Definição de sítios em povoamentos de Pinus elliottii Engelm. na região de Encruzilhada do Sul, RS.

Marcos Vinicius Winckler Caldeira, Hélio Hélio Tonini, Juarez Martins Hoppe, Luciano Farinha Watzlawick, Gerson Luiz Selle

Resumo


O presente trabalho foi desenvolvido no "Projeto Ipiranga VII", localizado na Fazenda Boa Vista no município de Encruzilhada do Sul, RS, pertencente a Empresa Ipiranga Florestal Ltda. O projeto foi implantado em 1987, tendo uma área total e efetivo plantio com Pinus elliotii de 311,59 ha e 200 ha, respectivamente. Este trabalho teve como objetivo determinar as características distintas da área em estudo (sítios) em função dos fatores edáficos, dendrométricos e da vegetação. O sítio I apresentou uma coloração bruno avermelhado escuro (5YR ¾ úmido) na profundidade de 0-10 cm. Este sítio possui solos rasos, apresentando uma profundidade inferior a 20 cm, a superfície do solo apresenta muitas pedras e pedriscos, textura arenosa a franco argilosa e estrutura granular grumosa. O sítio II possui uma coloração bem escura, diferenciando nitidamente do sítio I, pois na profundidade de 20-40 cm apresentou uma coloração bruno avermelhado escuro (5YR 2,5/2 úmido). Neste sítio o solo possui uma profundidade média a profunda, sendo que na  maioria  dos  pontos  de  sondagem a profundidade do solo foi superior a 40 cm. A superfície do solo neste sítio apresentou poucas pedras e pedriscos, possuindo estrutura granular poliédrica a blocos subangulares e textura franco arenosa. Apesar do sítio I ter menor número de árvores por hectare, em torno de 120 árvores  a  menos  que  do  sítio II, estas possuem um diâmetro basal médio menor que no sítio II, pois sabe-se que o diâmetro é diretamente influenciado pela densidade do povoamento, quanto mais denso  for o povoamento,   menor  será  o   diâmetro   do   mesmo. A área basal média por hectare no sítio I foi de 32,40 m2/ha  e 37,91 m2/ha para o sítio II, tendo uma diferença de 5,51 m2/ha. Visto que o Projeto Ipiranga VII possui dois sítios, percorreu-se toda a área com o objetivo de coletar amostras de solos em diferentes profundidades, que variam de 0 a 20 cm e de 20 a 40 cm, isto nos sítios I e II. A análise do solo revelou que o sítio II possui maior percentagem de matéria orgânica em ambas profundidades, podendo justificar a coloração mais escura do solo e mais disponibilidade de nitrogênio e outros nutrientes às plantas. Os dois sítios em ambas profundidades são muito ácidos, tendo uma necessidade média de calcário de 4,9 t/ha, pela tabela SMP, para atingir um pH de 5,5 o que seria ideal para Pinus e Eucalyptus. Essa acidez é refletida pelos teores de alumínio, ficando em torno de 1,0 meq/100 ml, com tendência de aumentar à  medida que aumenta a profundidade de amostragem. A menor percentagem de argila foi encontrada nas profundidades 20-40 cm, tanto no sítio I como no sítio II, confirmando assim o tipo de solo da região (Padzólico vermelho-amarelo horizonte B textural).


Palavras-chave


Forest sites, Pinus elliotti, multifatorial metodo.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRAE, F.H. Ecologia Florestal. Santa Maria. Universidade Federal de Santa Maria. 1978. 230p.

BERTOLANI, F. Programas em andamento e problemas básicos em florestas implantadas de Pinheiros tropicais. In: Congresso IUFRO. Agudos/SP. 1980.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Centro Nacional de Pesquisa de Florestas, Curitiba, PR. Zoneamento ecológico para plantios florestais no estado do Paraná. Brasília, Departamento de Difusão de Tecnologia, 1986. 89p.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Centro Nacional de Pesquisa de Florestas, Curitiba, PR. Zoneamento ecológico para plantios florestais no estado de Santa Catarina. Brasília, Departamento de Difusão de Tecnologia, 1988. 113p.

GOLFARI, L. Responses of same tropical and subtropical conifers to variaus site condition imprrove same tropical conifers. J.Durley and D.G. Nikles, C.F.I. Oxford and Quens land Dept. For., Vol. 1, 264-273p. 1972.

HEIBERG, S.O.; WHITE, D.P. A site evaluation concept. Jour of for., 54(1): 7-10, 1956.

HAAG, P.H. Nutrição mineral de Eucalyptus, Pinus, Araucaria e Gmelinas no Brasil. Campinas. São Paulo, Fundação Cargil, 1983. 101p.

IPEF. Curso de treinamento e atualização em experimentação. Circular Técnica 23. Piracicaba. 26-30 p. 1976.

MUNSELL COLOR COMPANY INC. Munsell sail color charts. Baltimore, Maryland - USA. 1946.

SELLE, G.L. Influência de fatores ambientais na classificação de sítio para Pinus taeda L., na região de Cambará do Sul, RS. Dissertação de Mestrado. Curso de Pós-Graduação em Engenharia Florestal da Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria. 1993. 85 p.

VAN GOOR, C.P. Reflorestamento em coníferas no Brasil. Aspectos ecológicos dos plantios na região sul, particularmente com Pinus elliottii e Araucaria angustifolia. Ministério da Agricultura D.R.N.R., Div. Silvicultura, Seção de Pesquisas Florestais. Boletim 9. 1965.

VAN GOOR. C.P. Classificação da capacidade da terra em relação ao reflorestametno com Pinus elliotti Eng. var. elliottii e Araucaria angustifolia (Bert.) O.Ktze, no Estado de São Paulo. Silvicultura em São Paulo, 4: 349-366. 1966.

WORNALD, T.J. Pinus patula. Tropical Forestry Papers, 7. Dept. of Parestry. Cammanwealth Forestry Institute. University of Oxford. 173 p. 1972.




DOI: https://doi.org/10.5902/19805098320

Licença Creative Commons