ABSORÇÃO E TRANSLOCAÇÃO DE SILÍCIO EM MUDAS DE Eucalyptus camaldulensis

Dalva Luiz de Queiroz, Joelma Melissa Malherbe Camargo, Renato Antonio Dedecek, Edilson Batista de Oliveira, Keti Maria Rocha Zanol, Raul Cesar Nogueira Melido

Resumo


A busca pela alta produtividade e qualidade das plantas de eucalipto que sejam mais resistentes ao ataque de insetos-praga vem sendo cada vez mais estudada. Dentro deste contexto, realizou-se o estudo da absorção e a translocação de silício em plantas de Eucalyptus camaldulensis. O experimento foi realizado com o clone 58, em viveiro comercial da empresa Votorantim Siderurgia /João Pinheiro-MG, onde foi avaliada a aplicação de silício via solo (silicato de cálcio) e via foliar (silicato de potássio), com três doses diferentes. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, com oito tratamentos, 20 repetições, totalizando 160 plantas. A avaliação do experimento foi realizada com base na análise do teor de silício presente no substrato (%) e na matéria seca das raízes e parte aérea das plantas (mg planta-1). Foram realizadas três avaliações aos 30, 60 e 90 dias após aplicação das doses de silício em folhas e raízes. Para o substrato foram realizadas quatro avaliações, sendo a primeira no dia da instalação do experimento (antes da aplicação de Si) e as demais aos 30, 60 e 90 dias após semeadura do eucalipto. Nas análises foliares realizadas, os maiores valores em relação ao teor de silício foram observados para o tratamento com aplicação de silicato de potássio (10mL/planta), T8, que foi em média 3 vezes maior, quando comparado aos tratamentos sem aplicação de silício (adubação padrão+110 gramas de CaO) - T1 e sem aplicação de silício (adubação padrão+1,71gramas de KCl) – T2. Os tratamentos não diferiram estatisticamente entre si nas avaliações realizadas, em relação à percentagem de silício presente nas raízes de E. camaldulensis. No substrato verificou-se um aumento significativo no teor do mineral aos 30, 60 e 90 dias, em função das doses crescentes de silicato, nas duas formas de aplicação, destacando o T8.  Assim, foi possível concluir que E. camaldulensis é capaz de absorver e translocar o mineral.


Palavras-chave


manejo de pragas; eucalipto; silvicultura

Texto completo:

PDF

Referências


CACIQUE, I. S. et al. Effect of root and leaf applications of soluble silicon on blast development in rice. Bragantia, Campinas, v. 72, 2013.

CAMARGO, P. N.; SILVA, O. Manual de adubação foliar. São Paulo: Herba, 1990. 256 p.

CARVALHO, R. et al. Absorção e translocação de silício em mudas de eucalipto cultivadas em Latossolo e Cambissolo. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 27, p. 491-500, 2003.

CRUSCIOL, C. A. et al. Effects of silicon and drought stress on tuber yield and leaf biochemical characteristics in potato. Crop Science, Madison, v. 49, n. 3, p. 949-954, 2009.

DAVILA, F. S. et al. Efeito do potássio na fase de rustificação de mudas clonais de eucalipto. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 35, p. 13-19-19, 2011.

DUARTE, I. N.; COELHO L. Uso do silício no cultivo de mudas de eucalipto. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 7, n. 12, p. 1-10, 2011.

EPSTEIN, E. The anomaly of silicon in plant biology. Proceedings Natural Academy Science, [S. l.], v. 91, p. 11-17, 1994.

EPSTEIN, E. Silicon. Annual Review of Plant Physiology and Plant Molecular Biology, Palo Alto, v. 50, p. 641-664, 1999.

EPSTEIN, E. Silicon in plants: facts vs. concepts. In: DATNOFF, L. E. et al. (Ed.). Silicon in Agriculture. Netherlands: Elsevier Science, 2001. p. 1-15.

GUÉVEL, M. H. et al. Effect of root and foliar applications of soluble silicon on powdery mildew control and growth of wheat plants. European Journal of Plant Pathology, Dordrecht, v. 119, p. 429-436, 2007.

GUNES, A. et al. Influence of silicon on sunflower cultivars under drought stress, II: Essential and nonessential element uptake determined by polarized energy dispersive X-ray fluorescence. Communications in Soil Science and Plant Analysis, Philadelphia, v. 39, n. 13, p. 1904-1927, 2008.

HATTORI, T. et al. Application of silicon enhanced drought tolerance in Sorghum bicolor. Physiologia Plantarum, Malden, v. 123, n. 4, p. 459-466, 2005.

JONES, L. H. P.; HANDRECK, K. A. Silica in soil, plants and animals. Advances in Agronomy, San Diego, v. 19, p. 107-147, 1967.

KORNDÖRFER, G. H. Uso do silício na agricultura. Uberlândia: Grupo de Pesquisa Silício na Agricultura, [2014]. Disponível em: . Acesso em: 3 abr. 2014.

KORNDÖRFER, G. H. et al. Efeito do silicato de cálcio no teor de silício no solo e na produção de grãos de arroz de sequeiro. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, MG, v. 23, p. 623-629, 1999.

KORNDÖRFER, G. H. et al. Extratores de silício solúvel em solos: influência do calcário e fósforo. Bioscience Journal, Uberlândia, v. 21, n. 2, p. 9-19, 2005.

KORNDÔRFER, G. H.; PEREIRA, H. S.; CAMARGO, M. S. Silicatos de cálcio e magnésio na agricultura. 2. ed. Uberlândia: GPSi; ICIAG; UFU, 2002. 24 p. (Boletim Técnico, 1).

KORNDÖRFER, G. H.; PEREIRA, H. S.; NOLA, A. Análise de silício: lesões causadas pela brusone e pela mancha-parda, solo, planta e fertilizante. 2. ed. Uberlândia: UFU, 2004. 34 p. (Boletim técnico, 2).

MARSCHNER, H. Mineral nutrition of higher plants. San Diego: Academic Press, 1995. 889 p.

PINTO, S. I. C. et al. Silício como amenizador da fitotoxidade de zinco em plantas jovens de Eucalyptus urophylla cultivadas em solução nutritiva. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 33, p. 1005-1014, 2009.

SANGSTER, A. G. et al. Silicon in Agriculture. Studies in plant science. Amsterdam: Elsevier, 2001. v. 8.

SIDDIQI, M. Y.; GLASS, A. D. M. Utilization index: a modified approach to the estimation and comparison of nutrient utilization efficiency in plants. Journal of Plant Nutrition, New York, v. 4, p. 289-302, 1981.

WERNER, D.; ROTH, R. Silica metabolism. In: LAUCHLI, A.; BIELESKI, R. L. (Ed.). Encyclopedia of plant physiology: new series. Berlin: Springer-Verlag, 1983. v. 15. p. 682-694.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509832053

Licença Creative Commons