Lodo de esgoto tratado na composição de substrato para produção de mudas de Plathymenia reticulata Benth

David Pessanha Siqueira, Deborah Guerra Barroso, Giovanna Campos Mamede Weiss de Carvalho, Rommel Monnerat Erthal, Maria Clara Coutinho Rodrigues, Claudio Roberto Marciano

Resumo


O trabalho teve como objetivo avaliar o uso do lodo de esgoto tratado (LET) associado a substrato à base de casca de pinus (SC1) ou à base de fibra de coco (SC2), em diferentes proporções, como substrato para produção de mudas de vinhático. O experimento foi conduzido em casa de vegetação, localizada na unidade de apoio a pesquisa da Universidade Estadual do Norte Fluminense, de junho a novembro de 2016. Utilizaram-se 20, 40, 60, 80% de LET associados ao SC1 ou ao SC2, 100% de LET e o tratamento com SC1 com adubação convencional (controle). O lodo de esgoto foi higienizado com adição de cal a 15% do peso seco. Os resultados revelam que as menores proporções de LET no substrato resultaram em mudas com melhor crescimento em altura, diâmetro do coleto, área foliar, massa seca da parte aérea e do sistema radicular, comprimento e volume radicular. A nodulação foi negativamente influenciada nas mudas produzidas em proporções acima de 20% de LET. A agregação do torrão ao substrato não foi influenciada pela adição de LET, entretanto, houve aumento da curvatura do torrão nas mudas produzidas em maiores quantidades de LET. O conteúdo da parte aérea de N, P e K foi menor nas mudas produzidas em substrato com LET. Para produção de mudas de vinhático, sugere-se a proporção de 20% de lodo de esgoto associado ao SC1 ou SC2, não havendo prejuízos em relação às mudas produzidas em substrato comercial adubado, utilizado comercialmente.

Palavras-chave


Vinhático; Substratos alternativos; Biossólido; Qualidade do torrão

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, A. H. M. et al. Caracterização e potencial de substratos formulados com biossólido na produção de mudas de Schinus terebinthifolius Raddi. e Handroanthus heptaphyllus (Vell.) Mattos. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 27, n. 4, p. 1179-1190, 2017.

ARANJUELO, I.; ARRESE-IGOR, C.; MOLERO, G. Nodule performance within a changing environmental context. Journal of Plant Physiology, Minneapolis, v. 171, p. 1076-1090, 2014.

BARRETO, C. V. G.; TESTEZLAF, R. Particle size distribuition effects on physical characteristics of coconut and pine bark substrates. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 13, n. 3, p. 327-336, 2014.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n. 375/2006. Define critérios e procedimentos para o uso agrícola de lodos de esgoto gerados em estações de tratamento de esgoto sanitário e seus produtos derivados. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, n. 167, p. 141-146, 30 ago. 2006.

CABREIRA, G. V. et al. Biossólido como componente de substrato para produção de mudas florestais. Floresta, Curitiba, v. 47, n. 2, p. 165-176, 2017.

CALDEIRA, M. V. W. et al. Substratos alternativos na produção de mudas de Chamaecrista desvauxii. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 37, n. 1, p. 31-39, 2013.

CARRIJO, O. A.; LIZ, R. S.; MAKISHIMA, N. Fibra de coco verde como substrato agrícola. Horticultura Brasileira, Vitória da Conquista, v. 20, n. 4, p. 533-535, 2002.

CARVALHO, P. E. R. Espécies arbóreas brasileiras. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica; Colombo: Embrapa Florestas, 2010. v. 4. 644 p. (Coleção Espécies Arbóreas Brasileiras).

CUNHA, A. M. et al. Efeito de diferentes substratos sobre o desenvolvimento de mudas de Acacia sp. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 30, n. 2, p. 207-214, 2006.

DANIEL, O. et al. Aplicação de fósforo em mudas de Acacia mangium. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 21, n. 2, p. 163-168, 1997.

DELARMELINA, W. M. et al. Diferentes substratos para produção de mudas de Sesbania virgata. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 21, n. 2, p. 224-233, 2014.

FORRESTER, D. I. Growth responses to thinning, prunning and fertiliser application in Eucalyptus plantations: A review of their production ecology and interactions. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 310, p. 336-347, 2013.

EMBRAPA. Manual de métodos de análises de solo. 3. ed. Brasília, 2017. 575 p.

GOMES, D. R. et al. Lodo de esgoto como substrato para produção de mudas de Tectona grandis. Cerne, Lavras, v. 19, n. 1, p. 123-131, 2013.

GOMES, J. M.; PAIVA, H. N. Viveiros florestais: propagação sexuada. Viçosa, MG: UFV, 2011. 116 p.

GONÇALVES, J. L. M. et al. Produção de mudas de espécies nativas: substrato, nutrição, sombreamento e fertilização. In: GONÇALVES, J. L. M.; BENEDETTI, V. (Ed.). Nutrição e fertilização florestal. Piracicaba: IPEF, 2000. p. 309-350.

JACKSON, M. L. Soil chemical analysis. New Jersey: Prentice Hall, 1965. 498 p.

KAMPF, A. N. Produção comercial de plantas ornamentais. Guaíba: Agropecuária, 2005. 256 p.

LACERDA, D. R. et al. A técnica RAPD: uma ferramenta molecular em estudos de conservação de plantas. Lundiana, Belo Horizonte, v. 3, n. 2, p. 87-92, 2002.

LOUSADA, L. L. Nutrição e crescimento do sorgo sacarino e alterações nos atributos do solo pela aplicação de lodo de esgoto doméstico. 2015. 122 f. Tese (Doutorado em Produção Vegetal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense, Campos dos Goytacazes, 2015.

NOVAIS, R. F. et al. Fertilidade do solo. Viçosa, MG: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2007. 1017 p.

PREVEDELLO, C. L. Física do solo com problemas resolvidos. Curitiba: [s.n.], 1996. 446 p.

ROCHA, J. H. T. et al. Composto de lodo de esgoto como substrato para produção de mudas de eucalipto. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v. 33, n. 73, p. 27-36, 2013.

SANTOS, E. V. F. et al. Características químicas de substratos formulados com lodo de esgoto para produção de mudas florestais. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 18, n. 9, p. 971-979, 2014.

SIQUEIRA, D. P. et al. Lodo de esgoto tratado na composição de substrato para produção de mudas de Lafoensia glyptocarpa. Floresta, Curitiba, v. 48, n. 2, p. 277-284, 2018.

SCHEER, M. B.; BRESSAN, C. C. O. A.; SANTOS, K. G. Crescimento e nutrição de mudas de Lafoensia pacari com lodo de esgoto. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 19, n. 1, p. 55-65, 2012.

TELES, C. R.; COSTA, A. N.; GONÇALVES, R. F. Produção de lodo em lagoas de estabilização e seu uso no cultivo de espécies florestais na região Sudoeste do Brasil. Sanare, Vitória, v. 12, n. 12, p. 53-60, 1999.

TRANNIN, I. C. B.; MOREIRA, F. M. S.; SIQUEIRA, J. O. Crescimento e nodulação de Acacia mangium, Enterolobium contortisiliquum e Sesbania virgata em solo contaminado com metais pesados. Revista Brasileira de Ciências do Solo, Viçosa, MG, v. 25, n. 1, p. 743-753, 2001.

TRAZZI, P. A. Substratos renováveis na produção de mudas de Tectona grandis Linn F. 2011. 98 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) – Universidade Federal do Espirito Santo, Jerônimo Monteiro, 2011.

TRAZZI, P. A. et al. Produção de mudas de Tectona grandis em substratos formulados com biossólido. Cerne, Lavras, v. 20, n. 2, p. 293-302, 2014.

TRIGUEIRO, R. M. Uso de biossólido como substrato para produção de mudas de pinus e eucalipto. 2002. 94 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Botucatu, 2002.

TRIGUEIRO, R. M.; GUERRINI, I. A. Uso de biossólido como substrato para produção de mudas de eucalipto. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 64, p. 150-162, 2003.

TRIGUEIRO, R. M.; GUERRINI, I. A. Utilização de lodo de esgoto na produção de mudas de aroeira-pimenteira. Revista Árvore, Viçosa, MG, v. 38, n. 4, p. 657-665, 2014.

ZORZETO, T. Q. et al. Caracterização física de substratos para plantas. Bragantia, Campinas, v. 73, n. 3, p. 300-311, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509827297