PRODUÇÃO DE SERAPILHEIRA EM FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL E EM PLANTIOS DE Pterogyne nitens Tull. e Eucalyptus urophylla S. T. Blake NO SUDOESTE DA BAHIA

Alcides Pereira Santos Neto, Patrícia Anjos Bittencourt Barreto, Emanuela Forestieri da Gama-Rodrigues, Adalberto Brito de Novaes, Alessandro de Paula

Resumo


http://dx.doi.org/10.5902/1980509819614

A serapilheira constitui um dos principais componentes responsáveis pela manutenção da capacidade produtiva de sítios florestais e, sendo assim, o conhecimento da sua produção e composição pode fornecer subsídios para adequação de técnicas de manejo. O objetivo deste trabalho foi avaliar mensalmente a serapilheira produzida em uma Floresta Estacional Semidecidual (mata de cipó) e dois plantios florestais puros (de Pterogyne nitens e de Eucalyptus urophylla), localizados no município de Vitória da Conquista - BA, assim como analisar a influência de fatores climáticos nessa produção. As amostras da serapilheira foram coletadas durante dez meses, por meio de coletores quadrados com 0,25 m2. Os materiais coletados foram triados (frações: folhas, galhos, casca e estruturas reprodutivas) e secos em estufa a 60oC. As produções mensais médias de serapilheira foram de 544,6, 522,6 e 179,5 kg ha-1 nas áreas de mata de cipó, Eucalyptus urophylla e Pinus nitens, respectivamente. As folhas representaram maior proporção da serapilheira produzida nas três coberturas (65% do total). A produção mensal média de folhas foi superior na mata nativa, seguida do Eucalyptus urophylla e Pinus nitens. O aporte de galhos foi significativamente menor no povoamento de Pinus nitens e não variou entre mata de cipó e Eucalyptus urophylla. A produção de materiais reprodutivos variou na ordem: Eucalyptus urophylla > mata de cipó > Pinus nitens. A fração casca não variou entre mata de cipó e Pinus nitens, sendo superior no Eucalyptus urophylla. Em todas as coberturas estudadas verificou-se correlação significativa negativa entre produção total e temperatura média do ar. Apenas no plantio de Pinus nitens foram verificadas associações significativas do aporte de serapilheira com as variáveis precipitação e velocidade do vento. O Eucalyptus urophylla e a mata de cipó apresentam similaridade quanto à produção média de serapilheira, sendo cerca de 67% superior a produção de Pinus nitens. A variação temporal do aporte de serapilheira de Pinus nitens mostra-se bem mais sensível à influência de variáveis climáticas que a mata de cipó e o Eucalyptus urophylla. A contribuição das frações da serapilheira obedeceu a uma mesma ordem em todas as coberturas estudadas: folhas > galhos > estruturas reprodutivas > cascas.


Palavras-chave


folhedo; deposição; madeira nova; eucalipto.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, A. G. et al. Deposição e decomposição da serapilheira em povoamentos de Mimosa caesalpiniifolia, Acacia mangium e Acacia holosericea com quatro anos de idade em planossolo. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 24, n. 4, p. 777-785, 2000.

ANDRADE R. L. et al. Deposição de Serrapilheira em Área de Caatinga na RPPN Fazenda Tamanduá, Santa Terezinha – PB. Revista Caatinga, v. 21, n. 2. p. 223-230, 2008.

ALVES, R. A. et al. Aporte e decomposição de serrapilheira em área de caatinga, na Paraíba. Revista Biologia e Ciência da Terra, v. 6, n. 2, p. 194-203, 2006.

ARATO, H. D. et al.. Produção e decomposição de serapilheira em um sistema agroflorestal implantado para recuperação de área degradada em Viçosa-MG. Revista Árvore, v. 27, n. 5, p. 715-721, 2003.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUTORES DE FLORESTAS PLANTADAS (ABRAF). Anuário estatístico da ABRAF 2010 - ano base 2009. Brasília, DF, 2010. 140 p.

BALIEIRO, F. C. et al. Dinâmica da serapilheira e transferência de nitrogênio ao solo, em plantios de Pseudosamanea guachapele e Eucalyptus grandis. Pesq. Agropec. Bras., Brasília, v. 39, n. 6, p. 597-601, 2004.

BARNES, B. V. et al. Forest Ecology. New York: John Wiley, 1998.774 p.

BRASIL. Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA. Resolução nº. 1, de 31 de Janeiro de 1994. Diário Oficial da União, de 03 de Fevereiro de 1994, Seção1, páginas 1684-1685.

BROWN, S.; LUGO, A. E. The storage and production of organic matter in tropical forest and their role in global carbon cycle. Biotropica, v. 14, n. 3, p. 161- 187, 1982.

CARVALHO, P. E. R. Espécies florestais brasileiras: recomendações silviculturais, potencialidades e uso da madeira. Colombo: EMBRAPA/CNPF, 1994. 640 p.

CESAR, O. Produção de serapilheira na mata mesófila semidecídua da Fazenda Barreiro Rico, Município de Anhembi, SP. Revista Brasileira de Biologia. v. 53 p. 671-681, 1993.

CHABOT, B. F.; HICKS, D. J. The ecology of leaf life span. Annual Rewiew of Ecology and Systematics v. 13, p. 229-243, 1982.

CIANCIARUSO, M. V. et al. Produção de serrapilheira e decomposição do material foliar em um cerradão na Estação Ecológica de Jataí, município de Luiz Antônio, SP, Brasil. Acta Botânica Brasileira. p. 49-59, 2005.

COSTA, G. S. et al. Aporte de nutrientes pela serapilheira em uma área degradada e revegetada com leguminosas arbóreas. Revista Brasileira de Ciência do Solo. v. 28, p. 919-927, 2004.

COSTA, C. C. A. et al. Análise comparativa da produção de serapilheira em fragmentos arbóreos e arbustivos em área de Caatinga na Flona de Açu-RN. Rev. Árvore, Viçosa, v. 34, n. 2, p. 259-265, 2010.

DIAS, H. C. T. et al. Variação temporal de nutrientes na serapilheira de um fragmento de floresta estacional semidecidual em Lavras, Minas Gerais – Brasil. Cerne, v. 8, n. 2, p. 1-16, 2002.

DUARTE, E. M. G. Ciclagem de nutrientes por árvores em Sistemas Agroflorestais na Mata Atlântica. 2007. 132 f. Dissertação (Mestrado em Solos e Nutrição de Plantas). Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2007.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Centro Nacional de Pesquisa de Solos (Rio de Janeiro). Sistema Brasileiro de Classificação de solos. 2. ed. Rio de Janeiro, 2006. 306 p.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Serviço Nacional de Levantamento e Classificação de Solos. Manual de métodos de análise de solo. Rio de Janeiro: Embrapa-SNLCS, 1979. 255 p.

FACELLI, J. M.; PICKETT, S. T. A. Plant litter: its dynamics and effects on plant community struture. The Botanical Review, v. 57, p. 1-32, 1991.

FERREIRA, R. L. C. et al. Deposição e acúmulo de matéria seca e nutrientes em serapilheira em um bosque de sabiá. Revista Árvore. v. 31, n. 1, p. 7-12, 2007.

GAMA-RODRIGUES, A. C.; BARROS, N. F. Ciclagem de nutrientes em floresta natural e em plantios de eucalipto e de dandá no sudeste da Bahia, Brasil. Revista Árvore, v. 26, n. 2, p. 193-207, 2002.

KÖNIG, F. G. et al. Avaliação da sazonalidade da produção de serapilheira numa Floresta Estacional Decidual no município de Santa Maria-RS. Revista Árvore. v. 26, p. 26-435, 2002.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 2002. v. 1.

MACHADO, F. A. et al. Produção e qualidade da serrapilheira de três leguminosas arbóreas nativas do nordeste do Brasil. Arch. Zootec. v. 61, n. 235, 2012.

MAMAN, A. P. et al. Produção e acúmulo de serapilheira e decomposição foliar em mata de galeria e cerradão no sudoeste de Mato Grosso. Revista de Ciências Agro-Ambientais. v. 5, n. 1, p. 71- 84, 2007.

MARTINS, S. V.; RODRIGUES, R. R. Produção de serapilheira em clareiras de uma floresta estacional de uma floresta estacional semidecidual no município de Campinas, SP. Revista Brasileira de Botânica, v. 68, p. 257-278, 1999.

MELO, J. T.; RESCK, D. V. S. Retorno ao Solo de Nutrientes de Serrapilheira de Eucalyptus camaldulensis no Cerrado do Distrito Federal. Planantina: Embrapa Cerrados, 2003. 17 p. (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento/Embrapa Cerrados, 109).

PAGANO, S. N.; DURIGAN, G. Aspectos da Ciclagem dos Nutrientes em Matas Ciliares do Oeste do estado de São Paulo, Brasil. In: RODRIGUES, R.R.; LEITÃO FREITAS, H.F. (eds). Matas ciliares: conservação e recuperação. 2. ed. São Paulo: FAPESP, 2001. p. 109-131.

PAULA, J. L.; ALVES, J. L. H. Madeiras nativas: anatomia, dendrologia, produção e uso. Brasília: Fundação Mokiti Okada-MOA. 1997, 543 p.

PAULA, R. R; PEREIRA, M. G.; MENEZES, L. F. T. Aporte de nutrientes e decomposição da serapilheira em três fragmentos florestais periodicamente inundados na ilha da Marambaia, RJ. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 19, n. 2, p. 139-148, 2009.

PEREIRA, M. G.; MENEZES, L. F. T.; SCHULTZ, N. Aporte e deposição da serrapilheira na floresta atlântica, Ilha da Marabaia, Mangaratiba, RJ. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 18, n. 4, p. 443-454, 2008.

PINTO, S. I. C. et al. Produção de serapilheira em dois estádios sucessionais de floresta estacional semidecidual na reserva Mata do Paraíso, em Viçosa, MG. Revista Árvore. v. 32, n. 3, p. 535-546, 2008.

SANKARAN, K. V. Decomposition of leaf litter of albizia (Paraserianthes falcataria), eucalypt (Eucalyptus tereticornis) and teak (Tectona grandis) in Kerala, India. Forest Ecology and Management, v. 56, n. 1-4, p.225-242, 1993.

SCHUMACHER, M. V. et al. Produção de serapilheira em uma floresta de Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze no município de Pinhal Grande-RS. Revista Árvore, v. 28, n. 1, p. 29-37, 2004.

SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO (SFB). Florestas do Brasil em resumo - 2010: dados de 2005 a 2010. Brasília, 2010. 152 p.

SILVA, C. J. et al. Produção de serrapilheira no Cerrado e na floresta de transição Amazônia-Cerrado do Centro Oeste brasileiro. Acta Amazonica, v. 37, n. 4, p. 543-548, 2007.

SOARES FILHO, A. O. Estudo Fitossociológico de duas Florestas em Região Ecotonal no Planalto de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil. 2000. 147 f. Dissertação (Mestrado em Ciências). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

VELOSO, H. P. et al. Classificação da vegetação brasileira adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: IBGE, Departamento de Recursos Naturais e Estudos Ambientais, 1991. 124 p.

VIDAL, M. M. et al. Produção de serapilheira em floresta Atlântica secundária numa paisagem fragmentada (Ibiúna, SP): importância da borda e tamanho dos fragmentos Revista Brasil. Bot., v. 30, n. 3, p. 521-532, 2007.

VITOUSEK, P. M.; SANFORD, R. L. Nutrient cycling in moist tropical forest. Annual Review of Ecology and Systematics, v. 17, n. 4, p. 137-167, 1986.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509819614

Licença Creative Commons