hipsométrica de um fragmento de Floresta Estacional Semidecidual em Viçosa. Floresta, Curitiba, v. 38, n. 4, p. 699-709, 2008.

MARTINS, S. V. Ecologia de florestas tropicais do Brasil. Viçosa, MG: Editora UFV, 2012. 371 p.

MOORE, D. S. The basic practice of statistics. New York: W. H. Freeman, 2007. 728 p.

NEGRELLE, R. R. B. Composição florística e estrutura vertical de um trecho de Floresta Ombrófila Densa de Planície Quaternária. Hoehnea, São Paulo, v. 33, n. 3, p. 261-289, 2006.

ORELLANA, E.; KOEHLER, A. B. Relações morfométricas de Ocotea odorifera (Vell.) Rohwer. Revista da Academia de Ciências Agrárias Ambientais, Curitiba. v. 6, n. 2, p. 229-237, 2008.

PAULA, A. et al. Sucessão ecológica da vegetação arbórea em uma floresta estacional semidecidual, Viçosa, MG, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 18, n. 3, p. 407-423, 2004.

SILVEIRA, P. A. Indicadores de vulnerabilidade e classificação de áreas de risco ambiental na vertente sul da serra do Periperi em Vitória da Conquista – Bahia - Brasil. Revista Geográfica de América Central, Heredia, v. 2, n. 47E, p. 1-15, 2011.

SOUZA, A. L. et al. Caracterização fitossociológica em áreas de ocorrência natural de candeia (Eremanthus erythropappus (D.C.) MacLeish). Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 31, n. 4, p. 667-677, 2007.

SOUZA, A. L.; LEITE, H. G. Manejo florestal. Viçosa, MG: UFV, 1993. 147 p.

SOUZA, D. R. et al. Emprego de análise multivariada para estratificação vertical de florestas inequiâneas. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 27, n. 1, p. 59-63, 2003.

SOUZA, D. R.; SOUZA, A. L. Estratificação vertical em Floresta Ombrófila Densa de terra firme não explorada, Amazônia Oriental. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 28, n. 5, p. 691-698, 2004.

VALE, V. S. et al. Composição florística e estrutura do componente arbóreo em um remanescente primário de floresta estacional semidecidual em Araguari, Minas Gerais, Brasil. Hoehnea, São Paulo, v. 36, n. 3, p. 417-429, 2009.

VEGA, C. L. Observaciones ecológicas sobre los bosques de roble de la sierra Boyacá, Colômbia. Turrialba, San José, v. 16, n. 3, p. 286-296, 1966.

VELOSO, P. H.; RANGEL FILHO, A. L. R.; LIMA, J. C. A. Classificação da vegetação brasileira adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: IBGE, 1991. 123 p.

WILLMOTT, C. J.; CKLESON, S. G.; DAVIS, R. E. Statistics for evaluation and comparisions of models. Journal of Geophysical Research, Ottawa, v. 90, n. C5, p. 8995-9005, 1985.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509835106