Aspectos ecológicos das espécies regenerantes de uma floresta urbana com 150 anos de sucessão florestal: o risco das espécies exóticas

Lucas Deziderio Santana, Cassiano Ribeiro Fonseca, Fabrício Alvim Carvalho

Resumo


A presença de florestas dentro de centros urbanos tem grande importância, principalmente devido aos serviços ecossistêmicos proporcionados por elas. Fragmentos urbanos são pouco estudados e trabalhos quantitativos focados na flora arbórea na área do presente estudo nunca foram realizados. O objetivo foi avaliar a composição, estrutura e diversidade de espécies regenerantes de uma floresta urbana, oriunda de um projeto paisagístico. Buscou-se responder a seguinte questão: a floresta está conseguindo avançar no processo sucessional após 150 anos de regeneração natural? O estudo foi realizado em uma área com tamanho total de aproximadamente 7,8 ha e de predomínio da Floresta Atlântica. A amostragem foi realizada em 25 parcelas de 5 x 5 m, nas quais todos os indivíduos com diâmetro a altura do peito (DAP) < 5 cm e altura > 1 m foram amostrados. Encontram-se 1297 indivíduos, distribuídos em 84 espécies. Três espécies exóticas com conhecido potencial invasor foram encontradas: Coffea arabica, Artocarpus heterophyllus e Persea americana. A espécie Coffea arabica apresentou o maior Valor de Importância na comunidade. O índice de diversidade de Shannon foi de H’ = 3,10 nats.ind-1, e equabilidade de Pielou de J’ = 0,70. A análise de Cluster (coeficiente de Morisita-Horn) evidenciou uma comunidade com baixa heterogeneidade interna. A análise dos grupos ecológicos revelou uma comunidade com dificuldades em avançar para estágios sucessionais superiores. Este estudo é importante para reforçar o risco das espécies exóticas invasoras em projetos paisagísticos.


Palavras-chave


Coffea arabica; Espécies exóticas; Fitossociologia; Regeneração

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, R. C. R.; RODRIGUES, P. J. F. P. Exotic tree Artocarpus heterophyllus (Moraceae) invades the Brazilian Atlantic Rainforest. Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 61, n. 4, p. 677-688, 2010.

ALVEY, A. A. Promoting and preserving biodiversity in the urban forest. Urban Forestry & Urban Greening, Amsterdam, v. 5, n. 4, p. 195-201, 2006.

ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society, London, v. 181, n. 1, p. 1-20, 2016.

BANDEIRA, C. M. Parque Nacional da Tijuca. São Paulo: Markom Books, 1993. 170 p.

CHAZDON, R. L. Tropical Forest recovery: legacies of human impact and disturbances. Perpectives in Plant Ecology, Evolution and Systematics, Jena, v. 6, n. 1-2, p. 51-71, 2003.

CHAZDON, R. L. Chance and determinism in tropical forest succession. In: CARSON, W. P.; SCHNITZER, S. A. (Ed.). Tropical forest community ecology. Chichester: Blackwell, 2008. 536 p.

DELPHIM, C. F. M. O Parque Mariano Procópio. In: DELPHIM, C. F. M. Leituras Paisagísticas: teorias e práxis/ Glaziou. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2007. 238 p.

DRUMMOND, G. M. et al. Biodiversidade em Minas Gerais: um atlas para sua conservação. 2. ed. Belo Horizonte: Fundação Biodiversitas, 2005. 222 p.

DURIGAN, G.; ENGEL, V. L. Restauração de Ecossistemas no Brasil: onde estamos e para onde podemos ir? In: MARTINS, S. V. Restauração ecológica de ecossistemas degradados. Viçosa, MG: Editora UFV, 2012. 293 p.

FABRICANTE, J. R. et al. Invasão biológica de Artocarpus heterophyllus Lam. (Moraceae) em um fragmento de Mata Atlântica no Nordeste do Brasil: impactos sobre a fitodiversidade e os solos dos sítios invadidos. Acta Botanica Brasilica, Feira de Santana, v. 26, n. 2, p. 399-407, 2012.

FELFILI, J. M. et al. Análise multivariada: princípios e métodos em estudos de vegetação. In: FELFILI, J. M.; EISENLOHR, P. V. et al. (Ed.). Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de casos. Viçosa: Ed. UFV, 2011. 556 p.

FONSECA, S. N.; RIBEIRO, J. H. C.; CARVALHO, F. A. Estrutura e diversidade da regeneração arbórea em uma Floresta Secundária Urbana (Juiz de Fora, MG, Brasil). Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 20, n. 3, p. 307-315, 2013.

GONÇALVES, W.; PAIVA, H. N. Árvores para ambiente urbano. Viçosa, MG: Aprenda Fácil, 2004. 242 p.

HAMMER, O. et al. paleontological Statistics software package for education and data analysis. Palaeontologia Electronica, Oslo, v. 4, n. 1, p. 1-9, 2001.

IBGE. Manual técnico da vegetação brasi¬leira. 2. ed. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2012. 271 p.

INTER-AMERICAN BIODIVERSITY INFORMATION NETWORK. Base de dados nacional de espécies exóticas invasoras. Florianópolis: Instituto Hórus de Desenvolvimento e Conservação Ambiental, 2014. Disponível em: Acesso em: 03 jun. 2016.

JUIZ DE FORA (MG). Companhia De Saneamento Municipal. Hidrografia em Juiz de Fora. Disponível em: Acesso em: 16 jun. 2016.

KENT, M.; COKER, P. Vegetation description and data analysis: a practical approach. London: John Wiley & Sons, 1992. 365 p.

KUFA, T.; BURKHARDT, J. Hydraulic characteristics of wild Coffea arabica populations in natural forests of Ethiopia. Gene Conserve, Brasília, v. 9, n. 37, p. 124-135, 2010.

LOPES, W. P. et al. Composição da flora arbórea de um trecho de floresta estacional no Jardim Botânico da Universidade Federal de Viçosa (face sudoeste), Viçosa, Minas Gerais. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 26, n. 3, p. 339-347, 2002.

MAGURRAN, A. E. Measuring biological diversity. Oxford: Blackwell, 2004.

MARTINS, S. V. et al. Caracterização do dossel e do estrato de regeneração natural no sub-bosque e em clareiras de uma florestal estacional semidecidual no município de Viçosa, MG. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 32, n. 4, p.759-767, 2008.

MCKINNEY, M. Urbanization as a major cause of biotic homogenization. Biological Conservation, Boston, v. 127, n. 3, p. 247-260, 2006.

MEIRA-NETO, J. A. A. et al. Estrutura de uma Floresta Estacional Semidecidual insular em área diretamente afetada pela usina hidrelétrica de Pilar, Ponte Nova, Zona da Mata de Minas Gerais. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 21, n. 4, p. 493-500, 1997.

MELI, P. et al. Optimizing seeding density of fast-growing native trees for restoring the Brazilian Atlantic Forest. Restoration Ecology, Washington, v. 26, n. 2, p. 212-219, 2017.

OLIVEIRA-FILHO, A. T.; JARENKOW. J. A.; RODAL, M. J. N. Floristic relationships of seasonally dry forests of eastern South America based on tree species distribution patterns. In: PENNINGTON, R. T.; RATTER, J. A.; LEWIS, G. P. (Ed.). Neotropical savannas and dry forests: plant diversity, biogeography and conservation. Boca Raton: CRC Press, 2006. 491 p.

OLIVEIRA-FILHO, A. T.; SCOLFORO, J. R. Inventário Florestal de Minas Gerais: espécies arbóreas da flora nativa. Lavras: Ed. UFLA, 2008. 418 p.

PIMENTEL, D. et al. Economic and environmental threats of alien plant, animal, and microbe invasions. Agriculture, Ecosystems & Environment, Amsterdam, v. 84, n. 1, p. 1-20, 2001.

PERRING, M. P. et al. Novel urban ecosystems and ecosystem services. In: HOBBS, R. J.; HIGGS, E. S.; HALL, C. M. (Ed.). Novel ecosystems: intervening in the new ecological world order. Chichester: John Wiley & Sons, 2013. 380 p.

RAYMUNDO, D. et al. Persistence of Coffea arabica and its relationship with the structure, species diversity and composition of a secondary forest in Brazil. PLoS ONE, São Francisco, v. 13, n. 3, p. 1-15, 2018.

RODRIGUES, R. R. et al. On the restoration of high diversity forests: 30 years of experience in the Brazilian Atlantic Forest. Biological Conservation, Boston, v. 142, n. 6, p. 1242-1251, 2009.

SALLES, J. C.; SCHIAVINI, I. Estrutura e composição do estrato de regeneração em um fragmento florestal urbano: implicações para a dinâmica e a conservação da comunidade arbórea. Acta Botânica Brasílica, Feira de Santana, v. 21, n. 1, p. 223-233, 2007.

SANTIAGO, D. S.; FONSECA, C. R.; CARVALHO. F. A. Fitossociologia da regeneração natural de um fragmento urbano de Floresta Estacional Semidecidual (Juiz de Fora, MG). Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Pernambuco, v. 9, n. 1, p. 117-123, 2014.

VALVERDE, O. Estudo Regional da Zona da Mata de Minas Gerais. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 1-82, 1958.




DOI: https://doi.org/10.5902/1980509830870

Licença Creative Commons